segunda-feira, 22 de maio de 2017

O MATENSE FRANK CHAGAS DO VITÓRIA, SUA BIOGRAFIA

FUNDAÇÃO DO EC VITÓRIA - O LEÃO DO BARRADÃO!
VERSOS POÉTICO DE CHIQUITINHA MARAVILHA. A LUZ DOCUMENTAL DO EC VITÓRIA. HISTÓRICO# COMPARTILHE GALERA RUBRO NEGRA..
ESPORTE CLUBE VITÓRIA, O LEÃO DA BARRADÃO
No dia treze de maio de mil oitocentos e noventa e nove foi fundado
Numa noite chuvosa na bela cidade de Salvador o Club Cricket Vitória
num casarão pertencente a ilustre família Valente e que ficava localizado
No Corredor da Vitória, um bairro de reconhecida nobreza, repletos de histórias!
Os irmãos Arthur e Arthemio Valente, Fernando Kock e outras desportistas
Não citados, reunidos logo escolheram o primeiro presidente por aclamação!
O Arthemio Valente, que dezoito dias depois de eleito, mediante uma reunião
de diretoria, renunciou a presidência do Club Cricket Vitória, tendo em vista
O fato acontecido, Fernando Kock assumiu a presidência da nova agremiação
De críquete, esporte bastante disputado na colônia britânica e uma das paixão
Da colônia inglesa na cidade de Salvador, que tornou-se uma forte tradição!
Fundado o Club logo escolheram as cores verde e amarelo, mas essas cores não
Foi encontradas no comercio de Salvador, sendo oficializada uma coloração
Na tonalidade Preta e Vermelha, sendo aceitos por todos, sem contestação!
Em mil novecentos e dois, o Vitória adotou o futebol como modalidade, juntamente
Com a natação, atletismo e o remo, modalidades praticadas por muita gente....
Ainda no mesmo ano citado, foi logo mudado o nome para Sport Club Vitória!
E com o passar dos anos, o Vitória foi conquistando ao longo da sua existência
Títulos e mais títulos, construiu Estádio e Centro de Treinamento de excelência
Ganhando prestígio organizacional, vivenciando momentos sublimes de glórias!
No dia treze de maio de mil oitocentos e noventa e nove e foi fundado
Numa noite chuvosa na bela cidade de Salvador o Club Cricket Vitória
num casarão pertencente a ilustre família Valente e que ficava localizado
No Corredor da Vitória, um bairro de reconhecida nobreza, repletos de histórias!
Os irmãos Arthur e Arthemio Valente, Fernando Kock e outras desportistas
Não citados, reunidos logo escolheram o primeiro presidente por aclamação!
O Arthemio Valente, que dezoito dias depois de eleito, mediante uma reunião
de diretoria, renunciou a presidência do Club Cricket Vitória, tendo em vista
O fato acontecido, Fernando Kock assumiu a presidência da nova agremiação
De críquete, esporte bastante disputado na colônia britânica e uma das paixão
Da colônia inglesa na cidade de Salvador, que tornou-se uma forte tradição!
Fundado o Club logo escolheram as cores verde e amarelo, mas essas cores não
Foi encontradas no comercio de Salvador, sendo oficializada uma coloração
Na tonalidade Preta e Vermelha, sendo aceitos por todos, sem contestação!
Em mil novecentos e dois, o Vitória adotou o futebol como modalidade, juntamente
Com a natação, atletismo e o remo, modalidades praticadas por muita gente....

Ainda no mesmo ano citado, foi logo mudado o nome para Sport Club Vitória!
E com o passar dos anos, o Vitória foi conquistando ao longo da sua existência
Títulos e mais títulos, construiu Estádio e Centro de Treinamento de excelência
Ganhando prestígio organizacional, vivenciando momentos sublimes de glórias!..


TOTAL  DE ACESSOS  MAIS  DE 981  MIL  DIA 22/05/2016


GLORIOSO TIME AMADOR DO ADM /CIDADE  DE MATA DE SÃO JOÃO/BA CELEIRO DE MAGNIFICO  JOGADORES DO FUTEBOL MATENSE P/ O PROFISSIONAL DA BAHIA E DO BRASIL A EXEMPLO DE FRANK CHAGAS, NÉLSON LEAL, MANESINHO, NEI LEAL, TEIXEIRA, HÉLIO NAILON, BIGU, GAIVOTA, ÍNDIO O MARIVALDO, FEIJÃO,  FERNANDO RISADINHA,  PIOLHO, PAPUDA E OUTROS E OUTROS EXCELENTES JOGADORES  AMADORES. FOTO DO ADM INICIO DO ANO  DE 1959,  NA FOTO DENTRE OUTROS JOGADORES FRANK CHAGAS, BADÍ  NEI LEAL,  CHIQUINHO, MUNDINHO, BERILO,  PAISINHO,  GETÚLIO, ZÉ MOCÓ, DE PÉ, NILSON, BOLERO, GOLEIRO BERILO, (NA FOTO AGACHADO, SEGURANDO A  BOLA COM UMA DAS MÃOS)... FOTO REPRODUZIDO POR CHIQUITINHA MARAVILHA DO ORIGINAL DOM CLUBE ADM. FUNDAÇÃO DO ADM DIA 06/09/1949.
*************************************************************************************
FUNDAÇÃO DO EC VITÓRIA - O LEÃO DO BARRADÃO!

VERSOS POÉTICO DE CHIQUITINHA MARAVILHA. A LUZ DOCUMENTAL DO EC VITÓRIA. 
ESPORTE CLUBE VITÓRIA, O LEÃO DA BARRADÃO!
No dia treze de maio de mil oitocentos e noventa e nove foi fundado
Numa noite chuvosa na bela cidade de Salvador o Club Cricket Vitória
num casarão pertencente a ilustre família Valente e que ficava localizado
No Corredor da Vitória, um bairro de reconhecida nobreza, repletos de histórias!
Os irmãos Arthur e Arthemio Valente, Fernando Kock e outras desportistas
Não citados, reunidos logo escolheram o primeiro presidente por aclamação!
O Arthemio Valente, que dezoito dias depois de eleito, mediante uma reunião
de diretoria, renunciou a presidência do Club Cricket Vitória, tendo em vista
O fato acontecido, Fernando Kock assumiu a presidência da nova agremiação
De críquete, esporte bastante disputado na colônia britânica e uma das paixão
Da colônia inglesa na cidade de Salvador, que tornou-se uma forte tradição!
Fundado o Club logo escolheram as cores verde e amarelo, mas essas cores não
Foi encontradas no comercio de Salvador, sendo oficializada uma coloração
Na tonalidade Preta e Vermelha, sendo aceitos por todos, sem contestação!
Em mil novecentos e dois, o Vitória adotou o futebol como modalidade, juntamente
Com a natação, atletismo e o remo, modalidades praticadas por muita gente....
Ainda no mesmo ano citado, foi logo mudado o nome para Sport Club Vitória!
E com o passar dos anos, o Vitória foi conquistando ao longo da sua existência
Títulos e mais títulos, construiu Estádio e Centro de Treinamento de excelência
Ganhando prestígio organizacional, vivenciando momentos sublimes de glórias!
No dia treze de maio de mil oitocentos e noventa e nove e foi fundado
Numa noite chuvosa na bela cidade de Salvador o Club Cricket Vitória
num casarão pertencente a ilustre família Valente e que ficava localizado
No Corredor da Vitória, um bairro de reconhecida nobreza, repletos de histórias!
Os irmãos Arthur e Arthemio Valente, Fernando Kock e outras desportistas
Não citados, reunidos logo escolheram o primeiro presidente por aclamação!
O Arthemio Valente, que dezoito dias depois de eleito, mediante uma reunião
de diretoria, renunciou a presidência do Club Cricket Vitória, tendo em vista
O fato acontecido, Fernando Kock assumiu a presidência da nova agremiação
De críquete, esporte bastante disputado na colônia britânica e uma das paixão
Da colônia inglesa na cidade de Salvador, que tornou-se uma forte tradição!
Fundado o Club logo escolheram as cores verde e amarelo, mas essas cores não
Foi encontradas no comercio de Salvador, sendo oficializada uma coloração
Na tonalidade Preta e Vermelha, sendo aceitos por todos, sem contestação!
Em mil novecentos e dois, o Vitória adotou o futebol como modalidade, juntamente
Com a natação, atletismo e o remo, modalidades praticadas por muita gente....
Ainda no mesmo ano citado, foi logo mudado o nome para Sport Club Vitória!
E com o passar dos anos, o Vitória foi conquistando ao longo da sua existência
Títulos e mais títulos, construiu Estádio e Centro de Treinamento de excelência
Ganhando prestígio organizacional, vivenciando momentos sublimes de glórias!..


CurtirMostrar mais reações
Comentar




******************************************************************************************************************************************************************


FRANK  CHAGAS, ABRIU O MERCADO DA  BOLA, 
PARA JOGADORES AMADORES MATENSE,  MAIO DE 1959!


Time do Vitória 1961 Fonte Nova, Campeonato Baiano de 1961, Fonte Nova, Ataque, do EC Vitória, agachados: Frank (nº 7), Reginaldo, Matos, Carlinhos Gonçalves....Em pé: dentre outros, vemos Nelinho e Boquinha (direita da foto), Jornal Tarde 24/09/1961 (jogo abaixo). 

 O matense Frank Chagas (falecido em 2011/Aracaju/SE., nascido em 1939/cidade de Mata de S. joão da Bahia), Frank Chagas, o 1º jogador matense  a torna-se Campeão   pelo futebol profissional  da  Bahia!  sendo  Campeão peloec vitória, em 1961, Fonte Nova, Torneio início do Baiano do mesmo ano. Frank Chagas, foi o 1º jogador do futebol Amador matense, a se profissionaliza-se no futebol Baiano, maio de 1959, abrindo o Mercado da Bola, para outros excelentes jogadores amadores no profissional da Bahia. jogando pelo Guarani de Salvador ). Frank Chagas, jogou ainda no Vitória 1961/62, Galícia 1962/ maio de 1964, quando foi p/ o futebol Sergipano, Confiança, e outras equipes e no futebol, Alagoano e no Sergipano. Frank Chagas, irmão de Chiquitinha Maravilha (Família Pereira das Chagas e ramificações genealógica na Bahia e Brasil)...


FRANK CHAGAS



GALÍCIA ESPORTE  CLUBE

IRMÃO DE CHIQUITINHA MARAVILHA





Galícia no Torneio Início de 1963, Fonte Nova: Na foto Frank Chagas (o 1º em pé a esquerda), Djair, Nildon Birro Doido, Silvio Mário, Beto (goleiro), Cloves; abaixo, agachados: Vadinho, Jorge Bassu, Mário Felipe  (apelidado de Onça, 3º da foto), Servilho e  Nelson, ponta esquerda.

A

GAMALIEL SALES CHAGAS

                                         GAMALIEL CHAGAS/CHIQUITINHA MARAVILHA 
                                           NA ILHA DE ITAPARICA/BA ANO 1981 AOS 30 ANOS.








 FRANK CHAGAS -  ABRIU O  MERCADO DA BOLA  A PARTIR DE 1959, PARA OUTROS  EXCELENTES JOGADORES  MATENSE!


Frank Chagas em maio de 1959, aos 19 anos incompleto, na Praça Cairu, cidade de Salvador de malas pronta para iniciar a sua vida como jogador de futebol no time do Guarani de Salvador, abrindo o mercado da Bola para os jogadores matense no lendário futebol profissional da Bahia, onde ficou jogando, até maio de 1964 (jogando nos times do Guarani 1959/60, EC Vitória 1961/62, Galícia 1962/maio de 1964), indo Frank Chagas, completar a sua história em Aracaju/ a bela capital de Sergipe/Brasil, ode foi Campeão sergipano pelo Confiança em 1965, vice em 1966 e 1967...
Foto álbum de arquivo da família Pereira das Chagas.
********************************************************************************

JOGOS DE FRANK CHAGAS NO GUARANI, VITÓRIA, GALÍCIA

 de MAIO 1959 A MAIO DE 1964


FRANK CHAGAS  SEUS JOGOS   NO FUTEBOL BAIANO  DE 1959/1964 SUMULAS  TORNEIOS INÍCIOS,  AMISTOSOS, QUADRANGULARES, CAMPEONATO BAIANO  NO PERÍODO  CITADO, FOTOS, JOGADORES, TÉCNICOS, NO PERÍODO CITADO FONTE NOVA E  INTERIOR  DA BAHIA, JOGOS    NO CAMPEONATO SERGIPANO NA  DÉCADA  DE 1960. DOCUMENTÁRIO  PARA OS ANAIS  DO FUTEBOL BAIANO NO PERÍODO CITADO.

DESCENDÊNCIA  GENEALÓGICA

FRANK CHAGAS, MATENSE, IRMÃO    DE CHIQUINHA MARAVILHA, DESCENDENTES  DAS FAMÍLIAS:  PEREIRA CHAGAS,  GONÇALVES  DE  CARVALHO (DA  CASA DA TORRE DE  GARCIA D'ÁVILA), RODRIGUES  TEIXEIRA, PEREIRA PAIVA,  SIMÕES DE PAIVA, ARAUJO GÓES, TRINDADE TEIXEIRA FRANCO, SILVA PARANHOS,  MONTENEGRO, CASTRO LEAL,  REIS MEIRELES, COSTA PINTO, SEPÚLVEDA GARCEZ,  PALMEIRAS PAIVA, MOREIRA MOREIRA, ALVES  SILVA, SALES CHAGAS, SEABRA VIANA,  MARBACK COSTA PINTO, NOGUEIRA MEIRELES,  ARAUJO GOES, PAIVA FRANÇA, CHAGAS CARRARA, WOHLERS DE CARVALHO, CHAGAS  ABREU BASTOS,  FRAGOSO CHAGAS, VIANA CAVALCANTE, SILVA, SILVA PARANHOS MEIRELES PARANHOS MESQUITA, MONIZ ARAGÃO VIANA, PIRES DE CARVALHO E ALBUQUERQUE, DIAS D'ÁVILA, CHAGAS ALBAN.........MAIS DE 20 MIL DESCENDENTES..



  MATA DE SÃO JOÃO/BA.  - DÉCADA DE 1950
Praça Barão Açu da Torre (primo de Chiquitinha  Maravilha e de Frank Chaga) na Cidade  de  Mata  de  São João na  década de  1950, nessa   citada  praça  nasceu Frank Chagas no dia 11/08/1939.


GALERIA  DE FOTOS DE FRANK CHAGAS
Na   pesquisa  e  digitalização  de  Chiquitinha  Maravilha

 Frank Chagas  aos 19  anos  de idade, estreando no  futebol profissional  da Bahia no time  do Guarani na  Fonte Nova,  no torneio Início do Campeonato Baiano  de  1959. Frank na  foto o 3/  em pé. Foto  pesquisada e digitalizada  por Chiquitinha Maravilha em jornais  baiano de maio de 1959.


Na Foto  Frank Chagas  no time do Guarani no Torneio Início  de 1959 do Futebol Baiano ano 1951. Na  foto   da  esquerda  para a  direita os times  do Ypiranga, Fluminense, Botafogo e  Galícia (este na 4ª  foto a direita),  no estádio da Fonte Nova  que completado no dia 28/01/1959   8  anos de inaugurado. Foto  pesquisada e digitalizada  por Chiquitinha Maravilha em jornais  baiano de maio de 1959;


FOTO RELÍQUIA HISTÓRICA DO ESPORTE MATENSE!
Foto do time  dos Comerciários Matense  no dia 30 de outubro de 1960/ou 1961  na  cidade de Mata  de São João/Ba. Frank Chagas pousando na  foto histórica de um amistoso  na  festa  esportiva dos Comerciários  Matense. Frank  Chagas é  o 2°  na   foto da  esquerda  para  a  direita em pé (Zague  é  o  1°  da  foto), seguem outros    comerciários matense a  exemplo de   Renato Bahia em pé o 4/  na  foto em pé. Abaixo aparecem abaixados da  esquerda  para a direita; Eliezer  Costa,... Rosalvo  Romero Fernandez, o 3° na  foto, Nadinho, Valter  Maciel (Valtinho Gonzalez) e Antonio  de Himério ( o 6° abaixo da
Foto do arquivo  de Valter Maciel, cedido a  Chiquitinha  e  fotografou  reproduzindo a  citada foto e digitalizou em 2007. Falecidos  na foto Elizer Costa, Zague,  Frank Chagas, Rosalvo Romero.


 PARTIDA TUMULTUADA  BAHIA X GALÍCIA 
Fonte Nova    início da  década de 1960
Foto de 1962  na  fonte Nova Bahia  x  Galícia,  discussão entre   jogadores do Bahia  e Galícia, sendo pivot o galiciano Mimi  na tentativa  de agressão a Agnaldo do Bahia, Mimi na  foto e Vicente  discutem, enquanto outros jogadores observam. Frank  o 2°  na  foto da esquerda p/ a  direita, ao lado  de  Mimi (n. 6),  o 1°  na  foto na  mesma sequencia (da  esquerda p/ direita),  jogadores do Bahia  de  camisa  branca  com duas listas verticais e    jogadores  galegos  com  camisa    listradas  azul e  branca   também na  vertical.
A  citada partida foi   suspensa  pela  arbitragem. foto  pesquisada e digitalizada  de Chiquitinha  Maravilha. Click aumentando o zum e leia legenda  do jornal.


VER   LINDAS FOTOS/SÚMULAS DE   JOGOS  DE FRANK CHAGAS  DE  MAIO DE 1959 A MAIO DE 1964, INÉDITOS NUMA DOCUMENTAL DE MEMÓRIAS  DE JOGADORES  EXCELENTE  DA  PRIMEIRA METADE  DA DÉCADA DE 1960.



                 CHIQUITINHA MARAVILHA - MEIO CAMPISTA!

O matense Gamaliel Chagas, aos 21 anos, Seleção Matense x Santo Amaro, Intermunicipal 1972, Estádio Municipal de Pojuca (Luis Viana Filho).


Chiquitinha Maravilha irmão e Biografo de Frank Chagas, mediante intensas pesquisas em arquivos, baiano .. e da família Pereira das Chagas/Foto Chiquitinha Maravilha
CONTEÚDO HISTÓRICO!

CONTEÚDO  HISTÓRICOS, NESSA   POSTAGEM DA TRAJETÓRIA FUTEBOLÍSTICA  DO  MATENSE  FRANK  CHAGAS (FALECIDO),  COM SEU PIONEIRISMO EM SAIR  DE SUA  TERRA NATAL, CIDADE  DE  MATA DE SÃO JOÃO/BA.  EM MAIO DE 1959 (COM 19 ANOS AINDA INCOMPLETOS), PARA COM GARRA,  PERSEVERANÇA E AMOR AO FUTEBOL, ESCOLHENDO UMA PROFISSÃO AINDA  INSEGURA E DESVALORIZADA E CONSEGUIU SER  DESTAQUE NOS TIMES EM   QUE   JOGOU FUTEBOL   NA BAHIA. 

FRANK CHAGAS, FOI JOGADOR  DE BOLA NUMA ÉPOCA DE EXCELENTES JOGADORES  PROFISSIONAIS  NO FUTEBOL BAIANO, O ANO DE 1959! NESSE MESMO ANO,  O ESPORTE CLUBE BAHIA, CONQUISTA O BRASIL PELA PRIMEIRA VEZ,  COM A  1° TAÇA BRASIL NO HISTÓRICO  DIA  29/03/1960, COINCIDENTEMENTE   DIA   DE MAIS  UM ANIVERSÁRIO  DA  CIDADE  FORTALEZA  DE TOME  DE SOUZA.

ABRIU O MERCADO DA BOLA!

FRANK CHAGAS, ABRIU O  MERCADO  DA BOLA PARA QUE  OUTROS  MATENSE  NATIVOS OU RADICADOS, SEGUISSEM OS  SEUS CAMINHOS..,   RUMO AO PROFISSIONALISMO, A EXEMPLO  DE OUTROS  FORMIDÁVEIS JOGADORES AMADORES  DO  MUNICÍPIO MATENSE, QUE BRILHARAM  EM GRAMADOS  BAIANOS  E BRASILEIROS! A EXEMPLOS  DE NÉLSON LEAL, HÉLIO NAILON, MANEZINHO,  MARIVALDO ÍNDIO, NEI LEAL, VALDO O BIGU,  TEIXEIRA, MANOEL GAIVOTA, FERNANDO RISADINHA,  FEIJÃO,  ANTONIO CARLOS (PAPUDA), ZÉ POPÓ, REINALDO TAVARES,   DOUGLAS, PIOLHO  MATENSE....
 E OUTROS EXCELENTES  JOGADORES AMADORES,  QUE  TREINARAM  NAS EQUIPES PROFISSIONAIS DA BAHIA, MAS POR MOTIVOS PARTICULARES NÃO  QUISERAM PROFISSIONALIZAR-SE, ESCOLHENDO OUTRAS  PROFISSÕES .... 


SÚMULAS  DE JOGOS DOS CAMPEONATOS, TORNEIOS INÍCIOS..

JOGOS COM SÚMULAS DE TODAS AS PARTIDAS    DISPUTADAS PELO MATENSE FRANK CHAGAS  NO FUTEBOL BAIANO DE MAIO  DE 1959 A MAIO DE  1964 NAS EQUIPES  DO GUARANI (MAIO  DE 1959 A 196), VITÓRIA (1961 A INÍCIO DE 1962),  E GALÍCIA (1962/ MAIO DE 1964).

UM DOCUMENTÁRIO QUE SERVE  PARA OS ANAIS DO FUTEBOL BAIANO NO PERÍODO CITADO, JÁ QUE ENVOLVE  INÚMEROS JOGADORES, ARBITRAGENS, RENDAS, QUADRANGULARES, AMISTOSOS, TORNEIOS INÍCIO, FOTOS...NUM AUTÊNTICO BANCO DE DADOS, GUIAS  PARA   NOVAS PESQUISAS  NO CITADO PERÍODO.


UM TRABALHO INCESSANTE DE CHIQUITINHA MARAVILHA,  NAS PESQUISAS, NOS AQUIVOS  DE JORNAIS BAIANOS DA ÉPOCA CITADA, QUE ACARRETOU, DESPESAS...,  DESGASTE FÍSICO,  VIAGENS INTERMUNICIPAIS... TUDO ISSO EM PROL  DA MEMÓRIA ESPORTIVA DO FUTEBOL MATENSE E  DO  MAGNÍFICO, FABULOSO FUTEBOL  BAIANO, AINDA  POUCO  DIVULGADOS E CONHECIDOS NOS SEUS PRIMÓRDIOS COMO UM TODO , PRINCIPALMENTE PELAS  NOVAS  GERAÇÕES, SAINDO DA  ESFERA DO BAVI!

FRANK CHAGAS COM SEU AMOR PELO FUTEBOL, JUNTAMENTE COM  SEUS COMPANHEIROS  DE SUA GERAÇÃO E  DE OUTRAS ANTERIORES, JOGAVAM FUTEBOL POR AMOR A BOLA, SEM SE PREOCUPAR  EM GANHAR SALÁRIO   MILIONÁRIOS......

  TROFÉU HONRA AO MÉRITO  FRANK CHAGAS!

PRIMEIRO JOGADOR  AMADOR DO FUTEBOL MATENSE  A TORNA-SE 


PROFISSIONAL, ABRINDO O MERCADO DA BOLA, A PARTIR DE MAIO DE 1959, PARA  QUE OUTROS JOGADORES MATENSE SEGUISSEM  O PROFISSIONALISMO, NUMA  ÉPOCA,  EM QUE  A PROFISSÃO  DE JOGADOR  DE BOLA, NÃO ERA  BEM  VISTA, PELOSA  FAMILIARES   DE  JOGADORES DE  BOLA!




FRANK CHAGAS CAMPEÃO  T. INÍCIO  P/ VITÓRIA 30/07/1961/
                   
FRANK CHAGAS  NO FUTEBOL BAIANO 1959/64
                               (Irmão de Chiquitinha  Maravilha)
                         Documento histórico para  os  anias  do Vitória!

TROFÉU HONRA AO MÉRITO EM MEMÓRIA DE   FRANK CHAGAS -PRIMEIRO JOGADOR MATENSE A SE TONAR PROFISSIONAL NO FUTEBOL BAIANO
 (Jogou no futebol profissional  da Bahia, de Mai de 1959, a maio de 1964). Aguardem Sumulas  de todos  os  jogos  de Frank Chagas  no Vitória de 1961 a inicio de 1962.
***********************************************************************
TROFÉU HONRA AO MÉRITO em MEMÓRIA DE FRANK CHAGAS

Frank Chagas, nasceu na Praça Barão Açu da Torre/Centro, em agosto de 1939 e faleceu em Aracaju, ano 2011, cidade onde foi sepultado e deixou descendências, com 5 filhos.
Frank Chagas, foi o primeiro jogador amador matense, a se profissionalizar-se a partir de maio de 1959. ao assinar contrato de jogador profissional com o time do Guarani de Salvador, Frank aos 19 anos incompleto, abriu o Mercado da Bola para que que outros excelentes jogadores amadores do Futebol Matense profissionalizar-se anos depois.

**********************************************************************


 FRANK CHAGAS -  ABRIU O  MERCADO DA BOLA  A PARTIR DE 1959, PARA OUTROS  EXCELENTES JOGADORES  MATENSE!
Frank Chagas em maio de 1959, aos  19 anos  incompleto,  na  Praça  Cairu, cidade de Salvador  de malas pronta  para iniciar  a  sua  vida   como jogador  de futebol no time  do Guarani de Salvador, abrindo o mercado  da  Bola  para  os  jogadores matense no lendário futebol profissional  da  Bahia onde ficou até  maio de 1964, indo completar a  sua   história  em Aracaju/ a   bela  capital   de Sergipe/Brasil, ode foi Campeão  sergipano pelo Confiança em 1965, vice em 1966  e 1967...
Foto  álbum de arquivo da   família Chagas (Chiquitinha  Maravilha).


FRANK  SALLES  CHAGAS
Por Chiquitinha  Maravilha


Fontes de Pesquisas:
Jornais de Salvador: Diário da Bahia, de Notícias, Jornal  da Bahia,  Jornal A  Tarde, outras fontes; testemunho  de Chiquitinha, irmão do biografado,  entrevista com Frank Chagas, quando vem vida, com jogadores conteporaneos de Frank no futebol matense, na década de 1950, 1960,  Arquivo de Robson Porto, no Futebol Sergipano


NASCIMENTO E MORTE DE FRANK


Frank Salles Chagas, nasceu em 11/08/1939, na Praça Barão Açu da Torre, centro, cidade de Mata de João João/Ba, faleceu  de câncer na pele), dia 28/01/2011, aos 72 anos em Aracaju cidade que residiu a partir de 1965, quando assinou contrato com o Confiança, time que jogou até o ano de 1968 ou 1969. Frank foi sepultado em Aracaju, pai de 5 filhos, 3 do sexo masculino dois do feminino, todos residentes em Aracaju/SE.




ESPOSA E FILHOS DE FRANK SALLES CHAGAS

Frank   Sales  Chagas  se  casou  com Edildes Fontes  no ano  de  1969  na  cidade  de Aracaju,  tendo   esse  casal  á filha Franklene  Fontes Chagas. Frank    no seu relacionamento  com   Neuza  Jorge Silva,  pais  de Frankenheiner  Sales  Chagas,  

Franklene nasceu em 1975, Jacó Sales Chagas, Frankilene Sales Chagas. Frankenheiner  3/12/1974, Jacó  nasceu  em 11/8/1977 e Frankline  nasceu em  1975/76, e todos  os  filhos  Sergipanos  de  Aracaju/Sergipe.  



TÍTULOS DE FRANK NO FUTEBOL BAIANO

Pelo Vitória - Torneio Início 
dia 30/07/1961/Fonte Nova


Frank Chagas foi campeão do Torneio Início de 30/07/1961, jogando pelo Vitória, Foi Vice- campeão do Torneio Interestadual de 10/10/1961 a 12/ 1961, Bahia, Vitória,Canto do Rio e Sport de Recife, sendo vice -Campeão pelo Vitória
O Bahia venceu o Torneio realizado na Fonte Nova, na qual participaram as equipes do Vitória, Canto do Rio (Rio de Janeiro) e Sport de Recife. O Vitória foi o 2º colocado, Sport 3º e o Canto do Rio o último colocado.


TÍTULOS PELO GALÍCIA DE 1962/1964

Galícia Campeão do Quadrangular/ Padre Palmeira (30/8/1963

O Galícia foi campeão do Quadrangular Padre Luiz Palmeira, que foi realizado no período de 22 a 30 de agosto de 1963,na Fonte Nova.


Participaram do Quadrangular:

 Bahia, Vitória, Leôncio e Galícia.


Galícia Campeão Do Quadrangular João Havelange
(24/06/1962) Galícia Campeão Do Quadrangular João Havelange
(24/06/1962).


INÍCIO  NO FUTEBOL PROFISSIONAL  DA BAHIA


Frank no  Futebol Profissional da  Bahia 

(Maio /1959  a  Maio /1964) 


     No futebol amador de Mata de São João, desde os anos de 1956 já começava a se destacar nas equipes  amadoras  do  futebol matense  a  exemplo do  Independente  e ADM. Frank  foi  treinar  no  time  profissional   do  Guarani  de  Salvador,  sendo  logo  aprovado  pelo  reconhecimento  do  belo futebol. No Guarani  Frank  Chagas  se  destacou,  no  campeonato  baiano  de  1960  e Galícia    e Vitória  disputaram a  compra  do  seu    passe   no  ano  de  1961  e  Frank  assinou  contrato  de   um  ano  com  o Vitória.
   No  ano   de  1962  Frank  foi  contratado  pelo  Galícia,  fazia  parte    da  renovação  do  plantel  do  time  da  Colônia  Espanhola  para  a  temporada   de  1962  e  no  ano  mês de  maio   de  1964,  Frank  não  quis  renovar   o  seu  contrato  com  o  Galícia para  mais  uma  temporada,  ele  preferiu  jogar  o  seu   futebol  vistoso  futebol  em  outros  gramados,  pois   desde  maio 1959  (tinha 20  anos  incompleto)  até 1964   que Frank  jogava  no  futebol profissional   da  Bahia (4  anos). Frank  foi o primeiro  jogador  nascido  no  município matense  a  se  tornar  profissional  no  futebol  baiano,  abrindo  o mercador  para  outros jogadores do  município matense.

 Frank Salles Chagas  no  Vitória 1961/


     Frank que jogou no Guarani nas temporadas de 1959 e 1960, teve uma rápida passagem pelo Galícia, numa excursão pelo interior da Bahia e em Minas Gerias (Montes Claros, Teófilo  Otoni, etc.), tendo assinado contrato pelo Vitória  após essa excursão, tendo  assinado  contrato com  o  Vitória  em  26/04/196.
A  partida entre  Vitória  1x1 Bahia  foi  realizada   em  03/09/1961,  um  domingo  na  Fonte Nova. (Jornal Diário de Notícias, terça-feira 5/9/1961). 

Frank no Futebol Sergipano e  Alagoano


    De Minas Gerias, Frank Salles   Chagas  (Gudinha, apelido), foi para o  futebol  Sergipano a  partir  do  ano   de  1965,  onde  jogou  no  Confiança  até 1969,  sendo   campeão  sergipano  e  três vezes  vice-campeão.
O  time do Confiança fica  sediado  no Bairro Industrial, na  cidade   de  Aracaju, Frank foi destaque nesse no futebol sergipano, onde sempre era titular da  sua posiçãolateral direito. Frank Chagas também jogou em outras  posições   no  Confiança   de  Sergipe.                                                                                                     
 Frank Chagas se profissionalizou em maio de 1959,  no time  do  Guarani  da  cidade   de  Salvador,  onde   jogou dois  campeonatos,  jogou  no  Vitória  no  ano  de  1961,  onde  foi  campeão  do  Torneio  Início  no dia  30  de  mês   d e julho   de  1961 o seu tempo como jogador de futebol profissional foi de 11 anos.


    
Frank  Chagas   no  Guarani  (1959  a 1961)

Diretoria do Guarani (1959/1960)


     Foram eleitos os membros de Diretoria da Associação Desportiva Guarani, para o ano de 1959/60, ficando assim constituído a nova diretoria do time do Guarani:

Presidente -  Alceu Fernandes
1º Vice-Presidente -  Francisco Aguiar,
2º Vice-Presidente Hamilton Simões,
1º Secretário -  Roque da Cunha
2º Secretário -  Antonio Pedreira
1º Tesoureiro -  Aloísio Rocha
2º Tesoureiro -  Frederico Bahia Tourinho.

     No Departamento de Esportes Wilson Rocha (Diretor), Orador Oficial o jornalista Luiz Sampaio, Departamento de Publicidade: Cléo Meireles, José Athaide e Carlos Lima. O Guarani foi fundado no dia 12 de outubro de 1920, foi Campeão Baiano no ano de 1946. O presidente anterior a esta nova diretoria era o Sr. Renato Reis, no ano  de  1960  um  dos  treinadores  foi Denizar  Stole  e  Antonio Conceição (Tonho).
   
Jogos de Frank no Guarani

    Frank  Chagas  a  partir  de  maio   de  1959  iniciou no Guarani  a sua  trajetória   futebolística  no  profissionalismo  baiano  jogando  no  time    do  Guarani.


Guarani 2x1 Botafogo (5/3/1960)

     O Guarani derrotou o Botafogo pelo placar de 2x1, em jogo Válido pelo 3º Turno do Campeonato Baiano, na Fonte Nova. Os goleadores do Guarani: Calmon lateral  direito marcando o gol no 1º tempo.  No  2º   tempo  o Botafogo  empatou  a  partida  em 1x1,  gol marcado através   de  Israel  e Ricardo  marcou  o  gol  da  vitória  de  2x1  para  o  Guarani..
     Essa vitória colocou o Guarani como líder do turno citado. Os jogadores do Guarani nessa partida foram: Bitelo, Calmon, Chagas e Pernambuco. Frank e Agnaldo. Osmar, Moreno, Alencar, Benício e Ricardo.
     Botafogo perdeu com: Carmelito, Braga, Apaná e Valmir, Israel e Bocão. Pimpa, Antonio Mário, Antonio, Jorge e Tango. O juiz foi Clinamulte Vieira França, bandeiras Martinho Menezes e Eráclio Oliveira, renda de 44 mil e 155 cruzeiros.
     Houve muita comemoração dos jogadores do Guarani nos vestiários da Fonte Nova, após o jogo e ampla cobertura jornalística do Jornal Estado da Bahia  na  sua  edição  do dia 6/03/1960.


FRANK CHAGAS:

RENOVA CONTRATO EM BRANCO COM GUARANI / 1960


Com uma crise financeira incrível! Os jogadores do Guarani, na sua maioria deixaram o clube com salários atrasados, não querendo renovar contratados, mas Frank, assim mesmo assinou contrato m branco, recebendo depois os atrasados!


Nesse mesmo ano Frank no auge dos seus 20 anos, era motivo de disputa de contratação dom seu passe entre diretorias de Vitória e Galícia. Mas, Frank foi comprado pelo Vitória.
Frank assinou contrato com o Vitória, ele era uma grata revelação do futebol baiano no ano de 1960.
Galícia rompe relações de amizade com o Vitória no caso Frank, pois o presidente Aurélio Viana, queria contratar Frank, a revelação do futebol baiano no campeonato de 1959 (sequencionado no 1º primeiro semestre de 1960.
Aurélio Viana gostava do belo futebol de Frank, pois o Guarani havia emprestado o médio Frank na Excursão de 46 dias no Sudoeste baiano e cidades de Minas Gerais (Teofon Toni, Montes Claros, etc,). Frank realizou notáveis partidas amistosas e confirmou o notável e promissor futebol (ia completar 20 anos em agosto de 1960).

FRANK CHAGAS NO GUARANI 1960 ( o 4º em pé (da esquerda / Direita). Agnaldo o 2º ao lado de Frank (3º  na  foto em pé, o técnico  Antonio Conceição o 1º  em pé (ele  foi campeão pelo  Flu de  Feira 1969. Ouri o goleiro, dentre  outros  não citados, Foto na  Fonte  Nova.



Conforme pesquisa intensivas m vários arquivos baianos, Gamaliel transcreve abaixo, alguns joigos de Frank (seu irmão) na sua passagem no futebol profissional da Bahia e em outros estados do Brasil.


Jogos de Frank no Guarani

Frank Chagas a partir de maio de 1959 iniciou no Guarani a sua trajetória futebolística no profissionalismo baiano jogando no time do Guarani.


Guarani 2x1 Botafogo (5/3/1960)

O Guarani derrotou o Botafogo pelo placar de 2x1, em jogo Válido pelo 3º Turno do Campeonato Baiano, na Fonte Nova. Os goleadores do Guarani: Calmon lateral direito marcando o gol no 1º tempo. No 2º tempo o Botafogo empatou a partida em 1x1, gol marcado através de Israel e Ricardo marcou o gol da vitória de 2x1 para o Guarani..
Essa vitória colocou o Guarani como líder do turno citado. Os jogadores do Guarani nessa partida foram: Bitelo, Calmon, Chagas e Pernambuco. Frank e Agnaldo. Osmar, Moreno, Alencar, Benício e Ricardo.
Botafogo perdeu com: Carmelito, Braga, Apaná e Valmir, Israel e Bocão. Pimpa, Antonio Mário, Antonio, Jorge e Tango. O juiz foi Clinamulte Vieira França, bandeiras Martinho Menezes e Eráclio Oliveira, renda de 44 mil e 155 cruzeiros.



                                                     GUARANI 2x1 BOTAFOGO
Houve muita comemoração dos jogadores do Guarani nos vestiários da Fonte Nova, após o jogo e ampla cobertura jornalística do Jornal Estado da Bahia na sua edição do dia 6/03/1960. Frank Chagas sem camisa, o 5º em pé, o 4º é Agnaldo, 7ª goleiro Bitelo c/ munhequeira no pulso, Guarani  2x1 no Botafogo da Bahia.


Vitória 7x1 Guarani (7/3/1960)

     O Guarani bastante motivado pela vitória diante do Botafogo, o que lhe colocou como líder do 3º  turno, enfrentou o Vitória, num jogo bastante motivado para o Guarani. Nesse jogo, o Vitória foi melhor e goleou o Guarani pelo placar de 7x1, numa derrota que não  estava nos planos da diretoria do time “índio”, campeão de 1946.
     Frank nesse jogo, inexplicavelmente não escalado para esse jogo, tendo o técnico escalado para jogar no Aspirantes, na preliminar do jogo válido pelo Campeonato de Aspirantes, enfrentando o Vitória, também de Aspirantes. Nesse jogo de Aspirantes, o médio Frank, só jogou o 1º tempo, tendo abandonado a equipe de Aspirantes ainda no intervalo do jogo.
    
Ato de Indisciplina de Frank  (7/3/1960)

     Ato de indisciplina aconteceu ontem à tarde, que no intervalo do jogo de Aspirante entre Vitória e Guarani, quando Frank do Guarani abandonou a equipe, não retornando para os 45 min do 2º tempo da partida. O ato do atleta foi repudiado pelos seus próprios companheiros de quadro, principalmente porque mesmo não tendo razão para praticar o que praticou, em pleno curso da peleja de aspirantes.

Pede Rescisão


 Antes do encontro do jogo Vitória e Guarani, Aspirantes o atleta Frank, procurou o vice-presidente do Clube (do Guarani), solicitando a rescisão de contrato  com o grêmio Bugre, recebendo a resposta de que a sua situação só podia ser resolvida pelo presidente do clube, o Sr. Hermenito Dourado.

Será Multado


De acordo com o ocorrido pela   tarde, posteriormente à diretoria  do Guarani, aplicará ao jogador uma multa de 60% dos seus vencimentos, repelindo  o seu ato de indisciplina. Segundo o Conselheiro Eustáquio, poderá ser recendido  (anulado) o seu contrato, o que poderá ser estudado  com interesse pelo clube preto e branco.
    
Escalação dos Times no Jogo Vitória 7x1 Guarani (7/3/1960)

     Na partida entre Vitória e Guarani disputada na Fonte Nova, as escalações das duas equipes atuaram da seguinte forma:
     Vitória: Wilson, Valvi, Roberto e Boquinha. Pinguela e Nelinho. Matos, Carlinhos, Rui Tanus, Otonei e Salvador.
     Guarani: Bitelo, Calmon, Chagas e Pernambuco. Lubião e Agnaldo. Osmar, Moreno, Alencar, Benício e Ricardo. O técnico foi Antonio Conceição (Tonho).
    
Fluminense de Feira 3x0 Guarani (16/3/1960)

     Jogando pelo 3º turno do Campeonato Baiano de Profissionais, o Flu  de Feira venceu o Guarani pelo placar de 3x0, o jogo foi no Estádio Otávio Mangabeira, a Fonte Nova.
     Foi a segunda derrota do Guarani após a bonita vitória diante do time do Botafogo por 2x1. Nesse jogo Lai, atacante do Flu, marcou o 1º gol em impedimento, não assinalado pelo  árbitro Martinho de Menezes, terminando o 1º tempo com o placar de 1x0.
     No 2º tempo o Flu de Feira marcou mais 2 gols, um do atacante Lai,  e Maneca fez o 3º gol do Fluminense, fechando o marcador.
     Juiz foi Martinho Menezes, com uma fraca atuação. O Flu da cidade de Feira de Santana jogou com: Piripiri, Régis, Colário e Nequinha. Paraíba, Hosanáh, Maneca, Lai, Roliço, Dirceu, Carlinhos.

Guarani Nega Passe de Frank


     O meia Frank, que abandonou o competição de Aspirantes do jogo Guarani e Vitória (preliminar do jogo principal), encontra-se em litígio com a direção do Alve Negro, já solicitou por diversas vezes a oportunidade do seu atestado liberatória (passe), para ingressar em outra agremiação. Segundo apuramos do clube, não está disposto a conceder a rescisão do seu contrato, fato porque já se justificou o próprio jogador,  por intermédio do vice-presidente do Guarani, Francisco Aguiar.
    
Vitória na Mira

     Enquanto isso apuramos que o Esporte Clube Vitória, está na mira do jogador Frank, uma vez que o atleta esteve conversando com o Sr. Armando Melo, diretor de profissionais do Esquadrão Rubro Negro, acertando a possibilidade do seu ingresso nas fileiras do campeão dos 2 turnos iniciais da temporada de 1959. (Jornal Estado da Bahia 14/4/1960).
     Frank continuou no Guarani, assinando contrato para mais uma temporada,  somente   de 1961  Frank  foi  contratado  pelo  esporte  Clube  Vitória  no   mês   de maio. Frank assinou contrato em branco com o Guarani,  no  ano    de  1960, para mais  uma  temporada  (um  ano), apesar de o clube estar com  atraso de  pagamento  e  a  salarial a maioria  do plantel  dos jogadores, deixaram o clube por falta de pagamentos de salários.


  1. Bahia Vence Guarani (29/4/1960)
     No seu primeiro jogo após ter conseguido o titulo de 1º campeão da Taça Brasil de 1959, o Bahia jogando pelo campeonato de Profissionais do Estado da Bahia, derrotou por 2x1 o time do Guarani, numa partida difícil para o tricolor baiano.
    Léo abriu a contagem para o Bahia e o atacante Lubião empatou o placar em 1x1. Na etapa complementar aos 43 min (2º tempo), Vicente fez o gol da vitória tricolor na Fonte Nova.
     O Bahia jogou com: Nadinho, Beto, Henrique, Nenzinho, Flávio e Vicente. Marito, Alencar, Léo, Biriba e Mário. Os  goleadores do Bahia foram Leo e Vicente.
     O Guarani jogou com: Bitelo, Calmon, Chagas, Pernambuco e Agnaldo. Rubens, Benício, Alencar, Lubião, Moreno e Ricardo. O gol do Guarani foi de Lubião.
     O juiz da partida na Fonte Nova foi Clinamulte Vieira França e a renda foi de 188 mil cruzeiros.

Frank Renova Com o Guarani (18/6/1960)

     Depois de entendimentos com o Vice-Presidente do Guarani, o jornalista Francisco Aguiar, o meia Frank resolveu assinar nova inscrição (contrato) com a Associação Desportiva do Guarani, com vistas ao certame de profissionais do corrente ano de 1960.
     O atleta vinha sendo cobiçado por diversos clubes da Boa Terra, preferindo porém permanecer nas fileiras do clube Alve Negro, assinando contrato em branco, não fazendo nenhuma exigência, para continuar defendendo as cores do time que fez bela figura no certame do ano passado de 1960.
     O Guarani pretende realizar idêntica proeza, no campeonato que se avizinha.(Jornal Estado da Bahia, sábado, dia 18 de junho de 1960, um dia antes do Torneio Início de 1960).
     Frank cumpriu o contrato de ano até o final, quando  o Vitória o contratou, junto ao Guarani, a partir de maio de 1961.

Galícia 3x0 Guarani (21/9/1960)

     Pelo 1º Turno do Campeonato Baiano de 1960, o Galícia venceu o Guarani pelo placar de 3x0, marcando para o Galícia o  centro  avante Didico, Repolho e Francisco. A renda foi de 23. 410 cruzeiros.
     O Galícia jogou com: Beto, Miranda, Francisco e Caneta, Repolho e Diguá. Mascote, Zé Reis, Didico, Joãozinho e Barbosa.
     Guarani com Albino, Denerval, Rubens e Frank. Beto e Jaime, Vivaldo, Saul, Amarelinho, Moreno e Ricardo. Técnico foi Denizar Stelze, o jogo foi válido pelo campeonato de profissionais  da Bahia, no seu 1º Turno. (Jornal Estado da Bahia,.  22/09/1960).

Guarani 2x3 Bahia (27/7/1960)

     Pelo Campeonato Baiano de Profissionais, na Fonte Nova, o  time do Guarani enfrentou o Bahia e perdeu pelo placar de 3x2. Os goleadores do Bahia foram Alencar (duas vezes) e Beto no 1º tempo. No 2º tempo, o Guarani reagiu e fez uma boa partida, marcando os seus 2 gols através de Ricardo aos 23 min e Lubião aos 34 min. Juiz da partida foi Willi Costa, bandeiras Mario Monteiro e Heráclito Oliveira. A renda foi de 1.070 cruzeiros, no Aspirantes o Bahia venceu por 3x0.
    

Escalações das Equipe


BAHIA  -  Nadinho, Nei, Henrique, Flávio, Vicente e Beto. Reinaldo, Alencar, Léo, Mario e Biriba. GUARANI -  Rubinho, Derneval, Milão,Bonfim, Tango e Frank. Vivaldo, Saul, Lubião e Ricardo. Téc. Denizar Stolze.

Guarani 5x2 São Cristovão (3/8/1960)

     Neste jogo o Guarani venceu por 5x2, numa bonita vitória do Guarani. No 1º tempo, o Guarani já vencia por 2x1, no 2º tempo venceu por 3x1, resultando na vitória de 5x2.
     Marcaram para o Guarani Saul  2 vezes, Lubião 2 gols e Ricardo com 1 gol. Para o São Cristovão marcou Braga 2 gols. O Juiz da partida foi Willi Costa, bandeiras Mário Monteiro e Clinamulte França.
     O Guarani jogou com: Albino, Derneval, Milão, Bombeiro e Frank. Rubens, Vivaldo, Lubião, Moreno, Saul e Ricardo. Téc. Denizar Stolze. São Cristovão: Moacir, Alexandre, Venâncio, Fernando, Carlos, Oscar, Alencar, Elçinho, Jorge, Pio e Braga.

Guarani 1x2 Vitória (5/9/1960)

     Este jogo foi decidido na etapa complementar, marcando um dos gols do Vitória o jogador Reginaldo.
     VItória  2x1  Guarani,  jogo  realizado  na  Fonte  Nova,  no  domingo, dia  05/07/1959,  sendo  vencido pela  equipe  do  Vitória  que  atuou  com  os  seguintes  jogadores: Caúa,  Pedrinho,  Ari  e Brás,  Adilson  e  Arara. Miltinho,  Betinho,  cacau,  Armandino  e Alberoni.
     Guarani:  Meia  noite,  Sacramento,  Calo,  Frank. Penteado e Fel, Gérson  e  Benício.  Jerri, Parará  e  Ricardo.
     O  Juiz  da  partida  foi  Otávio  Adalberto  Almeida,  os  goleadores: Vitória,  marcaram  Luizinho  e Adilson,  pelo  Guarani,  Benício.  O  técnico  do  Guarani  foi  o  Tenente  Melo.  O  Vitória  jogou  desfalcado  dos jogadores  Nelinho,  Elói  e  Albertinho.
     Este  jogo  foi  o  dia  da  preliminar,o  Campeonato  de Aspirante realizado  na Fonte  Nova.  Os  jogadores  citados:  Nelinho,  Elói  e  o  Albertino  desfalcaram  o  time  principal  do Vitória.
     Frank  jogou  alguns  jogos  no  Aspirante  do  Guarani e  depois,  assumiu  a  condição  de  titular  ainda  nesse  primeiro  turno  do  campeonato  de  profissionais,  iniciando  em  1959  e  terminado  em  1960, sendo o  Bahia  campeão  de  1959.

Excursão  do Galícia  No  Interior de  Minas

     O  time  do Galícia  passou  45  dias  excursionando  no  interior  de  Minas  Gerais  e  trouxe  um  saldo  de  9  vitórias,  6 derrotas  e 4  empates.  A  excursão também  se  estendeu  em algumas  cidades  do  interior  do  Estado  da Bahia.
    A  delegação  do  Galícia  Esporte  Clube  foi  chefiada  por  Beto  e  já  se  apresentou  ao  presidente  do  clube,  Aurélio  Viana. Os  jogadores  do  Galícia  que  se  se destacaram  durante  a  excursão  foram:  Saul,  Beto,  o  Francisquinho,  Mascote,  Nélson  e  Bagan. (Jornal  Estado  da  Bahia, 04/05/1961).

Frank  Será  Emprestado  ao  Vitória
 (20/04/1961)

     O Vitória  vem  de  acertar  junto  ao  Guarani  o  atleta  Frank,  que  vem  se  destacando  no  plantel  do  Guarani, pretendendo  usar  na  temporada,  como  reforço  no  plantel  Rubro  Negro (temporada  de  1961).
   O  Rubro   Negro  deu  ao  clube do Galícia,  alguns  de  seus  jogadores  e  dentre  eles;  Armandinho e  Luizinho,  contribuindo  para  reforço  do  Guarani. Além  de  Frank,  o  Rubro  Negro  com s eu  Departamento  Autônomo,  esta  enviando  esforços  necessários  para  o  campeonato  de  1961, para  fazer  uma boa  campanha. (Jornal  Estado  da Bahia, 20/04/196, quinta-feira).

Vitória  e  Galícia  Disputam  o Bom  Atleta  Frank
  
     Retornou  até  esta  capital,  o  médio  Frank  pertencente  as  hostes  da  Associação  Desportista  Guarani que s e  encontrava  excursionando  com  o  Galícia  Esporte  Clube, no  interior  do Estado.
    Sem  ser  atleta  vinculado  ao  Galícia,  jogador  achou  por  bem  pedir  licença  a presidência  da  Embaixada  e  retornar  a esta  cidade.

Vitória  no  Páreo

   Certamente  podemos  informar  que  o  Esporte  Clube  Vitória, vem  mantendo  interesse  no  atleta,  inclusive  consultado,  o  presidente  Alve  Negro  (Guarani), s obre  a  real  possibilidade  da  sua  transferência  (Frank) para  o  decano  (Vitória).

Galícia  Também  tem  Interesse em  Frank
    Por  outro  lado  o Galícia, n  qual  recentemente a  quem  o  atleta e  estava  servindo,  tem  interesse  igualmente  na  sua  contratação,  com  vistas  a  temporada desse  ano  1961. (Jornal  Estado  da Bahia, terça  feira,  25 de  abril  de  1961).

Cessão  de  Frank  Ao  Vitória Cria  Caso

   Os  dirigentes  do  Galícia  estão  aguardando,  os  dirigentes  do  time  do  Guarani,  afim  de  que  seja  esclarecido  a  situação  do  avante  Frank  que  foi  negociado  ontem  (dia  26/04/1961)  com  o  Vitória.
     O  preparador  Nabuco  Borges,  que  negociou  o  passe  do  atleta  ao  Galícia,  criou  um  caso  que  longe  de se  solucionar,  razão  do  que  estão as  partes  envolvidas  estremecidas.
    É  verdade  que  o  jogador  pertence  ao  Esporte  Clube  Vitória,  não  só  porque  foi  assinado  a  rescisão  de  contrato,  para  a  referida  agremiação,  como  pelo  fato  de  que  o  jogador  ter  assinado  a  inscrição  de  não  amador  (profissional),  em  favor  do  Decano  (Vitória)  por  uma  temporada. (Jornal  Estado  da  Bahia,  dia  27/04/1961,  uma  quinta feira).

Galícia  Tem  Direito  e  Lutará  Pelo  Médio  Frank

     De acordo  com  que  divulgamos,  a  situação  anterior  do médio  Frank do  Guarani,  onde  esta  por  resolver,  uma  vez  que  o  atleta  estava  sendo  disputado  por  dois  clubes,  criou   uma certa  confusão,  em  torno  de sua  transferência,  dada  as  pretensões  de ambas  agremiações  (Galícia  e  o  Vitória),  pois  que  se  julgavam com os  mesmos  direitos.

Galícia  Tem  Direito

    Conforme  apuramos  que  o  Vitória  esta  lutando  para  a  conquista  do  jogador  (Frank)  que  tem  direito  visto  que  tem  o  atestado  liberatório,  de Frank,  conseguindo  por  Renato  Reis  (presidente  do  Guarani)  há  dias  passados,  do  time  do  Guarani.
     As  questões  do  Vitória  no  caso, prende-se  tão  somente  a  uma  questão  de  compromisso  moral,  uma vez  que  o vice - presidente  do  Vitória  havia  concordado  e  prometido    Mesmo  levando  foi  cobrado  a promessa.
Mesmo  levando  em  conta  o  interesse  dos  dirigentes,  quase  não  existe  possibilidade  para  que  o  decano    não pudesse  ter  o  passe  de  Frank.  O Vitória  tem  a  transferência  do passe  de  Frank,  vistos  aos fatos  já  citados  do  conhecimento  publico. (Jornal Estado da Bahia,  sexta-feira,  dia  28/04/1961).

Guarani  Preferiu  Negociar  Frank  ao Vitória

     O presidente  do  Guarani, esclareceu  que tendo  encontrado  melhor proposta, apresentada  pela  parte  do Vitória,  preferiu vender o  jogador  Frank  com o  clube  do  Vitória  e não  ao  Galícia, conforme  o  pretendia  o  preparador  Nabuco  Borges (preparador  técnico).
   Apesar  do  aludido  técnico  haver ter  recebido  proposta  para  vence  o  atleta,  inclusive  tendo  recebido  o  dinheiro.  O  presidente  do  Alve  Negro (Guarani),  não  confirmou  o  negócio,  para  a  venda  de  Frank.
   O  Vitória  noticiou  50  mil  cruzeiros  pelo  passe do  jogador,  ofereceu também  3  jo-gadores ao  Guarani  para  a  temporada  desse  ano 1961.  Diante  de  Frank  ao Vitória  e não  ao  Galícia,  porem  a transação  ainda  não  esta  fecha  em  definitivo (ano de 19961).
 (Jornal  Estado  da Bahia,  28/04/1961).

Bahia  1x1  Santos  (22/12/1961)

    Jogando  amistosamente, no Estádio  da Fonte  Nova, Bahia  empatou  com  o  Santos,  que  contou  com  a presença  do  Rei  Pelé,  um  magnífico  publico, esse  ano  presente  ma  Fonte  Nova, atingindo  uma renda  de  7 milhões, 441  mil e 4000 cruzeiros,  a terceira  do  País  na  temporada.
     A  partida  teve  lances  emocionantes,  fazendo  vibrar  o  torcedor  baiano,  presente na  Fonte Nova.  O Santos  abriu  o  placar  com  um  gol  de  Pepe  no  primeiro  tempo.  No  segundo  tempo  o  Bahia  empurrado  pela  sua  magnífica  torcida,  procurava  ao  gol  de Nadinho,  que  fez  boas  defesas.
   O gol  do Bahia  surgiu  num  ataque  rápido,  com  Marito  driblando  a  vigilância  de  Dalmo  e  investindo  pela  esquerda,  para  arremessa  a bola  inapelavelmente  da  pequena  área,  vencendo  o  goleiro  Laércio  e  balançando  a  rede  do  Santos,  marcando  um  bonito  gol  para  o Bahia.
    A  torcida  tricolor  fez  a festa  na  Fonte N Nova,  com  quase  40 mil  torcedores  vibrando,  com  o  gol  de  Marito, empatando  a  partida.  Foram  destaques  no Bahia:  Nadinho,  Henrique,  Vicente  ponta  Marito.
     O  juiz  foi  Olten  Ayres  de Abreu  e o Bahia jogou  com  Nadinho no  gol,  Hélio, Henrique, Florisvaldo e Pinguela  (Antonio),  Vicente.  No  ataque com Nilsinho,  Alencar,  Didico, Mário  e  Marito. O Santos  empatou  com o  Bahia,  jogando  com  Laércio, Lima, Muro, Djama,  Zito  e  Calvet.  Durval,  Tite (Mengálvio),  Coutinho,  Pelé  e Pepe.

Galícia  Campeão  do Torneio Início
 (19/06/ 1960)

    O  Galícia  sagrou-se  campeão  do  Torneio Inicio  de  1960 ao  derrotar o Vitória  por  3x1, na  partida  final  do torneio  que  foi  organizado  pela  ABCD  -Associação  Baiana dos  Cronistas  Desportivo.

Os  Jogos  do Torneio Início

1º  Jogo - São  Cristovão 1x1 Leônico,  o  gol  do  time  grená  foi  marcado  pelo  avante  Cacau,  sendo  eliminado  o  São  Cristovão.  As  equipes  formaram  com os seguintes jogadores:
 Leônico - com  Salvador,  Santana,  Antonio  e Vlamir:  Bolinha  e Rai;. Sergipe Helio II, Cacau,  Juca    Roberto   e   Sergipe. 
 São Cristovão -   Moacir e  Fernando,  Guerra,  Barreto e Alencar.  Osvaldo,  Vavá,  Araujo,  Ipojcan, Pio  e Braga.

2º Jogo - Botafogo  3x0 Guarani, gols de Braga,  (pênaltis), Cacau  e  Paulinho. O  Botafogo  jogou  com Geovani,  Braga,  Aporá e Juscelino. Tango  e Valmir,  Cabo  Jorge. Guarani: Teobaldo, Lacoura, Beto e Amarelinho, Frank e Arthur.  Marujo,  Nadinho,  Silvestre,  Gerson  e Erick. O  juiz  foi  Valter Gonçalves, auxiliares,  Edgar  Calazans e  Martinho  Mendes.

3º  Jogo -  Fluminense  de Feira  e  Vitória,  venceu  o  Vitória  nas  cobranças  de  penalidades,  cobrando  Pinguela  para  o Vitória  e  Lió para  o  Flu  de Feira  de  Santana. O  juiz  foi Jaime Rego, auxiliadores:  Jorge  Vieira  Rios  e  Carlos  Alberto  Pinto.
 Flu de Feira  jogou  com:  Mundinho,  Vermelho,  Misael, Vavá e  Nequinha.  Val  Antonio  Luiz,  Lió,  Almeida,  Roliço e Carlinhos. O  Vitória:  Wilson, Zeca, Medrado e Boquinha. Pinguela e  Roberto,  Luizinho,  Rui Tanus,  Carlinhos,  Otonei,  Salvador.

4º--  Jogo  Galícia  1x0  Bahia,  o  gol foi  marcado  por  Mascote,  o  juiz  foi  Clinamulte  Vieira  França,  auxiliares:  Osvaldo  Rosário  e  Heraclio  Oliveira.
 Galícia  venceu  com  Beto,  Carioca,  Francisquinho,  Lacerda,  Carlos  Alberto  e Biguá. Vadinho,  Mascote,  Didico  e mais  Joãozinho  e  Barbosa.
  O  Bahia  foi  eliminado do Torneio  com: Nadinho o  goleiro,  Florisvaldo,  Henrique,  Beto,  Flavio  e  Vicente;  Marito  na  ponta  direita,  Carlito,  Biriba, Mario e Edinho.

5º Jogo – Ipiranga  0x0  Leôncio no  tempo  normal  e nas  cobranças de  penalidades,  Santana  ateu  os  três  pênaltis e converteu.  Agnelo  do Ipiranga,  fez  dois gols,  cobrando  pênaltis  e  perdeu  uma  cobrança,  sendo  eliminado  o Ipiranga.
O  juiz  da  partida  foi  Osvaldo  Rosário  e  seus  auxiliadores  Valter  Gonçalves  e Carlos  Pinto.  O Ipiranga  jogou  com  Carmelito,  Otávio, Zé Oto,  Alencar,  Vadú  e  Agnelo.  Carrilho,  Zeca, Hamilton, Neném,  Vadú.  Leonico  com  Salvador,  Santana,  Antonio, Valmir,  Bolinha  e  Rai   Sergipe,  Hélio  II, Cacau,  Juca  e  Militinho.

6º  Jogo – Vitória  e  Botafogo  empataram  no tempo normal,  a partida  foi  decidida  nas  cobranças  de  pênaltis.  Pinguela  bateu  os  pênaltis,  convertendo  os  três,  Braga  bateu  e somente  converteu  dois  sendo  eliminado  pelo  Vitória  
 Vitória  jogou  com Wilson,  Zeca, Medrado  e  Boquinha  Pinguela  e  Roberto.  Carlinhos,  Otonei,  Salvador  e  Rui  Tánus.
O  Botafogo  foi  eliminado  do Torneio  com:  Geovane,  Braga,  Aporá  e  Juvelino. Tango,  Valmir,  Cacau, Paulinho,  Vadinho,  Cabo  Jorge  e Israel.

7º--  Jogo Galícia  0x0  Leônico,  nas  cobranças  de  penalidades,  houve  3 series  de  cobranças,  vencendo  o Galícia,  tendo  o time do Leônico  realizando uma boa  participação no  Torneio  o Inicio.
 Galícia  jogou  com:  Beto,  Carioca,  Lacerda  e  Francisquinho. Carlos  Alberto  e  Biguá. Valdinho,  Mascote,  Didico,  Joãozinho e Barbosa.
 Leônico  jogou  com :  Salvador,  Santana,  Antonio e Valmir.  Bolinha  e Rai. Sergipe,  Hélio II, Cacau,  Juca  Miltinho.

Jogo  Final  do Torneio Início

     Galícia  e Vitória  decidiam  a  final  do  Torneio Inicio  de  1960.  tendo  o Galícia  vencido  pelo  placar de  3x1.  No  primeiro  tempo  houve  empate  de 1x1, marcando  Vadinho para  o  Galícia,  empatando  Otonei.
     No  segundo  tempo,  o Galícia,  marcou  mais  dois  gols,  Didico e  Barbosa,  terminando a partida  com  o  placar  de  3x1 e o  Galícia  sagrou-se  com  métodos campeão  do  Torneio  Inicio  de  1960.
    O  Juiz  da partida  foi  Jaime  Rego,  auxiliares:  Héraclio  de  Oliveira  e Carlos  Pinto  como  anormalidade  da  partida,  o  arqueiro, Wilson  do Vitória deixou  o campo  de jogo,  contundido, motivado  pelo choque  casual com  Zeca,  indo para  o  gol  Otonei, Zeca  tam-bém  se machucou.
   O  jogador  Roberto foi  expulso  da partida,  ele  havia  agredido  o  jogador  Mascote  do  Galícia.  A  renda  foi  de  225  mil  e  10  cruzeiros. (20/06/1960 Jornal Estado  da Bahia).

Jogos  de  Frank  Chagas no  Vitória 

(Anos  de 1961  a  1962)


     Frank Chagas  foi  contratado  pelo Vitória  para  o  campeonato baiano    de  1961. Frank  foi  Campeão  do  Torneio  Início  no  dia  30/07/1961, tendo   disputado  vários  amistosos  e  torneios com  a  camisa    Rubro  Negra  durante   a   sua  permanência    no  Vitória.
     Segue  abaixo  descritos   vários   jogos   de  Frank  vestindo  a  camisa  Vermelha,   Preta  e  Branca do Vitória.

Vitória Campeão do Torneio Início  do  Futebol Baiano(domingo 30/07 1961)


     O Vitória sagrou-se brilhantemente campeão do Torneio Início de 1961, na Fonte Nova, ao derrotar o Fluminense de Feira de Santana, placar de 2x0, na prorrogação de 30 minutos.
     No tempo normal do Torneio,houve empate de 0x0 e na prorrogação de 30 minutos, (15 minutos em cada tempo), o Vitória marcou os 3 gols, sendo o 1º  de Touro aos 5 min e Léo aos 2 min da prorrogação.
     Um excelente público compareceu a Fonte Nova, pagando ingressos nas bilheterias, proporcionando uma renda de 1 milhão, 326 mil e 480 cruzeiros, para um público   pagante excelente de 22 mil 177 pessoas, numa bonita festa esportiva.
     O juiz da partida foi o Sr. Mário Monteiro, antes do início do Torneio, houve o tradicional desfile das equipes participantes, na pista da Fonte Nova.
     As torcidas agitando as suas bandeiras, deram um colorido todo especial nas arquibancadas do Estádio Otávio Mangabeira, a Fonte Nova.
     O Vitória sagrou-se campeão com os jogadores: Ouri, Frank e Touro, Kleber, Carlos Alberto, Carlinhos, Reginaldo, Valdir Leoni e Léo. Silvio Mário, Roberto. O técnico foi Pinguela.
     O Fluminense foi vice-campeão com Mundinho, Colário e Zeca. Nequinha, Adilson e Val. Lino, Zé de Melo, Roliço, Carlinhos e Reinaldo.
    

Os Jogos do Torneio Início


     No 1º jogo Guarani e Botafogo, empataram no tempo normal do Torneio de 0x0. Nas cobranças de pênaltis, o Botafogo venceu o Guarani por 4x2. Pimpa marcou os gols para o Botafogo e Derneval para o Guarani. O juiz da partida foi Mário Monteiro. Fluminense de Feira de Santana no 2º jogo do Torneio venceu o Ipiranga por 2x0, marcando Lio e Joice (contra) para o Fluminense. Juiz foi Clinamulte França.
     No 3º jogo, o Leônico venceu o São Cristóvão por 2x0, marcando os gols Cacau e Hamilton para o Leão Grená. O juiz foi Otávio Neves de Jesus. No 4º o Vitória venceu o Galícia por 3x0. No quinto jogo o Botafogo derrotou o Bahia por 1x0, gol de  Coruja no tempo complementar, eliminando o Bahia do Torneio Início. O juíz Baimonilson Lisboa.
     Fluminense venceu no pênaltis o 5º jogo, marcando Zé de Melo para o Flu e Amor para o Leônico, eliminando  o Leônico da competição. No 7º jogo, o Vitória venceu nos pênaltis o Botafogo por 3x2, marcando um dos gols Léo para o Vitória e Alencar para o Botafogo. Juiz foi o Sr. Baimonílson Lisboa.
     No 8º jogo, a grande finalissima, o Vitória e Fluminense de Feira de Snatana fizeram uma empolgante partida. No tempo normal do jogo, houve empate em 0x0, sendo necessário uma prorrogação de 30 minutos.
     Nessa prorrogação, o Vitória conquistou brilhantemente o Torneio Início, pelo placar de 2x0. Os gols foram marcados através de cobranças de faltas de fora da área. Touro marcou o primeiro aos 5 min do 1º tempo da prorrogação  e Léo aos 2 min do 2º tempo, a torcida do Vitória vibrou fazendo a festa nas arquibancadas da Fonte Nova, o juiz foi Mário Monteiro.
   

Escalações das Equipes do Torneio Início


VITÓRIA -  Ouri, Frank, Klebber, Carlos Alberto, Carlinhos, Reginaldo, Valdir Lerone, Léo, Silvio Mário, Roberto. Técnico Pinguela.
FLUMINENSE -  Mundinho, Colário, Zeca, Nequinha, Adilson e Val. Lino, Zé de Melo, Roliço, Carlinhos e Reinaldo.

BAHIA -  Jair, Nei Andrade, Henrique, Florisvaldo, Antonio e Hélio. Marito, Alencar, Didico, Mário e Geraldo. GALÍCIA -  Valter, Jarrinho, Valmir, Régis, Salô, Carlos, Pelé, Neidson, Barbosinha e Márcio.

BOTAFOGO -  Sergipe, Alencar, Da Silva, Pernambuco, Israel e Wilson, Raimundinho e Pima. Coruja, Cabo Jorge e Ricardo. IPIRANGA -  Hermano, Agnaldo, Zé Orto, Dário,, Valtecir, Joice e Zé Luiz. Zeca, Genivaldo, Valdir, Augusto e Elmo.

LEÔNICO -  Salvador, Antonio, Amor, Valmir, Santana, Beto, Cacau e Bolinha. Hamilton, Juca, Mundinho. SÃO CRISTOVÃO -  Carlos, Carlinhos, Ivan e Júlio. Pio e João. Mininho, Milton, Lio, Zé Porto e Vavá.

GUARANI -  Raposil, Sariga, Lacôra e Pão. Derneval e Milão. Sergipe, Silvestre, Zezinho, Joãozinho e Gerson. O Bahia foi o campeão de 1961  e Pentacampeão de 1958 a 1962. No  ano  de  1963 o Fluminense de Feira de Santana foi campeão Baiano, quebrando a série de campeonatos do Bahia.
  
Vitória 1x1 Fluminense de Feira
(15/7/1961)

     O Vitória jogou amistosamente no Estádio Municipal de Feira de Santana contra o time do Fluminense empatando em 1x1. O jogo foi bastante disputado e o empate foi justo para ambas as equipes. Esse amistoso serviu de apronto das duas equipes, visando as suas participações no Torneio Início do Baianão de 1961. O Vitória jogou com: Ouri, Roberto (Frank), Medrado e Touro. Carlos Alberto (Carlinhos), Kleber,  Matos, Léo, Carlinhos e Roberto. Técnico Pinguela.
     O Fluminense jogou com: Mundinho, Zeca, Colário, Paraíba e Adilson. Val e Nequinha. Enaldo, Almeida (Xavier), Lai e Roliço. Osmar, Zé de Melo (Carlinhos).
     O gol do Vitória foi marcado pelo atacante Matos, num cruzamento de Frank, o Fluminense empatou  com o gol de pênalti. Apitou a partida amistosa o Juiz Clinamulte França. Foram expulsos  Medrado e Ouri pelo Vitória e pelo Flu Lai e Osmar.

Vitória Vence Leônico  no  Campeonato Baiano
(10/8/1961)

     O Vitória venceu o Leônico pelo Campeonato Baiano de 1961, o Vitória jogou com: Ouri, Leônidas, Medrado, Boquinha e Touro. Frank, Carlos Alberto, Waldir, Léo, Carlinhos e Roberto. Técnico  Pinguela.
    
Vitória Faz Dois Amistosos  em  Juazeiro
 (27/8/1961)

     O Vitória realizou dois amistosos na cidade de Juazeiro na Bahia, perdendo um jogo e vencendo outro. O Vitória venceu na 2ª partida pelo placar de 2x0. Os gols do Vitória foram marcados por Frank e Carlinhos. O Vitória jogou com: Zé Carlos, Kleber (Leoni), Carlos Alberto, Neném e Boquinha. Frank, Rui Tanus, Léo, Carlinhos e Roberto. Técnico Pinguela.
    
Vitória 2x0 Botafogo (26/8/1961)

     Estreiando no 1º turno do Campeonato Baiano de Profissionais, o Vitória venceu o Botafogo pelo placar de 2x0. No 1º tempo da partida, houve empate de 0x0.
     No 2º tempo, Léo e Carlinhos marcaram os 2 gols da bonita vitória do rubro negro baiano. O Juiz da partida foi Valter Gonçalves e a renda foi de  622 mil cruzeiros. O Vitória triunfou com: Ouri (Zé Carlos), Leoni, Medrado (Touro), Boquinha, Carlos Alberto e Nelinho. Frank, Valdir, Léo, Carlinhos e Roberto.
     O Botafogo perdeu com: Valter, Vavi, Da Silva, Pernambuco, Wilson, Israel e Wilson. Pimpa (Raimundinho), Pinga, Coruja, Cabo Jorge e Ricardo. Na preliminar Vitória 2x1 Botafogo (Aspirantes).
    
Vitória 0x2 Fluminense de Feira
(24/9/1961)

     O Vitória perdeu para o Fluminense de Feira pelo placar de 2x0, num derrota inesperada para os rubros negros, já que o time campeão do Torneio Início vinha embalado, inclusive havia vencido bem o Botafogo no seu jogo de estréia do 1º turno do Campeonato por 2x0.
     Os gols do Flu foram marcados ainda no 1º tempo, quando o jogador Lió fez 1x0 e no 2º tempo, Roliço ampliou para 2x0 aos 26 min, fechando o placar. A renda foi de 436 mil cruzeiros e o trio de arbitragem foi Baimonílson Lisboa, José Peixoto Nova e Valter Gonçalves.
     O Vitória foi derrotado jogando com: Wilson, Hélio, Medrado e Boquinha. Carlos Alberto e Nelinho. Carlinhos (Frank), Rui Tanus, Léo, Roberto e Ricardo, na preliminar  o Vitória derrotou o Flu por  4x1, categoria de Aspirantes.
     O local foi a Fonte Nova, este jogo foi muito badalado e vários beneméritos do Vitória escolheram um jogador para ser padrinhos e gratifica-los com “bichos” em caso de vitória do rubro negro, o padrinho do jogador matense Frank foi Benedito Luz, o Vitória perdeu a liderança e o Flu era o vice-líder. O técnico Sotero Monteiro foi contratado pelo Vitória, assumindo o comando do time no lugar de Pinguela que foi campeão do Torneio Início de 1961.
     Sotero  Monteiro que foi campeão pelo Guarani em 1946, assinou contrato por 1 ano, recebendo 30 mil cruzeiros mensais e luvas de 100 mil, o prêmio pela conquista de turno foi acertado no valor de 50 mil e pela conquista do campeonato 100 mil cruzeiros, um excelente contrato feito por Sotero Monteiro. O presidente do Vitória era Nei Ferreira.

Amistoso Vitória 1x1 Bahia (3/9/1961)

     Neste jogo amistoso, o Bahia empatou com o Vitória pelo placar de 1x1, marcando para o Vitória   Carlinhos de falta aos 30 minutos empatando o jogo. O gol do Bahia foi no 1º tempo, através do jogador Alencar aos 4 min de jogo.
     O juiz da partida amistosa foi o Sr. Baimonílson Lisboa com uma fraca atuação, renda de 791 mil e 570 cruzeiros e as duas equipes atuaram da seguinte maneira:
Bahia -  Nadinho, Hélio, Henrique, Nei Andrade, Ari e Lucas. Matos, Alencar, Vadú, Didico, Mário e Biriba.
Vitória -  Zé Carlos, Hélio, Boquinha, Carlos Alberto (Freitas), Nelinho, Frank, Carlinhos, Léo, Silvio Mário (Artur) e Parará (Reginaldo). Matos havia sido comprado pelo Bahia, era atleta do Vitória, um dos bons jogadores rubro negro, este amistoso era para apaziguar os ânimos entre as duas torcidas.

Bahia Vence Quadrangular na Fonte Nova (10/10/1961)

     O Bahia venceu o Quadrangular realizado  na Fonte Nova, na qual participaram as equipes do Vitória, Canto do Rio (Rio de Janeiro) e Sport de Recife. O Vitória foi o 2º colocado, Sport 3º e o Canto do Rio o último colocado.  

Primeira Rodada (10/10/1961)

     A primeira rodada do Quadrangular Interestadual foi realizado numa terça-feira  à noite, na Fonte Nova. Na preliminar, o Bahia venceu o Canto do Rio por 2x1. O 1º tempo foi de 1x1, marcando o gol de empate do Canto do Rio  o jogador Domingos.
     No 2º tempo, Ari de pênalti desempatou, dando a vitória ao Bahia. O juiz foi Peixoto Nova, bandeiras Jaime Rego e Mário Monteiro. Renda da rodada foi de 589 mil e 430 cruzeiros.
     Canto do Rio com Carlinhos, Pereira, Osvaldo, Ari, Jair, Nézio, Antonio Carlos, Uriel, Jorge (Domingos), Alfredo e Jairo. O juiz foi Clinamulte França, bandeiras Dante Correia e Cavalcante Brito. Foram marcados 3 pênaltis nessa partida. Choveu um pouco na noite da 1ª rodada.

Vitória  0x0 Sport  de  Recife

     No 2º jogo, o Vitória empatou em 0x0  com o Sport de  Recife, o Vitória jogou com Zé Carlos, Hélio, Medrado, Boquinha, Carlos Alberto e Nelinho. Frank, Carlinhos, Léo, Artur Lima e Valdir. O Sport com: Dirceu, Bria, Alemão, Nensinho, Falaxixa e Tomires. Djalma, Ivson, Osvaldo, Bitencourt e Alcir.
     
2ª Rodada   Vitória  1x1  Canto  do  Rio
(12/10/1961)

     Essa rodada aconteceu numa quinta-feira, na Fonte Nova, na preliminar jogaram Vitória e Canto do Rio, empatando em 1x11, sendo os gols marcados, no 1º tempo da partida, por Alfredo para o Canto do Rio e Artur Lima para o Vitória.
     Jaime do Rego foi o juiz, bandeiras PeixotoNova e Mário Monteiro. Vitória com Zé Carlos, Hélio, Medrado, Boquinha, Carlos Alberto e Nelinho. Frank, Carlinhos, Artur Lima, Léo e Valdir.
     O time do Canto do Rio jogou com: Carlinhos, Pereira, Osvaldo e Ari. José, Nézio, Antonio Carlos, Uriel, Jorge, Alfredo e Jairo.

Bahia  Campeão do Torneio  Interestadual


     No outro jogo o Bahia venceu o Sport de Recife por 1x0, gol de Didico, o Bahia com a vitória, sagrou-se campeão do Torneio.
     O time tricolor jogo com: Nadinho, Hélio, Henrique, Pinguela, Vicente e Florisvaldo. Biriba, Matos, Reginaldo, Ari e Marito. Sport com: Drceu, Bria, Alemão, Falaxixa, Tomires e Nenzinho. Djalma, Osvaldo, Bitencourt, Xeninha e Alcir. O juiz foi Valter Gonçalves bandeiras Martinho Meneses e Cavalcante Brito.
     O Vitória no final do Quadrangular contratou Alfredo do Canto do Rio. A renda foi de 490 mil e 310 cruzeiros e o Torneio foi organizado pelo empresário Izidro Monteiro. O Bahia foi o campeão, ficando o Vitória em segundo com 2 pontos perdidos, Sport com 3 pontos perdidos e  Canto do Rio também com 3 pontos perdidos.
     Nesse Torneio, Bahia e Vitória não jogaram entre si, enfrentaram os dois times: Sport e Canto do Rio.

Vitória  3x0 Guarani (06/12/1961)

     O  Vitória  derrotou  o Guarani  por 3x0  em  jogo  valido  pelo  1º  turno  do  campeonato baiano  de  1961.  No  primeiro  tempo  o  Vitória  venceu  por  1x0,gol  de  Arthur  Lima  e  no  segundo  tempo  Valdir  e  Carlinhos  aplicou  para  3x0.
    O  Guarani  jogou e  perdeu  com  Bida,  Jair,  Dermeval,  Lacoura,  Pão  Carlão,  Sergipe,  Osmar, Joãozinho,  Zé  Maria,  Gerson.  O  Vitória  com  Arthur  Lima,  Carlinhos  Alfredo e Jairo.  A  renda  foi  152  mil  cruzeiros,  com  um  publico  pagante  de  2.447  pessoas.  Neste  jogo  Frank  não  jogou.

Vitória:
 Inaugura Refletores no Estádio de   Ilhéus

    O  Vitória  jogou  amistosamente na  cidade  de Ilhéus,  enfrentando  o  Fluminense  do  Rio  de  Janeiro e  empatou  de 2x2,  na  inauguração dos  refletores do  estádio  Mário  Pessoa,  numa  bonita  festa  esportiva.
     O  Estádio  estava  lotado  com  mais  de 10  mil  torcedores,  tendo  a  renda  ultrapassado 1  milhão de  cruzeiros,  o  prefeito  de  Ilhéus  o  Sr.  Henrique  Cardoso,  investiu  bem, dotando  o Mário  Pessoa  de  uma  boa  iluminação para jogos  noturno.
     O Estádio  Mário  Pessoa foi construído  na  gestão  do  prefeito  Mário  Pessoa  no  ano de  1939,  na  época  o melhor  estádio  do  interior o  que  colocou  Ilhéus como  um  dos  municípios  baiano  destaque  do  futebol  amador  da Bahia.  A Fonte Nova  só  foi  construída  ou  inaugurada em 28/01/1951.
   O  estádio Mário  Pessoa  foi ampliado  com  um grande lance  de arquibancada no setor  em  frente  as cabine  de  radio,  na  arquibancada  erguida  no  ano  de 1939,  quando  da  inauguração  do Estádio  Mário  Pessoa.
     A  ampliação  foi  no  ano  de  2002.  No  amistoso  da  inauguração  dos  refletores,  Carlinhos  e Léo  marcaram  os  gols  do Vitória,  no  Fluminense do  Rio de  Janeiro,  Castilho( goleiro),  Pinheiro  e  Telê  se  destacaram(Telê  treinou  tempos  depois  a  Seleção Brasileira  e o  time  do  são Paulo). Os  refletores  goram  assim  distribuídos: Quatro  Torres,  com  30  refletores  divididos em  grupos  de  10  por  8. O  jogo  foi numa  quarta  feira,  dia  15/11/1963.

Amistoso  Vitória  3x3  Seleção  de Catu
 ( 27/02/1962)

     O  Vitória  jogou  amistosamente  na Cidade de Catu e empatou  com  a seleção  local  pelo  placar  de  3x3,  com  uma  renda  de  80 mil  cruzeiros, os  gols  do  Vitória  foram  maçados  por Léo  2  e  Vadú  1.
      O  Vitória  jogou  com: Ouri, (Nilson),  Kléber (Hélio),  Medrado e Boquinha.  Silvio  Mário  (Nelinho),  Romenil  (Touro),  Frank, Carlinhos  Léo,  Alfredo,  Djalma  e  Vadú.

Vitória  3x0  seleção  de Catu (21/04/1962)

     Neste  amistoso  revanche  na  cidade  de Catu,  o  Vitória  venceu  pelo  placar de  3x0,  gols  de  Carlos  Alberto 2 e China.  O  Vitória  jogou  com  Zé Carlos,  Enock,  Hélio,  Medrado (Carlos  Alberto),  Touro  e  Boquinha Frank,  Reginaldo,  Silvio  Mário, Astor,  China  e Roberto.  Renda  mais  de cem  mil  cruzeiros.

Vitória 5x0  Valença  (06/02/1962)

     O Vitória  fez  dois  amistosos  em Valença  e  venceu  os dois. Num  deles  venceu  pelo  placar  de 5x0.  O Vitória formou  com:  Ouri, Zé  Carlos,  Hélio, Medrado e Enock.  Carlos  Alberto, Touro e  Boquinha  Frank, Matos, Valdir,  Silvio  Mário  e Carlinhos,  Reginaldo  e Fael.  A  renda  foi  de  mais  de  em  cruzeiro.

Vitória  3x2 Colo Colo de  Ilhéus (29/06/1961)

     O Vitória  venceu  o Colo Colo  da  cidade  de  Ilhéu  pelo  placar  de  3x1. O jogo  foi  realizado  em  comemoração de  mais  um  aniversário  da  cidade  de  Ilhéus,   um  grande  público  prestigiou  o  amistoso,  lotando  as  arquibancadas do Mário  Pessoa.
     O Vitória comandado  pelo treinador  Pinguela jogou com: Zé Carlos, Hélio, Touro, (Medrado)  (Kleber),  Carlos  Alberto, Nelinho,  Frank,  e Matos.  Léo, Silva Mário, Carlinhos,  Fael  (Reginaldo). A equipe  de  Ilhéus  jogou  com:  Boinha (Ademar),Escurinho,  depois Denildo, Cabeção, Marujo, Sandoval, Etiene,  Wilson Longo, Mourão e  Esquerdinha.  O Juiz  Airton  Andante.

Jogos  de Frank Chagas  no Galícia, Anos  de 1962  a 1964

     Depois  de  jogar  durante  um  ano   no  Esporte  Clube  Vitória,  o  médio  Frank  Chagas  foi  contratado  pelo  Galícia  para   a  temporada   de 1962, 1963.  Segue  abaixo  descrito  vários  jogos   de Frank  no  Galícia  no  período   citado.       

Galícia  Compra  Passe  de  Frank  Chagas

     Pagando  20 mil  cruzeiros  de luvas,  ao  atleta  Frank  e  50  mil  cruzeiros  pelo  seu  passe,  o Galícia  comprou  Frank   do Vitória,  reforçando  o seu  elenco  para  a temporada  oficial  de  1962.
    Essa  é  a  primeira contratação  que os granadeiros  faz para  o certame  que  tem  inicio  nos  primeiros  dias  do  mês  de  julho.  Outros  atletas  estão  em  entendimento  com  o  clube  da  Colônia  Espanhola, pra a  formação  de  um bom  quadro,  para  o  campeonato,  afim  de  honrar as  tradições  do  Demolidor  de  Campeões.
Frank  alias vinha  participando  dos  treinamentos  do Galícia, que  se  prepara  para  o  Torneio  Inicio  de  Profissionais  programado  para  o  dia  29/06.
   Sob  a direção  de  Vassil  Barbosa,  o Galícia  vem  se  preparando  regularmente  aproveitando  a  oportunidade  parta  experimentar os novos valores,  que  aprovado  serão  contratados  para  o  campeonato  baiano de  profissionais  de 1962.

Galícia  Campeão Do Quadrangular João  Havelange
(24/06/1962)

Frank  marcou  o  primeiro  gol,  no Galícia,  no  primeiro  tempo  do  jogo  valido  pelo  Quadrangular  João  Havelange,  contra  o Ipiranga,  numa  estréia  auspicioso no Galícia.
O Ipiranga  empatou  o jogo  através  de  Heraldo,  ainda  no  primeiro  tempo.  No s segundo  tempo  da  partida  Panela,  atacante  do  Galícia  marcou  o  gol  da Vitória,  vencendo  o  Ipiranga.
O  Galícia venceu  com:  Beto,  Pernambuco,  Lacerda,  Jaime,  Clóves  e Augusto.  Frank,  Panela,  Lai,  Vadinho,  Joãozinho  e Servilho.  O time  do Ipiranga  perdeu  com:  Dada,  Heraldo,  Gal  e  Valdecir.  Dário  e o  jogador  Mateus.  Porôba, Mario,  Parará,  Lia  e  Siri ( Pinga).
O  juiz  foi  Valter  Gonçalves, auxiliares, Martinho  Meneses  e  Otavio  Neves  de  Jesus (Dunga).  Pesquisado  no Jornal  Estado  da Bahia 25/05/1962

Torneio  Início  do  Ano  de 1962,  na  Fonte  Nova

O Torneio  Inicio de  1962,  foi realizado  na Fonte  Nova  e  as  equipes  participantes  foram:  Bahia,  Vitória,  Galícia,  Leôncio,  o  Ipiranga,  Guarani,  Fluminense  de  Feira  de Santana,  Botafogo  e a equipe  do São  Cristovão,  num total  de  9  equipes  profissionais.

A  Ordem  Dos  Jogos:

1º jogo  São Cristovão  e  Galícia,  2º jogo  Guarani  e Fluminense,  3º  jogo Botafogo  e  Ipiranga, no 4º  jogo Vitória  e Leôncio,  5º  jogo Bahia  e Vencedor do  1º  jogo. O  6º  jogo  vencedor  do  2º  jogo  x vencedor  do 3º  jogo.  O  7º  jogo  vencedor  do  4º  jogo  x  vencedor  do 5º  jogo.  No  8º  jogo  a  finalissima  entre  as equipes  do Bahia  e Botafogo, sendo  os  dois  proclamados  campeões.

Troféus  e  os  Homenageados
1º  jogo  --Troféu  Rafael  Sincorá
2º  jogo – Troféu  Deputado Cristovão  Colombo,  presidente  da  Assembléia  Legislativa
3º  jogo-- Troféu  General  Rafael  de Souza   Aguiar,  comandante  da  6ª  Região  Militar  da  Bahia.
4º  jogo – Vereador  Paulo  de  Magalhães  Dantas  (Troféu)
5º  jogo – Troféu  Tarcisio  Vieira  de  Melo,  Secretario  de  Viação  e  Obras  Publicas.
6º  jogo  --  Troféu  Valter  Passos,  p´residente  da  Federação  Baiana.
7º  jogo –   Orlando  Moscoso, Vice  Governador  do  estado  (Troféu)
8º  jogo – Troféu  Heitor  Dias,  Prefeito  de Salvador

Torneio  Início  do Ano  30/06/1962

   Ficou  sem  vencedor  o  Torneio  Início  de  1962,  com  8  homens  no  desfile  e  9  amadores,  o  Galícia  subestimou a Festa  do Torneio  da  ABCD e  desrespeitando  o  publico  e seus  associados.

Os  Jogos  do  Torneio
1º  Jogo – Galícia  0x2  São  Cristovão,  Martinho  Meses  foi  o  juiz,  o Galícia  jogou  com  seu  time  desfalcado,  fio  fazer  um  amistoso,  no  município  de  Mata  de São  João,  onde  empatou  de 1x1,  recebendo  uma  cota  em  dinheiro  pelo  amistoso.
2º  jogo – Guarani 0x0 no  tempo  normal  e nos  pênaltis  venceu  a partida  e  eliminou  o Botafogo,  seu  adversário,  Martinho  Meses  foi  o  juiz  da  partida.
    3º Jogo --  Ipiranga  0x0  Botafogo  nas  cobranças  de  penalidades  o  Botafogo  venceu  por  3x1,  cobrando  Alencar  para  o Botafogo,  juiz  foi  Martinho  Meses.
    4º  Jogo – Leonico  0x1  Vitória,  juiz  Mario  Monteiro,  o  gol  do vitória  foi  marcado  por  Reginaldo.
    5º  jogo – Bahia  0x0  São  Cristovão,  juiz  Mário  Monteiro,  o  jogo  foi  decidido  nas  series  de  cobranças  houve  empate  de  2x2   e,  na segunda  serei  finalmente  o Bahia  venceu  o  São  Cristovão.
    6º  Jogo --  Guarani  0x0 Botafogo,  juiz  Valter  Gonçalves,  nas  cobranças  de  penalidade  o Botafogo venceu,  após  uma  sequencia  de  cobranças  extenuantes. Na  primeira serie  de  cobranças,  na  segunda  série 2x2  e finalmente  na  terceira  serie,  venceu  o  Botafogo  por  3x2.  O batedor  o Guarani  estava  bastante  cansado.
    7º  Jogo --  Bahia  4x1  Vitória,  juiz  Jaime  Rego (fraca  arbitragem)  o  Vitória  inaugurou  o  placar  e  o Bahia  virou o  jogo,  classificando,  para  a  finalissima  com  o Botafogo.

A  Decisão  do  Torneio

     No  8 º jogo,  Bahia  e  botafogo,  por  falta  de  queda  de  energia  nos  refletores  da Fonte  Nova,  o  jogo  foi  suspenso  do  dia  30  de  junho,  para  o  dioa  2  de  julho,  feriado  estadual.
     O jogo  foi  iniciado  ás 15:00hs, na Fonte Nova  com os  portões,  abertos,  sem  policiamento.  O  Bahia  saiu  na  frente  do  marcador  e  marcou  dois  gols  através  de  Vicente. Antes  de empatar  a  partida,  o Botafogo  perdeu  um  pênalti,  cobrado  por  Alencar.  Defendido  por  Nadinho.  O botafogo  empatou  o  jogo  marcando  dois  gols.
    Terminando  o  jogo  no  tempo  normal, foi  preciso  uma prorrogação,  com  dois tempos  de 15  minutos  de  cada  lado.  Devido  à invasão  do  campo  de  jogo,  pelos  torcedores  adolescentes  (garotos) e sem  policiamento  na Fonte Nova,  o  juiz  da  partida  não  deu  o  complemento  da  prorrogação,  indo  para  o  vestiário,  ficando  a  partida  sem  complemento  e  consequentemente  sem  campeão  no  campo  de  jogo.
     A  Federação  Baiana  proclamou  Bahia  e  Botafogo  campeões  do  Torneio  Início  de 1962.  A  renda  somou  mais  de  700 mil  cruzeiros,  que  ficou  com a organização  do  Torneio  Início,  a ABCD,  esse  publico  foi muito  menor  do  que os  mais  22  mil  torcedores  do  torneio  de  1961.

Ipiranga  3x0  Galícia  (21/071963)

     Jogando  pelo  1º  turno  do Campeonato  Baiano  de  1963,  o Galícia   foi  derrotado  pelo  Ipiranga  na  Fonte  Nova  pelo  placar  de  3x0.  O  Juiz  da  partida  foi  José  Cavalcante  de  Brito,  auxiliares,  José  de  Souza  Gomes  e  Clinamulte  Vieira  França.
   O  Galícia  perdeu  com  Beto,  Djair,  Clóves,  Nildo,  Frank  e Silvio  Mario,  Mimi,  Geraldo,  Raul,  Vadinho  e  Nélson.  O  Ipiranga  venceu  com  Toninho,  Teixeira,  Zé  Oto,  Heraldo,  Vavá  e Dário.  Enaldo  Mascote,  Bandolin  e Valdir. A  renda  foi de  186  mil  e  540  cruzeiros  e o Galícia    somou  com  essa  derrota  15  pontos  negativo,  numa  péssima  campanha  nesse 1º  turno.

Bahia  1x0  Galícia  ( 14/07/1963)

     O  Galícia  perdeu  para  o Bahia  pelo  placar  de 1x0,  jogo  com  a  validade  do  primeiro  turno  do  campeonato  baiano  de 1963,  o   jogo  foi  realizado  na  Fonte  Nova.
    O  gol do Bahia foi  marcado  pelo  atacante Vermelho  aos 35  minutos  do segundo  tempo  e  a renda  somou 1 milhão  950  mil  e 90 cruzeiros, marcou  a  partida  o Sr.  Valter  Gonçalves  e  o  Bahia  jogou  com:  Nadinho,  Hélio,  Henrique,  Bronzeado,  Roberto  Rebouças,  Nilsinho  e  Mario.  Bririba,  Valença  Vermelho  e  Orlando.
     O Galícia  perdeu  com: Beto,  Djair,  Clóves,  Nildo, Mimi, Silvio  Mário  e Frank.  Vadinho,  Vassil,  Geraldo  e Servilho. Na preliminar  Aspirante  do Galícia  2x1  Bahia,  os  Bandeiras  (Auxiliares  ou  Assistentes),  foram José  de Souza  Gomes  e  Mario  Monteiro. (Jornais Estado  da Bahia e  Diário  de  Noticias, 15/07/1963).

Galícia  2x1  Ipiranga  ( 25/07/1962)

     O   Galícia  venceu  o  Ipiranga  no Estádio  da Fonte Nova, no  dia  26/06/1962,  pelo  placar  de  2x1.  O jogo  foi valido pelo Campeonato  de  Futebol  Profissional  da Bahia, no  primeiro  turno.
    Os  gols  do  Galícia  foram  marcados  por  Frank  e  panela, ponta  direita e ponta  esquerda,  respectivamente.O  Juiz  da  partida  foi  o  sr.  Valter  Gonçalves,  assistentes, Martinho Meireles e Otavio  Neves de  Jesus,  sendo  o  gol  do Ipiranga  marcado  Geraldo.
    O Galícia  jogou  com:  Beto,  Pernambuco,  Lacerda  e Augusto.  Jaime  e  Clóves. Frank,  Vadinho, Lai,  Panela,  Joãozinho (Servilho). O  time  do Ipiranga  com:  Dadá , Geraldo,  Galo,  Mateus,  Valdecir  e  Dário. Mário e  Pôroba.  Parara,  Lia,  Siri  (Pinga). As  ordens  dos  gols  foram:  Frank  abriu  o  placar  aos  24  minutos  do  primeiro  tempo,  empatando  de pênaltis, Geraldo.  No segundo  tempo  o  ataque  Panela  marcou  o  gol da vitória  do Galícia.

Galícia  1x3  Vitória ( 12/08/1962)
  
     Jogo  válido  pelo  campeonato  Baiano  de  1962, na  Fonte  Nova,  o  Vitória  venceu  por  3x1.  Os gols  do Vitória foram  marcados  por atacante Carlinhos  no  primeiro  tempo  e Lai  pelo  Galícia,  no  segundo  tempo  Durvalino  marcou  dois  gols. Apitou  a partida  o  Sr.  Valter  Gonçalves, assistentes;  Alberto  Vadinho,  Frank,  Lia  Raul  e Joãozinho. Vitória  com  Zé  Carlos,  Touro,  Medrado, Kleber,  Nelinho  e Fontoura.  Duvalino, Léo, Carlinhos  e Arthur  Lima. Pesquisa  no Estado  da Bahia.

Galícia  3x0  São Cristovão

     Jogando  pelo  Campeonato  Baiano  de  1962, na  Fonte  Nova,  o  bom time do Galícia,  venceu  o  São  Cristovão  pelo  placar  de  3x0,  apresentando  um ótimo  conjunto,  o Galícia   não  teve  dificuldades  para  vencer  a  partida,  que  apitava  por  Clinamulte  Vieira  França.
    Os  goleadores  para  o Galícia  foram,  o matense  Frank,  Vadinho, Vassil  que  marcou  dois  gols.  A  renda  foi  de  25  mil  e  310  cruzeiros,  para  um  publico  pequeno  de  271  pagantes,  uma  renda  fraca.
   O Galícia  jogou  com:  Beto,  Djair,  Miranda,  Silvio  Mário e  Clóvis. Valmir,  Frank, Vadinho,  Vassil,  Raul  e  Joãozinho. O São  Cristovão  com  Rui, Carlinhos,  Joseval,  Reis,  Gildo,  Talma,  Zé  do  Porto, Teixeira,  Valder  e  Fahel.

Guarani  3x2  Galícia (06/12/1962)
   
     Guarani  do  técnico  Sotero  Monteiro,  manteve  a sua  invencibilidade  de vários  jogos  sem  perder,  ao  derrotar  o Galícia  por  3x2.  O  jogo  com  validade  pelo  campeonato  baiano  do seu  returno.
    O  jogo  foi  realizado  pela  noite  (05/12)  e  o  Guarani  encontrou  no  Galícia,  um  dos  mais  difíceis  dos  seus  últimos  jogos.  Na primeira,  etapa  da  partida,  terminou  com  2x0  para  o Guarani,  marcando  o  jogador  Amarelinho  duas  vezes.
    No segundo  tempo  o Galícia  venceu  por  2x1  e  por  varias  vezes,  esteve  perto  do  gol  de empate. Vassil  e  Vadinho,  marcaram  os  dois  gols  do  Galícia  e  Mário  marcou  o terceiro  gol  do  Guarani. A  renda  foi  de  52  mil  e  490  cruzeiros,  um público  pagante de  593  torcedores.  O  Guarani  venceu  com:  Bita,  Pernambuco, Enio  e Valdir,  Milão  e  Pão.  Antonio  Mário,,  Renato,  Zezinho,  Mário  e Amarelinho.
    O Galícia  perdeu  com José,  Djair, Nildo e Clóvis.  Frank  e  Silvio  Mário. Vadinho,  Vassil,  Lai,  Raul e Joãozinho.  O juiz  do  jogo  foi Clinamulte  Vieira  França,  auxiliares: Peixoto  Nova e Edgar  Calazans.  Pão  foi expulso  por  jogo  violento,  assim como  Cláudio  do  Galícia. Matéria  pesquisada  no  Diário  de  Noticias. 07/12/1962.


Galícia  3x0  Botafogo (17/121962)

     O Galícia  venceu  o Botafogo  por  3x0,  jogo  com validade  pelo  returno  do  Campeonato  Baiano  de  Profissionais  de 1962.  O  Galícia  dominou  amplamente  a partida.  Já  no  primeiro  tempo  vencia  pelo  placar,  de 2x0,  marcando  Vadinho  e Raul  e no  segundo  tem,pó  novamente  Vadinho  fechou  o marcador  de  3x0  para  o Galícia.
    O  Juiz  da  partida  foi Otávio  Neves  de  Jesus,  as  equipes  formaram  com  os  seguintes  jogadores: Galícia,  José,  Frank, Nildo, Silvio  Mário,Clóvis,  Vlamir  e  Jaime.  Vassil, Vadinho, Raul e Servilho. O Botafogo  com Geovane da Silva,  Juscelino, Negrita  e Alencar.  Raimundinho  e Tango.  Xavier, Cabo Jorge,  Nil,  Kibu. A renda  da  partida  foi  de 137 mil  e  800  cruzeiros,  publico pagante  de  1.475.

Galícia  1x2 Ipiranga  ( 25/12/1962)

    Ipiranga  e Galícia   fizeram  uma  grande  partida,  com jogo  valido,  pelo Campeonato  Baiano,  no  returno  de  1962.  No  final  da  partida  a  equipe  do Ipiranga  venceu  o  Galícia  por  2x1.
    A renda  foi  de  339  mil  e  730  cruzeiros,  para  um  bom  publico  de  3.401  pagantes.  O Ipiranga jogou  e  venceu  com:  Wilson, Agnaldo  e Zé Oto.  Dário,  Santana e Galo.  Enaldo  Pôroba,  Pinga,  Osmar  e Valtinho. A  equipe  do Galícia  do  presidente  Aurélio  Viana  jogou  com os  seguintes jogadores:  Beto,  Frank, Vlamir, Silvio Mário, Nildo, Clóvis,  Lai,  Vassil,  Vadinho  e Servilho. (Jornal  Diário  de Notícias, 26/12/1962). 

Galícia  0x0  Leônico  (15/07/1962)

     Pelo  campeonato  baiano  de  1962,  o  Galícia  empatou  com  o  bom time  do Leôncio  de João  Guimarães,  o  jogo  foi  no  Estádio  da Fonte Nova sendo  juiz  Cavalcante  de Brito,  renda  de  72  mil  e  130  cruzeiros,  publico  pagante  de 1.735  pessoas.
  Os  dois times  jogaram  com  as  seguintes  formações:  O  Galícia  com  Beto,  Djair,  Miranda,  Mimi  e Valmir.  Silvio  Mário  e  Raul.  Frank,  Lai  Panela  e  Joãozinho. Leôncio  com:  Obina,  Antonio,  Amor,  Beu,  Careca,  Cosme  Grande,  Bolinha,  Cacau,  Valmir,  Djair e Juca. 

Galícia  2x1  Botafogo  (22/07/1962)

    O  Galícia  derrotou  o  Botafogo,  em  jogo  valido  pelo campeonato  baiano  de  1962,  o  placar  foi  de  2x1.  Vadinho  marcou  para  o Galícia,  abrindo  o  placar,  Xavier  empatou  o  jogo  ainda  no  primeiro  tempo  e Lai, marcou  o  gol  da  Vitória  aos  19  minutos  do  2º  tempo.
     O Galícia  venceu  com:Beto,  Valmir, Djair,  Frank  e amistoso  Silvio  Mário e Mimi.  Vadinho, Panela,  Lai,  Paulo  e  Joãozinho.  A  renda  foi  de  72.570 cruzeiros.
     Botafogo  perdeu  com: Valter, Alencar,  Da  Silva,  Amorim.  Tango,  Lapão,  Raimundinho,  Pimpa,  Cabo  Jorge e Ricardo,  Xavier,  o  Juiz  foi  Valter  Gonçalves.

Galícia  Perde  para  o Vitória  por  3x1
 (10/08/1962)

     O Galícia  perdeu  para  o Vitória, por  3x1, jogo  pelo  campeonato  baiano  de  1962,  no seu  primeiro  turno.  O  jogo  foi  no estádio  da Fonte  Nova,  marcando  os  gols  do Vitória, Carlinhos  que  empatou  a partida,  ficando  esse  placar  até  os  31  minutos  do segundo  tempo  quando  Durvalino  marcou  dois  gols,  selando  a Vitória  do  Rubro  Negro  baiano.  Vadinho  e  Lai  perdeu  os  gols,  quando  o  placar  ainda  era 1x1  e Vadinho  abriu  o  marcador  para  o  Galícia.
     Esse  jogo  foi  marcado   de  grande  espectativa,  o  Galícia  havia  8  anos  que  não  vencia  o  Vitória  e  continuou  sem  vencer,  não  quebrando  o  “Tabú”  rubro  Negro (Isso  só  veio  acontecer  em fevereiro  de  1963).
     O Vitória  venceu  com:  Zé Carlos,  Touro,  Medrado, Kleber,  Otonei  e Nelinho.  Fontoura,  Durvalino, Carlinhos e  Arthur.  Galícia com Beto  Djair,  Miranda,  Silvio Mário. Renda  de  636.390  cruzeiros,  um    público de 6 .582  pagantes, o juiz foi  Valter  Gonçalves.  Auxiliares:  Peixoto Nova,  Alberto  Sanche. (Jornal Diário  de Notícias,  10/08/1962).


Galícia  Realiza  Excursão  no  Sul  da  Bahia (15/08/1962) 


     O  Galícia  realizou  uma  excursão  no  Sul  da Bahia,  enfrentando  a  Seleção  de  Itabuna,  no  estádio  local,  no dia 15 de agosto  de  1962. o  jogo  amistoso  realizado  numa  quarta  feira,  apresentou  um  placara  favorável  a  seleção  de  Itabuna, quem  vem  por  2x0.
      Os gols  da seleção  de  Itabuna  foram  marcados  por  jonga  e o  jogador  Santinho,  aos  18 e 41 minutos do segundo tempo. O Galícia  jogou  com:  Beto,  Jair, Milão e Pernambuco.  Jaime  e  Valmir,  Enock  depois  Vavazinho.  Frank,  Vadinho,  Silvio  Mário  e  Servilho.
     Na  Delegação  do Galícia,  foi  formada com:  Vassil  Barbosa,  técnico,  roupeiro  Boé, massagista  Secundino, empresário Mandarino e  os  jogadores:  Beto,  Djair,  Milão, Valmir, Jaime, Vadinho, Frank, Enock, Raul,  Lai, Servilho, Vvazinho, José, Clóvis, Pernambuco,  Fernando  e  Buziguim,  empresário  foi  Izidro  Monteiro,  Mandarino  foi  representando  Izidro  Monteiro.
     A  cota  do amistoso foi  de  25  mil  cruzeiros,  sendo  o  jogo  realizado  numa  quinta - feira,  dia  15/08/1962.  (Jornal A  Tarde, 16/08/1962 

Amistosos  do  Galícia  em Minas Gerais
 e  Espírito  Santo (4 e 5  do 09/1962)
     Amistosos  do Galícia  no  interior  de Minas  Gerais  e  Espírito  Santo,  teve  os  seguintes  resultados:  Galícia 7x1,  no  América,  Tri-campeão  de  Teófilo Otôni,  Galícia 1x0  Aimorés  (dias  4 e  05/09/1962) No  Espírito  Santo,  dia  11/09/1962,  venceu  o Rio  Branco,  num  amistoso,  pelo  placar  de 6x1. Galícia  2x2  Alagoinhas,  amistoso do  dia  29/07/1962,  marcando  atacante  Vadinho dois  gols para  o Galícia.


Jogos   de  Frank  no  Galícia   em   1963


Na  temporada   de  1963  Frank  Chagas,  defendeu  as  cores  Azul  e  Branca  do  Galícia,  foram  muitos  jogos,  inclusive Torneios   e  Quadrangulares. Frank,  Sílvio  Mário,  Nildo,  Onça, Beto,  Bassu  e  outros  grandes   jogadores  atuaram    no  Galícia  no   ano   de   1963. 

Galícia Vence Vitória no Jogo 
“Quebra Tabú” (4/2/1963)

     Finalmente o Galícia venceu o Vitória numa partida oficial de 90 minutos, pelo returno do Campeonato Baiano de 1962. O jogo foi disputado  na Fonte Nova.
     Durante toda a semana que antecedeu ao clássico, havia uma  grande espectativa para esse jogo, já que o Galícia não vencia o Vitória há  quase 9 anos, desde o ano de 1954 que o Galícia não conseguia vencer o Vitória.
     Com treinamentos puxados tanto físico como técnico, durante  a  semana os jogadores do Galícia se empenharam bastante. O  presidente Aurélio Viana, prometeu uma parte da renda, em caso de vitória do “Demolidor de Campeões”,  além da promessa de queimar as camisas do time, nesse jogo.
     Do lado do Vitória, manter o tabú era questão de tradição, a Vitória nesse jogo manteria a sua liderança no returno do campeonato de 1962. O Bahia lutava ara conseguir o pentacampeonato desde o ano de 1958, onde vinha vencendo os campeonatos.
     Era um jogo que se tornaria histórico para o Galícia, “Quebra Tabú”, caso vencesse o Vitória. No dia do jogo, os jogadores do Galícia, unidos fizeram uma corrente de confiança e união, era o jogo mais importante do time nesse final de returno, era vencer e vencer. A partida iniciou com os jogadores um pouco tenso e aos poucos os jogadores do time  foram tomando conta da partida.


Galícia 1x0,  Tabu Quebrado  Na  Fonte  Nova


     O 1º tempo terminou em 0x0, num jogo aguerrido,  com  lances   bem  disputados,  apesar  do  nervosismo  de  alguns  jogadores de  ambas  as  equipes. No segundo  tempo  da  partida o Galícia abriu a contagem logo aos 6 min do 2º tempo com o atacante Vassil  Barbosa  (era  jogador  e  treinador), marcou  o  primeiro gol  na  Fonte Nova. Levando  a torcida do Galícia a comemorar bastante esse gol.    
     Com esse gol o time do  Vitória, partiu com  tudo  pra  cima  do  Galícia,   tentando  o empate e virar o jogo  e manter a liderança  do  campeonato  e conservar   o tabú  de  9  anos  sobre  o  Galícia. O time da  Colônia  Espanhola  na  Bahia,  o  Demolidor  de Campeões,  o Galícia se defendia  com  “unhas   e  dentes”  procurando  em contra – ataques, marcar o segundo gol. O Vitória com  alguns    jogadores  nervosos,  teve 2 jogadores expulsos do jogo: o goleiro Zé Carlos e o lateral direito Kleber,  se  tornando  o  jogo  mais  fácil  para  o  Galícia.
     No final dos 90 minutos,  justamente no apito final do árbitro Otávio Neves de Jesus, torcida, jogadores, dirigentes, vibraram com  a  vitória  do Galícia,  quebrando um tabu que já durava 9 anos,  nesse  dia  histórico dia    quatro de  fevereiro   de  1963.
     

Camisas   Azul  e  Branca  Queimadas 
Na  Pista  da  Fonte  Nova

     Conforme promessa do presidente Aurélio Viana, de queimar as camisas que os jogadores usaram na partida, tal promessa foi cumprida, exceção para alguns jogadores que preferiram guardar sua camisa, como lembrança do jogo histórico.
     Foram colocadas as camisas juntas e foram queimadas, numa simbologia de ter vencido as superstição, as influências negativas, que por diversos motivos, atrapalharam o Galícia no jogo contra o Vitória ao longo desses anos, nos jogos entre as duas equipes. As camisas do jogo foram queimadas na pista da Fonte Nova.
     No Torneio Início  realizado no dia 19/06/1960 o time do Galícia venceu o Vitória na final desse Torneio, pelo placar de 3x1, sagrando-se campeão. Esse jogo foi de apenas 60 min, sendo 30 min de cada lado. 

Renda e Gratificações Pelo  Triunfo


Os jogadores do Galícia fizeram jus a uma parte da renda, cuja cota do Galícia foi de 262 mil cruzeiros. Foram distribuídos a título de prêmio ou bicho, 6 mil cruzeiros a cada jogador. Vassil ficou com uma gratificação maior, 12 mil cruzeiros, por ter marcado o gol da  vitória, nesse jogo cada jogador teve um padrinho, ganhando prêmio.
     Outros filhos foram ofertados pelos padrinhos dos jogadores, aumentando em muito os valores dos bichos ou gratificações da diretoria, chegando a parte de Vassil a quase 30 mil cruzeiros.
     Na preliminar, o Vitória venceu na categoria de Aspirantes por 5x1 o Galícia. A renda total  foi de 838 mil e 90 cruzeiros, para um público pagante de 6 mil e 661 pagantes na Fonte Nova, nesse jogo os preços dos ingressos foram majorados (aumentados).  O árbitro da partida foi Otávio Neves de Jesus.

Formação Das  Equipes


O Vitória perdeu com: Zé Carlos (Ouri), Kleber, Medrado, Tinho e Carlinhos. Nelinho e Fontoura. Durvalino, Roberto, Erick e Adroaldo. Técnico: Bengalinha.

     O Galícia venceu com: Neto, Frank,  Clóvis e Valmir. Silvio Mario e Nildo. Vadinho, Vassil, Jaílson, Raul e Servilho. Foram expulsos pelo Vitória Zé Carlos (goleiro) e Kleber (lateral direito). 
     Técnico:  Vassil  Barbosa
     Com essa derrota, o Vitória perdeu a liderança do segundo turno, passando o Fluminense de Feira de Santana a liderar, ficando os times do Ipiranga e Vitória na segunda pontuação, com a diferença de 1 ponto para o Fluminense, vindo em seguida o Bahia com 3 pontos e o Galícia ainda com possibilidades de conquista do 2º turno. Nesse ano de 1963, o Bahia sagrou-se Pentacampeão Baiano de 1962.

Taça “Quebra Tabú”

     Após o final da partida, Ceferino Carrera, grande desportista, ofereceu a Taça “Quebra Tabú”  pela vitória do Galícia, sendo a Taça levantada para o alto, com aplausos da galera galiciana. O dirigente Ceferino Carrea, idealizador da Taça, erguia orgulhosamente como  símbolo  do  “Quebra Tabú”, sendo fotografado pela imprensa presente na Fonte Nova.
     Nesse jogo do “Quebra Tabú”, o Flu de Feira deu 5 mil cruzeiros para dividir com o grupo, a derrota do Vitória colocou o Flu como líder do Campeonato. Os padrinhos dos jogadores do galícia, deram 5 mil cruzeiros para cada jogador e um torcedor-empresário se prontificou a dar a quantia de 2 mil cruzeiros a cada jogador pela vitória.

Galícia  1x2  Fluminense, Amistoso 10/02/1963)  

   
     Depois  da  experiência  vitória,  diante  do  Rubro  Negro,  por  1x0  o jogo  do “Quebra  Tabú”  de  9  anos  que  o  galícia não  vencia  o Vitória,  o  time  da  Colônia  Espanhola  na  Bahia  foi  convidado  pelo  Fluminense  de  Feira  de  Santana,  para  realizar  um  amistoso  no Estádio  Municipal  daquela  cidade  do  interior.
    O  amistoso  serviu  para  preparação  das  duas  equipes,  visando  os  seus  compromissos  restantes  pelo  returno  do Campeonato  Baiano  do  ano  de  1962.
    No  final  dos  90  minutos,  o  resultado  foi  de  2x1,  para  o  Flu  de  Feira,  marcando  por  Almeida  e  Francisquinho  para  o Flu  e  Vassil  de  pênalti  para  o  Galícia.  Ambos  os  gols  foram  marcado  no segundo  tempo  da  partida.
     O  Galícia  perdeu  com:  Beto, Frank, Clóvis  (Lacoura) e  Valmir.  Silvio  Mário  e Nildo. Vadinho,  Jaílson  (Barbosa),  Lai,  Jaime  e Servilho. O  Fluminense  com: Mundinho, Misael, Francisquinho  e  Baltazar.  Chinesinho  e  Dega.  Lió,  Almeida,  Carlinhos, Vavá (Alcides) e  Canhoto. O juiz do  jogo  foi  Heitor  Lago  com  boa  atuação.

Galícia 2x0  São  Cristovão (15/02/1963)

    Jogando  na  Fonte Nova  pelo  returno do Campeonato  Baiano,  o  time  do  Galícia  venceu  o  São  Cristovão  pelo  placar de  2x0.Os  gols  do  Galícia  foram  marcados,  o  primeiro  por  Vassil  no  tempo  inicial  da  partida  e o  segundo  por  Servilho,  aos  31  minutos  da  etapa  complementar.  O  Juiz  foi  Clinamulte  França,  auxiliado  por  Jaime  Rego  e  o  Sr.  Peixoto  Nova. 
     Na  preliminar  pelo  campeonato  de  aspirantes,o  Galícia  venceu  por  3x1. A  renda  foi  de  21.180  cruzeiros,  publico  de  184  pagantes.  O  Vadinho,  Jaílson,  Vassil,  Raul  e  Servilho.
   São  Cristovão  perdeu  com:  Pio,  Rai,  Carlinhos,Carlos  e Joseval.  Teixeira,  Gil,  Sales,  Dalmar,  Zé  Porto  e  Ricardo.

Galícia  1x3  Bahia  (10/03/1963)
   
     Jogo valido  pelo  returno  do Campeonato  Baiano  de  1962,  nesse  jogo  o Galícia,  com  a derrota  por  3x1  para  o  Bahia,  se  afastou  ainda  mais  de  ficar  entre  os  primeiros  colocados  e  brigar  pelo  titulo,  de campeão  do s segundo  turno.
    O Bahia  com  a vitória  sobre  o Galícia,  segue  liberando  o segundo  turno,  rumo  a  conquista  do  Penta  Campeonato.  O  Galícia  abriu  o  placar  com Lai,  aos  30  minutos  do  primeiro  tempo  e  Mário  empatou  a parida  para  o Bahia.
   No  segundo  tempo  o Bahia marcou mais  dois  gols  através  de  Vadu  e  Nilsinho  e  o  Galícia  perdeu  o  jogador  Nildo  por  contusão,  foram  também  expulsos  Agnaldo  e  Clóvis,  jogadores  do  Vitória  e  Galícia. O  Galícia  sentiu  muito  a saída  de  Nildo,  ficando  a  defesa  desfalcada,  Frank  e  Silvio Mário jogaram  bem  pelo  Galícia.
    A  renda  foi  de  1.787.950  cruzeiros,para  um  publico  pagante  de  14.111  torcedores,  a  maior  renda  do  returno  até  esse jogo.  O  juiz  da  partida  foi  o  Sr. Clinamulte  França,  auxiliantes  Otavio  Neves  de  Jesus  e  Souza  Gomes.  Preliinar  Bahia 6x0  Galícia.
     O Bahia  venceu  com:  Nadinho,  Hélio, Henrique,  Florisvaldo e Nilsinho. Gonzaga, Vadú, Hamilton,  Agnaldo, Mário e Biriba.  O  Galícia  perdeu  com: Beto, Clóvis,  Valmir,  Nildo,  Silvio,  Mário,  Frank,  Vadinho,  Vassil,  Lai,  Raul e Servilho.

Galícia  4x2  Leonico  (15/03/1963)

    O  Galícia venceu  o Leonico  pelo  placar  de  4x2,  marca  Servilho  2  Vadinho  e  Raul  para  o  Galícia  e  Cacau  e  Paulo  para  o  Leonico.   A  renda  da  partida  foi  de  60.110  cruzeiros  com  519 pagantes.
     O  juiz  foi  Maltez  Leoni,  auxiliares  Clvacante  de  Brito  e  o  Sr.  Peixoto  Nova.  O Galícia  deu  aos  jogadores  1 mil  cruzeiros  de  bicho  aos  jogadores  pela  bela  vitória  diante do Leonico. O  Galícia  venceu  com:  Beto  Djair, Clóvis, Nildo,  Silvio Mário  e  Frank.  Vadinho, Vassil,  Lai  e  Servilho.  Leonico  com  Salvador,  Cosme,  Antonio,  Bel,  Benício,  Biguá.  Vadinho,  Paulo,  Careca,  Cacau  e Juca.

Galícia  0x1  Fluminense  de  Feira (20/03/1963)

     O Galícia  perdeu  para  o  Fluminense  de  Feira  de  Santana,  pelo  1x0.  em  jogo  valido  pelo  returno  do  Campeonato  Baiano  de  1963.  O  Flu  venceu  com:  Aloísio,  Francisquinho,  Dego,  Chinesinho  e Val, Ninoso,  Lió, Almeida,  Canhoto,  Fabio  e  Carlinhos.
     O  Galícia  atuou  com: Beto  Djair, Clóvis,Frank,  Silvio  Mário  e Nildo.  Vadinho,  Vassil,  Lai,  Raul  e Servilho.  O  Juiz  foi  Clinamulte  Vieira  França,  auxiliares  Peixoto  Nova  e  Cavalcante  de  Brito de  a renda  foi  152.150  cruzeiros,  com 1.331  pagantes. O  Fluminense  marcou  o seu  gol,  através  de  Almeida  aos  10  minutos do  2º  tempo.  No  jogo  da  preliminar  de  Aspirante  houve  empate  de 1x1. (Jornal Estado  da Bahia, 21/03/1963).

Bahia  0x0  Grêmio  de  Alagoinhas  Na  Fonte  Nova

(Amistoso 04/04/1963)

     O Grêmio de Alagoinhas após uma série de bons resultados em jogos amistosos e na cidade de Alagoinhas contra as equipes da capital, jogou uma partida amistosa contra o Bahia, tendo na preliminar, Seleção de Mata de São João,  representada  pelo ADM,  2x0 Catu, sendo os jogos realizados na Fonte Nova.
     Foi  a primeira  vez  que  um   time  matense,  jogou  no  Estádio   da  Fonte  Nova
     O Bahia empatou em 0x0 com o Grêmio, jogando com: Nadinho, Hélio, Henrique, Boquinha, Nilsinho, Ivan, Martinho, Marinho, Agnaldo, Vadú e Biriba. O Grêmio de Alagoinhas jogou com: Elegante, Teté e Tiago. Limeira, Nelsão e Mudinho. Derneval, Meruca, Pitu, Vanildo e Milton. A renda foi de 282 mil e 220  cruzeiros.
    

Técnico do  Galícia  Vassil  Barbosa no Rio de Janeiro


     O técnico e jogador do  Galícia  Vassil Barbosa, retornou do Rio de Janeiro onde esteve tratando de interesses do Galícia, autorizado pela diretoria, tentou negociar o atleta Frank, ao clube do América.
     O América no momento não se interessou na aquisição do meia Frank, que joga em várias posições  (coringa), sendo um jogador versátil, atuando nas laterais, meio de campo e no ataque, e de boa qualidades técnica.
     Também não conseguiu Vassil Barbosa trazer reforços, para o time da Colônia Espanhola, visando o campeonato baiano. O Galícia estava programado  a  realização   de  vários amistosos com as equipes locais, visando realizar uma boa campanha no campeonato  baiano

Galícia 1x0 Ipiranga (15/4/1963)

      O Galícia venceu o Ipiranga em jogo amistoso, visando entrosar a equipe. O Galícia venceu com: Beto, Djair, Cloves, Valmir, Nildo, Silvio Mário, Frank, Lai, Geraldo, Raul e Servilho. Djalma e Lacoura entraram no decorrer da partida. O Ipiranga perdeu com: Toninho, Teixeira, Zé Oto, Galo, Dário, Vavá, Enaldo, Parra, Porôba, Josias e  Valdir. Bandolim, Gilberto e Marivaldo entraram no decorrer do jogo. (Jornal Diário de  Notícias).

Galícia 3x0 Vitória em 18/4/1963


     Galícia e Vitória realizaram uma partida amistosa na Fonte Nova. A partida foi decidida  logo no 1º tempo, com a marcação dos 3 gols galicianos, através de Lai de pênalti e Geraldo  duas vezes. No 2º tempo da partida, Medrado cometeu um pênalti em Lai, este foi encarregado de cobrar e perdeu, deixando de aumentar o placar.
     Silvio Mário foi um gigante em campo, fazendo uma grande partida, dominando o meio campo do Vitória e distribuindo bem as jogadas para o ataque galiciano. Frank também fez uma boa partida. O Galícia venceu o Vitória com: Beto, Djair, Cloves, Boquinha, Silvio Mário e Nildo. Vadinho, Lai, Geraldo, Frank e Servilho.
     O Vitória perdeu com: Ouri, Kleber, Medrado, Tinho, Laranjeiras e Nelinho. Reginaldo, Dalmar, Durvalino, Edmundo e Braga. Os jogadores Touro, Didico, Vavá e Gilberto entraram no decorrer da  partida, tentando modificar o placar, mas foi em vão.
     O juiz foi Clinamulte Vieira França, bandeiras: Maltez Leone e José de Souza Gomes (o Mexicano). A renda foi fraca, de 66 mil e 200 cruzeiros, devido ao mau tempo na Fonte Nova.  (Jornal Diário de Noticias, 19/04/1963)
    
Quadrangular Lomanto Júnior (28/4 a 3/5/1963)

     A primeira rodada do Quadrangular Lomanto Júnior, foi iniciada num domingo, dia 28 de abril, no primeiro jogo, Leônico e Vitória empataram em 1x1. O Leônico fez 1x0, empatando Reginaldoa  partida  para o Vitória.
     O juiz  foi Valter  Gonçalves, bandeiras: Nova e Maltez Leone. O Leônico jogou com: Pompéia, Antonio, Joseval, Biguá, Cosme e Careca. Bolinhas, Benício, Léo, Cacau e Hélio.
     Vitória: Ouri, Kléber, Romenil, Touro, Nelinho, Durvalino, Reginaldo, Dalmar, Cabo Jorge, Edmundo e Carlinhos. No jogo de número dois  da 1ª rodada, Galícia e Bahia ficaram no 0x0. O juiz foi Clinamulte França.  Expulsos Mário do Bahia por ofensas morais. Bandeiras Souza Gomes e Mário Rocha.
  

Formação  das  Equipes  Galícia  0x0  Bahia


     O Bahia jogou  empatou com: Cabalero, Hélio, Henrique, Roberto, Nilsinho, Florisvaldo, Vadu, Reginaldo, Hamilton, Mário e Biriba. Entraram no decorrer do jogo, Gonzaga no lugar de Roberto e Marinho no lugar  de Hamilton.
     Galícia com: Beto, Djair, Cloves, Nildo, Silvio Mário, Boquinha (Valmir), Valdinho, Lai, Frank, Raul e Servilho. A renda do jogo foi de 770 mil e 220 cruzeiros.

Governador  Lomanto  Júnior  Na  Fonte Nova


     O Governador Lomanto Júnior foi ao Estádio da Fonte Nova e assistiu da Tribuna de Honra a primeira rodada, sendo aplaudido pelo público  presente. O governador não havia anunciado a sua presença, a sua chegada ao Estádio foi de surpresa.
     Pelo empate, o Galícia pagou  um bicho de 1.500,00 cruzeiros. (Jornal Diário de Notícias).

2ª Rodada (30/4/1963)

     Na 2ª rodada do Quadrangular Lomanto Júnior, numa terça-feira de 30/4/1963, na Fonte Nova. Jogaram Vitória e Galícia no jogo de fundo, e Leônico e Bahia no primeiro jogo dessa rodada.
     O Galícia fez uma boa partida contra o Vitória e venceu pelo placar 1x0, gol marcado pelo estreante Léo. Frank  substituiu a altura  o jogador Boquinha.
     Beto fez boas intervenções, salvando o gol galiciano, Cloves, Nildo, Vadinho, Raul e Servilho foram também jogadores destaques. O jogador Lai e Boquinha não jogaram nesse jogo contra o Vitória.
     Clinamulte França foi o juiz, sendo os Bandeiras: Peixoto Nova e Martinho de Meneses, renda de 713 mil e 150 cruzeiros.

Formação   de  Galícia 1x0  Vitória


     O Galícia jogou com : Beto, Djair, Cloves, Silvio Mário, Nildo e Frank. Vadinho, Léo (Jaime), Geraldo, Raul e Servilho. O Vitória perdeu com Ouri (Nadinho), Kleber, Medrado e Touro. Nelinho e Edmundo (Tinho). Reginaldo, Durvalino, Didico (Dalmar), Cabo Jorge e Carlinhos.
    

Leônico  3x2  Bahia 


     No segundo jogo da rodada, o Leônico surpreendeu o Bahia, vencendo por 3x2. Os gols foram marcados por Bolinha de pênalti para o Leônico, Mário empatou para o Bahia, Martinho desempatou fazendo 2x1 para o tricolor baiano,o  Leônico  empatou  e virou  a partida com os gols  de Hélio e Paulo, terminando a partida em 3x2 para o Leônico.
     O Bahia perdeu com: Cabalero, Hélio, Henrique, Florisvaldo, Nilsinho e Gonzaga. Marinho, Agnaldo, Hamilton, Mário e Biriba. Ficaram ausentes desse jogo Vadú e Roberto Rebouças.
     Leônico jogou com:  Pompéia, Antonio, Joceval, Cosme, Bolinha e Biguá, Hélio, Cacau, Léo, Careca e Miltinho. Bau entrou no decorrer da partida. O juiz (ou  árbitro)  foi Valter Gonçalves. Bandeiras: Souza Gomes e Mário Monteiro.

3ª Rodada Leônico Campeão (3/5/1963)

     Nessa sexta-feira do dia 3/5/1963, aconteceu à Terceira Rodada,a última do Quadrangular Governador Lomanto Júnior, na Fonte Nova, Leônico e Galícia/ Bahia e Vitória. No primeiro jogo, o Leônico derrotou o Galícia por 2x1, marcando Cacau e Léo para o Leônico e Silvio Mário para o Galícia. As duas equipes atuaram com os seguintes jogadores:
Leônico: Pompéia, Antonio, Joceval, Biguá, Cosme e Bolinha. Paulo, Cacau, Léo, Careca e Hélio. Galícia: Beto, Djair, Cloves, Nildo, Silvio Mário e Frank. Vadinho, Léo (Sabino), Geraldo, Raul e Servilho.
     O juiz foi Cavalcante de Brito.  Bandeiras; Maltez Leone e Peixoto Nova.. 
    

Bahia 0x0  Vitória


     No outro jogo da rodada, no clássico do futebol baiano, Bahia e Vitória empataram em 0x0, resultado que afastaram as duas equipes da conquista do Quadrangular, as duas  equipes não quiseram cobrar as penalidades previstas no regulamento do Quadrangular, uma das duas equipes teria que obter um resultado. A divisão  das rendas foi da seguinte maneira: Vencedor levou 40% da renda líquida e 20% para os demais times perdedores.

Ipiranga  Campeão  do  Torneio  Início

(06/05/1963)

     O  Ipiranga  conquistou  de maneira  brilhante  o Torneio  Inicio de  1963,  ao  disputar  com  o Botafogo,  duas  serie  de  cobranças  de  penalidade,  no  jogo  final  do  Torneio  Inicio,  vencendo  por  5x4,  cobrando  o  jogador  Josias  para  o  Ipiranga  e  Amor  para  o Botafogo.

Os  Jogos  do  Torneio  Início


     No  primeiro  jogo  entre  São Cristovão  e Vitória, terminou  em  0x0,  nas  cobranças  de  pênaltis,  venceu  o  Vitória  por  2x1.  Zé  Porto bateu  e  só  converteu  1  das  5  cobranças.  Pelo  Vitória  bateu  Touro  foi mais  feliz  e  converteu  2  pênaltis,  vencendo  o  Vitória  2x1.
     O  Vitória  jogou  e  venceu  com:  Wilson,  Kleber,  Medrado,  Touro  e  Nelinho,  Laranjeiras,  Edmundo,  Reginaldo,  Arthur  Lima,  Roberto  II  e  Carlinhos.  São  Cristovão com  Wilson,  Carlão  e Carlos.  Rai,  Gildo  e  Israel.  Zé  Porto,  Bira,  Edinho,  Adulce  e  Raimundinho.  O  juiz  foi  Sr. Mário  Monteiro.

2º  Jogo  Fluminense  0x0 Leonico
    
     No  tempo  normal  de  20  minutos,  sendo  10 de cada  lado  houve  empate  de 0x0. Nas cobranças de  pênaltis,  na  primeira  serie  5x5 e  na  segunda  serie,venceu  o  Leonico  venceu  por  5x3.  Bolinha cobrou  para  o  Leôncio  e Francisquinho  para  o  Flu de  feira.
     Leôncio  eliminou  o  Flu com:  Pompéia, Joceval,  Antonio,  Biguá  e Cosme.  Bolinha,  Careca, Benício,  Bel,  Léo  e hélio.  O Fluminense  jogou  com  mundinho  o  goleiro, Francisquinho,  Misael,  Minoso  e o  Chinês, Val,  Carlinhos,  Targino,  Almeida,  Vavá  e Macalé.  O  juiz  desse  jogo  foi  Válter  Gonçalves.

3º jogo  Galícia 0x1  Botafogo

    Nesse  jogo  debaixo de muita  chuva,  Machado  fez  o  gol  da Vitória,  sendo  o Galícia eliminado  pelo  Botafogo.  Juiz  foi  Maltez Leone  e  as  duas  equipes  jogaram  com a seguinte  formação:
     Botafogo com Geovani,  Kidú, Amor, Daniel, Negrita e Vidal.  No  ataque com Joelzinho,  Tango, , Machado,  Alfredo  e  Alonso.  O  Galícia  foi  eliminado  do  torneio  com  Beto,  Djair,  Clóvis,  Silvio  Mário,  Nildo  e Frank.  Servilho,  Mário Felipe (apelido Onça),  Vadinho,  Raul e Nélson  (não  foi   Nélson  Leal,  este    assinou  contrato  com  o  Galícia  em    setembro   de  1964).

4º  Jogo  Ipiranga 1x0  Guarani
   
      O  Ipiranga  venceu  o  Guarani  por  1x0, no  tempo  normal  do  jogo do  Torneio  Inicio,  o  gol  foi marcado  por  Porôba e  Pão  jogador  do  time  do  Guarani, expulso  da  partida.  O juíz  foi  Peixoto  Nova. Guarani  com Bida,  Gérson, Ênio,  Poá, Talado  e  Agnaldo.  Zequinha,  Zeca,  Alcides, Valdecir e Amarelinho. Ipiranga com Toninho: Zé Oto e Teixeira.  Enaldo,  Josias,  Agnaldo,  Parará,  Porôba,  Vavazinho,  João e  Valdir.

5º  Jogo  Bahia  0x0 Vitória

     No  tempo  normal  de  jogo,  do  torneio  Inicio,  houve  empate  de 0x0,  nas  cobranças  de pênaltis,  venceu  o  Bahia  por  5x3,  sendo  o  abatedor  do  Bahia,  Gonzaga  e do Vitória, touro.  Juiz  foi  Mário Monteiro. O Bahia  eliminou  o  Vitória  do  Torneio  jogando  com  João,  hélio  e  Henrique.  Nei, Gonzaga.  Caneta,  Osmar,  Biriba,  Gil,  Mario  e  Zagalo.  O  Vitória  atuou  com  o mesmo  time  com  a  inclusão  de  Dalmar  e  Cabo  Jorge.

6º  Jogo  Leônico  0x0 Botafogo

     Nesse  jogo  houve  empate  no  tempo  normal  do Torneio,  sendo  necessário  decidir  nas  cobranças  de pênaltis.  Vencendo  o Botafogo  por 5x4,  numa  cobrança  acirrada,  batendo  Amor  para  o Botafogo  e  Bolinha  para  o  time  do  Leôncio.  Nesse  jogo  foi  expulso  Joceval do Leôncio  e  o  juiz  foi  Cavalcante  de  Brito. As  equipes  do  Leôncio  e  do Botafogo,  atuaram  com  os  mesmos  jogadores  dos  jogos  anteriores.

7º  Jogo  Ipiranga  0x0  Vitória

     No tempo  normal  de  jogo  do  Torneio  houve  empate  de 0x0.  as  cobranças  de penalidade,  Josias  do  Ipiranga  e  Touro  pelo  Vitória, foram  os  encarregados  das  cobranças. Na  primeira  serie,  cobranças  de pênaltis  houve  empate  de  5x5  e na segunda  série, o  Ipiranga  venceu  por  4x2,  eliminado  o Vitória  e  dando  um  passo  decisivo  para  conquistar  o  Tornei  Inicio  de  1963.  O  juiz  foi  Márcio  Monteiro  e as equipes  foram  formadas  com  os  mesmos  jogadores  dos  jogos  anteriores.

8º  Jogo  a  Decisão  Ipiranga  Campeão

     Ipiranga  e Botafogo fizeram    final  do  torneio,  com  muita  chuva,  com  o  gramado  encharcado.  No  tempo  normal  de 60  minutos,  houve  empate  de  1x1,  marcando  Machado  para  o  Botafogo  e  Josias  para  o  Ipiranga.
     Na prorrogação  de  30  minutos, sendo  15  de  cada  lado,  continuou  o  mesmo  escore  de  1x1.  Nas  cobranças  de  pênaltis,  na  primeira  serie  foi  de 3x3  e na  segunda  serie,  O  Ipiranga  venceu  por  5x4,  sagrando-se o  campeão  do  Torneio  Inicio  de  1963,  com  mérito.
     Os  batedores  foram  amor  pelo  Botafogo  e  Josias  pelo  Ipiranga.  Os  destaques  nas  décadas  que  se  revelaram  como  excelentes  batedores  de  pênaltis no  Torneio  Inicio  foram:  Josias  (o melhor),  Amor,  Touro  e Bolinha.  O juiz  da  final  Torneio  foi  Cavalcante  de Brito.
     Ipiranga  e Botafogo  relembraram  o  velho  clássico  do  futebol  da  Bahia  nas  décadas  de 1920 e 1930,  quando  ambos  foram campeões.  O  time    do Ipiranga  foi  campeão  nos  anos  de  1920/21,  1925/29  e  na  década de  1930,  nos anos  de  1932  e  1939. O Botafogo,  campeão  1919/20  e ainda nos  anos de  1922/23  e  também  no  de  1930,  nos  anos  de  1935  e 1938.  O  ultimo  titulo  do  time  do Ipiranga,  foi  no ano  de  1952,  no Campo  da  Graça  diante  do Vitória  empatou  de 1x1  e  ficou  com  o  campeonato  de  1951.

Leônico 2x2 Galícia (20/5/1963)

     Galícia e Leônico empataram em 2x2 em jogo válido pelo campeonato baiano de profissionais, em jogo realizado na Fonte Nova. O time Galego realizou um excelente jogo até os 25 min do 1º tempo, caindo de produção devido ao estado pesado do gamado.
     No 1º tempo, vencia o Galícia por 2x1 com Onça e Lai marcando para o Galícia e Bolinha marcando para o Leônico. No 2º tempo, o jogador Paulo empatou a partida. Os atacantes do Galícia perderam várias chances de aumentar o placar, desperdiçando os lances perigosos.
     O juiz foi Clinamulte Vieira França, sendo os bandeiras Monteiro e Peixoto Nova. A  renda foi pouco mais de 120 mil cruzeiros. Na preliminar pelo campeonato de Aspirantes venceu o Leônico por 4x2,, no apito central foi Edgar Calazans, sendo os bandeiras Pedro Biás e José Matos.
     O Galícia atuou com: Beto, Djair, Cloves, Nildo, Silvio Mário e Frank. Vadinho, Onça, Lai, Raul e Servilho.
     O Leônico jogou com: Pompéia, Antonio, Joceval, Biguá, Bolinhas, Cosme e Paulo. Cacau, Léo, Careca e Hélio.  A renda deu prejuízo ao Galícia, que concentrou por 2 dias e gastou com concentração e bichos, 70 mil cruzeiros.  O jogo teve validade pelo 1º turno.
    
Galícia 1x1 Botafogo (23/5/1963)

     Nesse jogo houve empate em 1x1, em jogo realizado na Fonte Nova, pela noite, Ricardo abriu o placar para o Botafogo e Onça empatou o jogo para o Galícia. O Juiz da partida foi Souza Gomes.   
     O Galícia jogou com: Beto, Djari, Cloves, Nildo, Silvio Mário e Frank, Vadinho, Onça, Lai, Raul e Servilho. Botafogo: Geovani, Kidú, Da Silva, Amorim, Alencar e Amor. Nilo, Alfredo, Machado , Negrita e Ricardo. Amorim  jogou  com  Frank  no  Confiança  de  Sergipe,  depois  da  metade   da  década   de  1965.
    
Fluminense 3x0 Galícia (29/5/1963)

     Esse jogo foi realizado à  noite debaixo de  muita  chuva, o  Flu de Feira venceu por 3x0 o Galícia com os gols de Almeida, Renato e Francisquinho, este marcando o gol de pênalti, fechando o placar na Fonte Nova, jogo válido pelo 1º turno do Campeonato Baiano de 1963.
     O juiz foi Clinamulte França. Bandeiras: Peixoto Nova e Cavalcante de Brito. A renda da  partida foi de 159 mil e 830 cruzeiros (prejudicado pela chuva).
     O Flu de Feira  jogou com:  Mundinho (pai de Júnior Baiano   ex-Flamengo São  Paulo Seleção Brasileira), Misael, Francisquinho, Val, Minoso e Chinês. Ava, Renato, Targino, Almeida e Canhoto.
     O Galícia do técnico Vassil Barboosa, jogou com: Beto, Djair, Cloves, Nildo, Silvio  Mário e Frank. Vadinho, Onça, Lai, Raul e Nelson. Na  preliminar  da  partida   principal  aconteceu  o  empate  de  1x1  entre  aspirantes   de  Fluminense  e  Galícia. O  Árbitro  Ranulfo Trindade.

Galícia 4x1 Guarani  (19/06/1963)

    O Galícia  venceu  o  Guarani  por  4x1,  em jogo  valido  pelo  1º  turno  do  campeonato Baiano,  jogo  na Fonte Nova.  Depois  de  dois  empates  e  uma  derrota,  o  Galícia  fez  as  pazes  com  o  Vitória. O juiz  foi  José  de Souza  Gomes  e no  primeiro  tempo  o  galícia  já  vencia  por  2x1, marcando  Vadinho  de  cabeça  e  Raul,  Amarelinho  fez  o  gol  do  Guarani,  no  primeiro  tempo.  No segundo  tempo  Vadinho  marcou  para  o Galícia  mais  2  gol, fechando  o  placar.
     O Galícia  venceu  com  Beto,  Djair,  Clóvis,  Nildo, Silvio Mário  e  Frank.  Vadinho, Onça, Lai  Raul  e Geraldo. Guarani com  Bida,  Gerson,  Enio,  Valmir,  Talado, Agnaldo, Zequinha, Zeca,  Alcides, Valdecir  e  Amarelinho.
     Na preliminar  o  Galícia  venceu  por  3x2,  juiz  foi  Osvaldo  Gomes Machado  e  os  bandeiras  do  jogo  profissional  foram  Mário  Monteiro  e  Cavalcante  de Brito.  O  técnico  do  Guarani  foi  Sotero  Monteiro  e  o  presidente  José  Cândido.

Vitória  3x1  Galícia

 

     O  Galícia  foi  derrotado  pelo Vitória  pelo placar  de 3x1,  os  três  gols  do Vitória  foram  marcados  por  Arthur  Lima  2  e  Didico  1.  O  gol  do  Galícia  foi  marcado  por  Raul.  Frank  foi  desataque no Galícia.
     Galícia  jogou  com  Beto,  Djair,  Clóvis, Nildo,  Silvio  Mário  e  Frank. Vadinho,  Onça,  Lai,  Raul e Geraldo. O Vitória  venceu  com os  seguintes  jogadores:  Wilson,  Tinho,  Romenil, Santana, Nelinho e Touro; Reginaldo, Arthur Lima, Didico, Cabo  Jorge e  Carlinhos.
     Beto,  Clóvis,  Nildo e  Silvio  Mário,  no  2º  tempo  não  jogaram  bem,  a  Vitória  do rubro Negro  baiano  da  partida  foi  alcançada  no segundo  tempo  O  ataque  do  Galícia  no segundo  tempo  da partida  não  esteve bem,  a  defesa  do Vitória  dominou esse  ataque  do Galícia. O  jogo  foi valido  pelo,  campeonato  baiano  no s eu  1º  turno.
    O árbitro  foi  Maltez  Leone,  auxiliares  Mario  Monteiro  e Edgar  Calazans.  O  gol  de  Raul  foi  marcado  de  pênalti,  empatando  o  jogo  em  1x1  (Nelinho  tocou  a mão  na bola), todos  os  gols foi marcados  no  2º  tempo  da  partida.
     Na preliminar  Galícia  1x1 Vitória,  marcando  Wilson  (Galícia) e  para o Vitória  Sérgio. (Jornal Diário  de Noticias, 20/06/1963).

Galícia  3x0  Grêmio  de  Alagoinhas (02/07/1963)

     No  dia  2  de  julho  de  1963,  o Galícia  jogando  em Alagoinhas,  em  um  amistoso,  em  comemoração  aos  festejos  de  2  de  julho,  venceu  o  bom  time  do  Grêmio  local,  pelo  placar  de 3x0.
     O juiz  da  partida  foi Osvaldo  Gomes  Machado  (boa  atuação)  e  o  Galícia  jogaram e venceram  com  Aloísio,  Frank (Djair),  Clóvis,  Barbosa e Silvio  Mário, Nildo  Onça,  Vassil,  Geraldo,  Raul e Egídio.  O  time  do  Grêmio  teve  no  goleiro  Elegante  o s eu  melhor  jogador. A  renda  foi  um pouco  mais  de  100 mil  cruzeiros,  o  Galícia  jogou,  desfalcando  de Lai  e Vadinho.  Onça  e Egídio,este  marcando  gol  olímpico  cobrando  escanteio,  Geraldo  também  marcou  um  gol. 
  
Galícia  1x3  Guarani  (07/63)

    No  mês  de  setembro  o Galícia  realizou  dois  amistosos  preparativos  para  o  returno  do  campeonato  baiano  de 1963. O Guarani  venceu  com  Pestana,  Francisquinho,  Gerson,  José  Maria  e  Mauri  I. Adilson, Zeca,   Brandão,  Mauri II e  Adilson II
     O Galícia  perdeu com  José,  Djair,  Lacoura,  Nildo  e  Frank.  Jorge  Bassu, Jorge  de  Pinho,  Raul, Vadinho,  Lai e  Geraldo.  O   juiz  foi  o  sr.  Clinamulte  França,  bandeiras  Cavalcante  d  Brito  e  José  Souza  Gomes  e  a  renda  somou  30  mil  cruzeiros. O  jogo  foi  realizado  na fonte Nova,  Lai  ex-atacante  do Flu  de  Feira  de Santana, foi  contratado  pelo  Galícia,  disputando  o campeonato  de  1963.

Galícia  Campeão  do  Quadrangular

  Padre  Palmeira ( 30/08/1963)

     O  Galícia  foi  campeão  do  Quadrangular  Padre Luiz Palmeira,  que  foi  realizado  no  período  de  22  a  30  de  agosto  de  1963,  na Fonte Nova.  Participaram  do Quadrangular:  Bahia,  Vitória,  Leôncio  e  Galícia.

Os  Jogos  do  Quadrangular


     Na  primeira  rodada,  realizada  no  dia  22/08,  uma  quinta  feira  a  noite  na Fonte  Nova,  jogaram  Leôncio  e Vitória,  Bahia  e  Galícia.  A segunda  rodada  foi  realizada  num  domingo  dia  25/08/ e a ultima  rodada no  dia  30/08, uma  sexta  feira.

Primeira  Rodada


     O Leôncio  venceu  o Vitória  pelo  placar  de  1x0,  gol  marcado  pelo  atacante  Léo  aos  31  minutos  do  primeiro  tempo.  O Vitória  jogou  com:  Wilson, Santana (Tinho),  Medrado, Nelinho,  Touro.  Fontoura,  Cabo  Jorge,  Arthur (Sergio),  Didico  (Jackson),  Roberto  Maynart  e Reginaldo.

     Leôncio  Jair,  Antonio,  Joceval,  Biguá  e  Bel.  Bolinha  e  Careca. Cal,  Léo,  Vadú,  Hélio  depois  Juca.  Juiz  foi  Mário  Monteiro,  Bandeiras  Peixoto e  Maltez  Leone. No  segundo  jogo  da  primeira  rodada  o  Bahia  perdeu  para  o  Galícia  por  2x1.  Marcando  para  o Bahia  Miro,  no segundo  tempo.  O  Galícia  o  seu  primeiro  gol  aos  9  minutos  do 1º  tempo, através  de Vadinho  e  Jorge  Bassú,  ampliou  para  2x0,  no segundo  tempo.

     O  Galícia  venceu  o  Bahia  com:  Aloísio,  Djair,  Onça,  Nildo,  Frank e  Silvio  Mário.  Jorge  de  Pinho,  Vadinho,  Lai  (Bassú),  Raul,  Geraldo. Bahia  perdeu com:  Nadinho,  Veveca,  Diógenes  depois  Bronzeado,  Roberto  Rebouças,  Henrique  e  Florisvaldo.  Biriba, Miro, Hamilton,  Mario  e  Orlando, entrando  ainda  Helinho  no  lugar  de  Hamilton.

Segunda   Rodada


     A  segunda  rodada  foi  realizada  num  domingo,  dia  25/08/1963,  no  primeiro  jogo,  Galícia  1x1  Leôncio, marcando  Raul  para  o  Galícia  aos  43  minutos  do  1º  tempo. Léo  empatou  no  segundo  tempo,  marcando gol do  Leôncio.
     A  renda  foi  de 484  mil  e  600  cruzeiros. O  juiz  foi  José  Peixoto,  Bandeiras:  Cavalcante  de  Brito  e  Otávio  Neves  de  Jesus.
     O Galícia    empatou  a  partida  com:   Aloísio,  Djair, Onça, Nildo e Frank.  No  meio  de  campo  Silvio  Mário e  Raul.  Jorge  de  pinho, (lai),  Vadinho  e  Jorge  Queiróz,  Geraldo  (Nélson). Leônico  com  Zé Carlos,  Antonio,  Joceval,  Biguá,  Bel,  Bolinha  e  Cacau.  Juca,  Naldo,  Léo  e  Hélio.
    

Vitória  1x0  Bahia


     No jogo  do  fundo  da Segunda  Rodada  do  Quadrangular,  aconteceu    no  clássico  maior  do  Norte  e  Nordeste, Vitória  1x0  Bahia,  se    recuperando  o  Rubro  Negro  da  derrota  sofrida  diante  do  Leônico  no  jogo  de  estréia  do  Torneio  Quadrangular  Padre  Luiz Palmeira.

     O  gol  do  Vitória  foi marcado  por  Roberto  Maynart,  no  primeiro  tempo  da  partida,  principal  do  Torneio   Quadrangular,  se  o  Bahia   vencesse a  partida   daria  um grande  passo  para  conquistar  O  torneio.  A  Vitória  do  Rubro  Negro  baiano,  o  colocou  na  disputa  do  referido  Torneio  e  os  torcedores  do  Vitória,  vibraram  bastante  com  o  triunfo  sobre  o  seu  tradicional  rival.

Terceira  Rodada,  Galícia  Campeão  do  Torneio


     Na  terceira  rodada  do  torneio  Quadrangular  Padre  Luiz Palmeira,  o  Galícia  foi  o  grande campeão  ao  empatar  de  0x0  com  o  Vitória  e  com  a  derrota  do  Leôncio  para  o  Bahia  por  2x1,  sendo  o Galícia  beneficiado  com  a  vitória  do Bahia. O  Vitória  jogou  diante  do  Galícia  com:  Wilson,  Tinho (Romenil),  Touro,  Fontoura  e Nelinho.  Arthur  Lima,  Roberto  (Sergio),  Didico  e  mais  Cabo  Jorge  e  Reginaldo.

     O  time  da  Colônia Espanhola,  o  Galícia  foi  campeão  com:  Alísio  Djair,  Onça,  Nildo,  Silvio Mário  e Frank.  Jorge  de  Pinho,  Vadinho  e  Jorge  Bassú (lai) ,  Raul,  Geraldo  depois  Servilho.  O   técnico foi  o  jogador,  Vassil  Barbosa.
     O juiz  do  jogo  foi Mário  Monteiro,  bandeiras:  Cavalcante  Brito  e  Otavio Neves  de  Jesus.  Renda  de  247.600,00  cruzeiros  e  a  classificação  final  do torneio  Quadrangular  padre  Palmeira,  foi  a  seguinte:

Classificação  do  Torneio   Quadrangular


     Galícia  campeão  do  Quadrangular Padre  Palmeiras,  ficou  com  2 pontos  perdidos, Vitória  foi  o  vice-campeão  com  3  pontos perdidos,  Bahia  e  Leônico  empatados  com  4  pontos  perdidos.
     Foi  um Torneio  Quadrangular  cheio  de  atrativos  e  muito  equilibrado,  o  Torneio  fez  uma  homenagem  ao  Padre Luiz Palmeira ,  Secretario  da  Educação  e  Cultura,  no  governo  Lomanto  Junior  (Adm 07/04/1963  a 07/04/1967).
     No  final  dos  jogos  nessa  terceira  e  ultima  rodada,  jogadores,  técnico,  diretória  e  torcedores  do Galícia,  comemoram  no  Estádio  essa  grande  conquista,  principalmente  por  fazerem  parte  do  torneio  os  times  de  maior  torcida  no  Estado,  Bahia  e Vitória.
(Jornal  Diário  de  Notícias 08/04/196.

Galícia 1x3  Seleção  de Alagoinhas  (15/09/1963)

     A Seleção  de Alagoinhas  derrotou  o galícia,  no  amistoso  revanche,  pelo  placar  de 3x1. No  primeiro  tempo  houve  empate de 0x0  e a vitória  da Seleção  de  Alagoinhas  veio  no  segundo  tempo.
    O gol  do  Galícia  foi  marcado  por  Frank e o Galícia  jogou  com os seguintes jogadores:  Aloísio,  Djair, Onça, Nildo, Frank  e  Silvio Mário. Jorge de Pinho, Lai (Raul),  Barbosinha,  Geraldo  e Servilho.  A  renda  foi  excelente,  somando  150  mil  cruzeiros,  com  um  grande  publico  pagante (O Estádio  Carneirão  só foi  inaugurado  na  década  de  1970).
     A  formação  da  Seleção  de Alagoinhas não  foi  divulgada  na  reportagem  realizada  pelo o  Jornal Diário  de  Noticias,16/09/1963.

Bahia 2x1 Galícia (22/9/1963)

     O Bahia venceu o Galícia em jogo válido pelo returno do campeonato baiano de 1963. O placar foi de 2x1, num jogo bem disputado. O 1º tempo foi de 1x1, marcando Raimundinho (cearense) para o Bahia e Silvio Mário para o Galícia.
     O zagueiro Mário Felipe (Onça) contundiu-se no 1º tempo e saiu do jogo. No 2º tempo, Raimundinho aos 39 min, marcou o gol da vitória do Bahia.Raul perdeu a chance de empatar o jogo, ao perder uma penalidade defendida pelo goleiro Nadinho.
     Frank, Vadinho e Silvio Mário reuniam as melhores condições para a cobrança do pênalti, mas a ordem era para Raul fazer a cobrança. O juiz da partida foi Valter Gonçalves, auxiliares Cavalcante de Brito e Mário Monteiro.
     A renda foi de 1 milhão, 604 mil e 500 cruzeiros, para um público de 6.857 pessoas que pagaram ingressos.
     O Galícia perdeu com: Aloísio, Djair, Onça, Nildo, Sílvio Mário e Frank. Jorge de Pinho, Vadinho, Bassú, Raul e Geraldo.
     O Bahia venceu com: Nadinho, Hélio, Henrique, Roberto Rebouças e Nilson. Ivan, Valença, Orlando, Raimundinho, Mário e Biriba.
     O lateral esquerda  Boquinha foi rebaixado para o Aspirante que jogou na preliminar de Galícia e Bahia (Profissionais), a fim de recuperar a sua forma física e técnica para voltar ao quadro do Galícia  de profissionais.  Jornal Diário de Notícias, 23/09/1963

Amistoso  Galícia  0x0 Vitória (Domingo 3/4/1964)


     O Vitória empatou com Ouri, Bartola, Nelinho, Touro, Kleber (Edmundo) Fernando (Cabo Jorge), Jackson, Arthur Lima (Evailton), Didico e Reginaldo.
     O Galícia atuou com:  Geovane, Djair, Zé Oto, Cloves e Boquinha, Frank, Silvio Mário, Raul, Reinaldo, Zeca (Zé do Porto), Bassú, Geraldo depois Nelson  (não  é    Nelson  Leal).
     A renda foi de 414 mil cruzeiros, com mais de mil torcedores, presentes na Fonte Nova. O Juiz foi Clinamulte Vieira França.  Bandeiras: foram Osvaldo Gomes Machado e Valter Gonçalves. Frank nesse jogo, teve uma boa atuação.
    

Galícia 2x3 Associação  Desportiva Leônico (Amistoso, 10/4/1964)


     O Galícia em mais um amistoso, foi derrotado pelo Leônico pelo placar de 3x2, na Fonte Nova. No 1º tempo o Leônico venceu por 2x0 e os gols foram marcados por Hélio e Careca. No 2º tempo o Leônico marcou mais um gol, através do meio campista Bolinha. Para o Galícia, Jorge Bassú marcou aos 33 min de pênalti e novamente Jorge Bassú aos 43 min fez o segundo gol.
     O Juiz foi Clinamulte França, renda de 448 mil cruzeiros e as duas equipes atuaram da seguinte maneira: Galícia -  Pita, Djair, Mário Felipe, Cloves e Augusto. Silvio Mário, Raul, Enaldo, Zé do Porto, Jorge  Bassú e Geraldo.  Leônico – Jair, Bel, Joseval, Bigú e Comes Grande. Bolinha e Careca. Miltinho, Hélio, Cacau e Juca. Nesse jogo Frank  não jogou.

Galícia 1x2 Centro  Sportivo  Alagoano (Amistoso 20/4/1964)

     Amistoso do Galícia em gramados alagoanos, sendo esse o 1º jogo realizado no Estádio do Mutange (ainda não havia sido o Estádio Rei Pelé). No 1º tempo 0x0 e no 2º tempo o CSA marcou os 2 gols, com Paulo César e Roberto Meneses, para o Galícia marcou Jorge  Bassú. O juiz foi Agostinho Carrapeta.

Galícia 2x2 Centro  Sportivo Alagoano

(Amistoso 27/4//1964)

     No segundo amistoso em gramados alagoanos, o Galícia no jogo revanche empatou cem 2x2 com o  CSA - Centro Sportivo  Alagoano, o jogo foi no Estádio Mutange em Maceió. Após está perdendo por 2x1, o Galícia empatou o jogo, realizando uma boa partida.
     O Galícia jogou com Geovane, Frank (Djair), Mário Felipe, Mimi e Augusto. Silvio Mário e Raul. Jorge Bassú, Jorge de Pinho, Brandão e  Geraldo. CSA com: Gérson Chico, Rogério, Marinho, Zé Carlos e Charuto, Roberto Mendes, Flávio, Jair (Monte) e Dega

Amistoso  Galícia  0x0 Vitória

 (Domingo 3/4/1964)

     O Vitória empatou com Ouri, Bartola, Nelinho, Touro, Kleber (Edmundo) Fernando (Cabo Jorge), Jackson, Arthur Lima (Evailton), Didico e Reginaldo. O Galícia atuou com:  Geovani, Djair, Zé Oto, Cloves e Boquinha, Frank, Silvio Mário, Raul, Reinaldo, Zeca (Zé do Porto), Bassú, Geraldo depois Nelson  (não  é    Nelson  Leal).
     A renda foi de 414 mil cruzeiros, com mais de mil torcedores, presentes na Fonte Nova. O Juiz foi Clinamulte Vieira França.  Bandeiras: foram Osvaldo Gomes Machado e Valter Gonçalves. Frank nesse jogo, teve uma boa atuação. Diário de Notícias 04/04/1964.

Galícia  4x1  Botafogo 
Fonte  Nova   com 2° Anel de Arquibancada

     Algumas  semanas  após  a  reinauguração  da Fonte  Nova,  no  abril  de 1971, o Galícia  realizava  um  amistoso  contra  o Botafogo  da Bahia,  sendo  o  placar  do  jogo  amistoso,  4x1  para  o  Galícia. Os  goleadores  da  partida  foram: Marcílio  e Nélson  Leal,  ambos  os  jogadores  marcaram  dois  gols  cada.
    O  Galícia  venceu  com:  Mudinho, (George),  Roberto, Almir, Osório, Cacau e Quinha. Déri e Chiquinho.  Nélson Leal, (André  Catimba),  Marcílio,  Élcio  (Valtinho),  Milano.
    O Botafogo  com: Amauri, Cacau, (Vieira),  Cloves, Luiz Carlos, o  Elias, Cosme,  Zequinha e Luiz Alberto.  Valdemiro  (Felix), Lapinha, o Itabuna e Carlos Alberto  (Valter).
     Trio  de  Árbitros: Egberto  Nascimento  no  apito. Ismael Martin  e Alberico  Conceição. Estado da Bahia  abril  de  1971.. 

Fonte de Pesquisas:
    Jornal Diário de Notícias, terça-feira 5/9/1961. Jornal Estado da Bahia  na  sua  edição  do dia 6/03/1960. Jornal  Estado  da  Bahia, 04/05/196, Jornal  Estado  da  Bahia,  dia  27/04/1961,  uma  quinta feira. Jornal  Estado  da Bahia,  28/04/1961. 20/06/1960 Jornal Estado  da Bahia.  Jornal  Estado  da Bahia, 25/05/1962, Jornais Estado  da Bahia e  Diário  de  Noticias, 15/07/1963, Diário  de  Noticias. 07/12/1962. Jornal Diário  de Notícias,  10/08/1962.
Jornal A  Tarde, 16/08/1962, Jornal Estado  da Bahia, 21/03/1963. Jornal Diário de Noticias, 19/04/1963, Jornal Diário  de Noticias, 20/06/1963. Jornal  Diário  de  Notícias 08/04/196, Jornal Diário  de  Noticias,16/09/1963, Jornal Diário de Notícias, 23/09/1963,  Diário de Notícias 04/04/1964. Arquivo de  Chiquitinha Maravilha, entrevista  com Frank Chagas, entrevistas  om  jogadores contemporâneos  de Frank, testemunhal de  Chiquitinha em Aracaju  década  de  1960 e cidade  de   Mata  de São João/Ba.



Frank no Futebol Sergipano e Alagoano

ARQUIVOS DE ROBSON PORTO
/
De Minas Gerais, Frank Salles Chagas (Gudinha, apelido), foi para o futebol Sergipano a partir do  ano de 1965, onde jogou no Confiança até 1969, sendo campeão sergipano em 1965, vice em 1966, idem 1967, foi Campeão da Taça Rio São Francisco, disputados pelos times
campeões e vice de Sergipe e Alagoas, sendo também Frank campeão do Torneio Inicio de Sergipe, dentre outros títulos não citados.

CONFIANÇA DE SERGIPE 1965/68

O time azul e Branco do Confiança, fica sediado no Bairro Industrial, na cidade de Aracaju, Frank foi destaque nesse no futebol sergipano, onde atuava no meio campo, lateral direito.

FRANK 1º JOGADOR MATENSE NO PROFISSIONAL DA BAHIA

Frank Chagas, foi o primeiro jogador profissional, oriundo do futebol amador de Mata de São João, abrindo o mercado para que outros jogadores amadores, seguissem a carreira de jogador profissional, numa época em que a profissão era ainda pouco valorizada.



NASCIMENTO E MORTE DE FRANK

Frank Salles Chagas, nasceu em 11/08/1939, na Praça Barão Açu da Torre, centro, cidade de Mata de João João/Ba, faleceu  de câncer na pele), dia 18/01/2011, aos 72 anos em Aracaju cidade que residiu a partir de 1965, quando assinou contrato com o Confiança, time que jogou até o ano de 1968 ou 1969.

Frank foi sepultado emAracaju, pai de 5 filhos, 3 do sexo masculino dois do feminino, todos residentes em Aracaju/SE.



Frank no Futebol Sergipano e Alagoano

De Minas Gerais, Frank Salles Chagas (Gudinha, apelido), foi para o futebol Sergipano a partir do  ano de 1965, onde jogou no Confiança até 1969, sendo campeão sergipano em 1965, vice em 1966, idem 1967, foi Campeão da Taça Rio São Francisco, disputados pelos times
campeões e vice de Sergipe e Alagoas, sendo também Frank campeão do Tornio Inicio de Sergipe, dentre outros títulos não citados.

CONFIANÇA DE SERGIPE

O time azul e Branco do Confiança, fica sediado no Bairro Industrial, na cidade de Aracaju, Frank foi destaque nesse no futebol sergipano, onde atuava no meio campo, lateral direito.

FRANK 1º JOGADOR MATENSE NO PROFISSIONAL DA BAHIA

Frank Chagas, foi o primeiro jogador profissional, oriundo do futebol amador de Mata de São João, abrindo o mercado para que outros jogadores amadores, seguissem a carreira de jogador profissional, numa época em que a profissão era ainda pouco valorizada.


FRANK CAMPEÃO DO 1º TURNO DE SERGIPE 1966

CONFIANÇA CAMPEÃO DO PRIMEIRO TURNO

Frank pontificou na meia-cancha
Beto maior figura do ataque

Sem ostentar ainda o esplendor de sua forma técnica e tática, a equipe do Confiança realizou domingo no Estádio José Pequeno uma boa atuaçã o, isso depois de três derrotas consecutivas. Trazendo Frank para a meia-cancha, o treinador Juan Cely ganhou o jogo no intervalo do 1º para o 2º tempo. O triunfo de 4 x 1 sobre um Estanciano valente e até certo ponto violento, deu ao Confiança o cobiçado título de campeão do 1º turno.

BETO ABRE A CONTAGEM


Mandando em campo desde os primeiros minutos, fruto da tática extremamente defensiva do Estanciano, além de contar com um Frank esbanjando vigor e disciplina tática, o time proletário abria a contagem aos 15 minutos. Deslocado pela esquerda, corria Miro que fintando a Marcos cruzou para Beto que penetrando livre de marcação emendou de pé esquerdo, abrindo a contagem.

ALDEMÁRIO AJUDA NO EMPATE


 Aos 32 minutos, com a ajuda do árbitro Aldemário Costa, o Estanciano empata o encontro, quando Gorgulho chutou de longe, indo a bola morrer no angulo direito da meta do arqueiro Lima, que parou à espera de que fosse marcado um impedimento clamoroso de Lucio, bandeirado por Vitorino Santos e não confirmado pelo juiz.

GOLEADO NO TEMPO DERRADEIRO


Melhor estruturado em termos de ofensiva. com Almir e Motinha abertos pelas extremas, enquanto Beto e Miro tomavam conta da grande área, pôde o Confiança predominar na cancha, inclusive com Frank anulando o trabalho de Brígido. Apavorou-se a retaguarda Canarinha, tanto mais que durante os 15 minutos iniciais do 2º tempo, jogou desfalcada de Mario, contundido num choque com o atacante Miro.

NANINHO DESAFOGA


Aos 45 minutos, caindo pela esquerda, Naninho arremata de curva, vencendo a meta canarinha, ajudado pelo frango do goleito Batista.


BETO AMPLIA


Somente aos 34 minutos da etapa derradeira, ainda dono do campo, o time proletário consegue o seu terceiro gol através de Beto penetrando nas costas de Marcos que falhou clamorosamente. A vitória do Dragão estava concretizada.

MOTINHA DESPACHA O ESTANCIANO

Estávamos a cinco minutos do final da peleja quando Motinha com raça e oportunismo, se aproveitando de nova falha do zagueiro Marcos, encerra a contagem no José Pequeno, dando as cifras de 4 x 1, a grande vitória do Confiança.


DETALHES E RENDA


Jogo: Confiança 4 x 1 Estanciano. Tentos de Beto (2), Naninho e Motinha para o Dragão e Gorgulho para o Estanciano. Entre os proletários a produção foi uniforme, justo porém que o nome de Frank seja destacado como o maior homem em campo. No canarinho Joel, Lucio e Brígido despontaram como os melhores. Renda de CR$ 276.800.

EQUIPES: CONFIANÇA - Lima, Edgar, Murilo, Alfeu e Olímpio; Frank e Naninho; Almir, Beto, Miro e Motinha.


ESTANCIANO: Batista, Carlos I, Marcos, Mario e Joel; Carlos II (Abel) e Brígido; Gorgulho, Gil (Carlos III), Lucio e Mí.


ARBITRAGEM: Por sorteio, dirigiu o encontro o apitador Aldemário Costa. Confuso, truncando as faltas, dúbio e sem autoridade para coibir a violência de alguns craques canarinhos, seu maior erro foi não marcar um penalti escandaloso de Mario sobre Miro. N as bandeirinhas funcionaram com acerto João Carlos Smith e Vitorino Santos


ARQUIVO DE ROBSON PORTO

FOTO DE MARCOS PRADO

FRANK NO CONFIANÇA NA TAÇA BRASIL / 4/1966

07/04/09


GAZETA DE SERGIPE Aracaju, 05.07.1966

DOS ARQUIVOS DE ROBSON PORTO

CONFIANÇA VENCEU O "Treze" POR 4 X 2


Encerrando a temporada em gramados paraibanos, por sinal invicta, o Confiança aplicou 4 x 2 no " 13 de Campina", da cidade de Campina Grande, em jogo de desempate.

Os tentos do Confiança foram marcados por Motinha (2), Miro e Beto, enquanto Soares e Lima, este de penalte, marcaram os tentos do vice campeão paraibano.
O Confiança venceu com: Lima, Frank, Edgar, Murilo e Amorim (Bel); Helio Abacate e Jurandir; Bel (Almir), Miro, Beto e Motinha.

GAZETA DE SERGIPE Aracaju, 08.07.1966

CONFIANÇA NA TAÇA BRASIL

Depois dos acôrdos feitos na surdina pelos clubes e pelas entidades de Sergipe e de Alagoas, o Confiança estreará domingo na 8ª Taça Brasil, enfrentando no Mutange o seu tradicional adversário - C.S.A.

JUAN CELLY CONFIANTE


Vindo de boas jornadas em plagas da Paraíba, quando a equipe demonstrou grande poder de recuperação depois de perder de 4 x 0 para o C.R.B., o técnico Juan Celly está tranquilo e confiante num grande triunfo Domingo.

CRAQUES PASSAM BEM


Não há problemas de ordem física no plantel proletário, à exceção de Amorim, que em termos técnicos ainda não voltou à sua antiga e melhor forma, devendo continuar Alfeu na zaga esquerda. A meia-cancha volta a ser defendida por Jurandir e Helio Abacate, este agora mais compenetrado de que o futebol é para a frente e não para os lados, daí terem subido de produção.


VIAJA AMANHÃ


Em onibus especial a delegação do Confiança segue amanhã para Maceió, possibilitando assim um melhor repouso dos atletas. Em Maceió , o Dragão deverá ficar hospedado no Hotel Magestic, na rua do Comercio.

GAZETA DE SERGIPE Aracaju, 12.07.1966


CONFIANÇA CONTINUA PERDENDO EM MACEIÓ


Foi aberta domingo na Pajuçara a 8ª Taça Brasil, numa peleja que colocou frente à frente os campeões de Sergipe e Alagoas - CONFIANÇA E CENTRO SPORTIVO ALAGOANO. O Dragão sergipano, lider do campeonato, vindo de jornadas invictas na Paraiba, surgia aos nossos olhos com grandes possibilidades de triunfo. Atuaria completo. Do outro lado, um C.S.A. em grande forma, ainda que vice-líder do campeonato alagoano, a um ponto do Capelense.

OTIMISMO EXAGERADO


Mais uma vez encontramos em Maceió um clima de exagerado otimismo em torno da vitória do time marujo. Todos os jornais e emissoras de Maceió alardeavam o favoritismo dos companheiros de Tonho
Lima. O Confiança era tido apena s como um adversário perigoso.


FAVORITISMO CONFIRMADO


E o que se viu nos noventa minutos da peleja foi o CSA dar um passeio dentro de campo, exigindo até que a sua torcida exigisse do time mais empenho na obtençao dos gols. O CSA em que pese sua maquina bem ajustada, carece de mais penetração no ataque. Falta o chamado homem gol, porque de resto Bosco ainda não é um Arcanjo.

CONFIANÇA DEFENSIVOA partir dos 10 minutos, o que se viu no jogo, foi o Confiança apenas se defender. Apenas defesa. A meia-cancha perdida, impotente de sobrepujar os craques Paulo Nylon e Erick, auxiliados por Tonho Lima num perfeito e bem sincronizado 4 - 3 - 3.



RATINHO ABRE A CONTAGEM


Aos 33 minutos do 1º tempo, aproveitando-se de um descuido momentâneo de Alfeu, o extrema Ratinho apanhou isolado um centro da esquerda, caminhou um pouco e fuzilou o arqueiro Lima. CSA 1 x 0. Daí a instantes, o mesmo Ratinho em jogada similar à do gol, mandou a bola na trave com momentosa cabeçada.

2º TEMPO INEXPRESSIVO

Quem esperava a reação do Confiança no 2º tempo, ainda hoje está esperando. Os erros da etapa inicial continuaram. Apenas Frank, no desespero, procurou dar mais ajuda ao ataque. Nas suas costas, Canhoteiro e Erick manobravam facilmente.


CSA CONSOLIDA TRIUNFO


Tínhamos 37 minutos no tempo derradeiro quando nasceu o 2º gol do CSA. Na cobrança de um escanteio, Bosco ampliou a contagem. Estava selada a derrota do Confiança.


DETALHES DO ENCONTRO


Jogo: CSA 2 x O Confiança, tentos de Ratinho e Bosco. Arbitragem de João Carlos Smith, tendo nas bandeirinhas, Elson Ma

Foto publicada às 14:42



FRANK NO CONFIANÇA SERGIPE/ESTÁDIO SABINO RIBEIRO
24/04/09


GAZETA DE SERGIPE Aracaju, 04.08.1966
SABINO RIBEIRO VAI SER ILUMINADO

LÂMPADAS JÁ CHEGARAM - INAUGURAÇÃO AINDA ESTE ANO

Na galeria dos grandes presidentes da A. D. Confiança o nome do desportista Aerton Silva da Fonseca vai figurar como um dos maiores. Cartola da nova geração, ninguem haveria de admitir que Aerton na presidência do time proletário realizasse tanta coisa em benefício do seu clube.

SEDE FOI O INÍCIO

Sentindo que o Confiança precisava ter sua sede para reunir a família proletária, o atual presidente depois de muito trabalho, ajudado por abnegados dirigentes e adeptos do clube tais como, Manoel Gonçalves, Valquírio Correia Lima, Aristotelino Cruz, Humberto Rocha, Leôncio, Joubert Uchôa, Dr. Joaqim Ribeiro, pode o Confiança afinal inaugurar sua sede na Av. João Ribeiro, que inclusive representou grande economia quando das concentrações e local para hospedar clubes de fora, convidados pelo Dragão.

TÍTULOS CONQUISTADOS POR NO CONFIANÇA



Campeão de 65, campeão da II Copa S. Francisco, camnpeão do Torneio Início e já ganhador do 1º Turno do campeonato de 66, Aerton dedica especial carinho e zêlo administrativo ao setor do futebol profissional organizando um plantel de gabarito, que pontifica como dos melhores do nosso futebol. Pagando o IAPC dos craques, inclusive com ass istência Medica, fruto da abnegação do Dr. Hercílio Cruz, o Confiança, procura fazer um profissional, pelo menos seguindo a realidade sergipana.

ILUMINAÇÃO NO ESTÁDIO



Uma das grandes metas do presidente Aerton é iluminar o Estádio Sabino Ribeiro, velho sonho da família proletária. Já agora podemos revelar que procedente do Rio de Janeiro já chegaram 246 refletores, faltando apenas se colocar as torres, trabalho que vai exigir uma soma superior a 10 milhões. Ainda assim, com aquele seu otimismo contagiante, Aerto afirma que este ano, possivelmente em fins de outubro ou princípios de novembro o Estádio Sabino Ribeiro estará iluminado

GAZETA DE SERGIPE Aracaju, 23.08.1966



MAROMBA DECRETOU TERCEIRA DERROTA DO COTINGUIBA

ESTUPENDA ATUAÇÃO DE RENATO EVITOU GOLEADA


ELIAS ALMEIDA CORREU POUCO E SE COMPLICOU MUITO

Para um público de CR$ 804.400, jogaram amistosamente no último domingo as equipes do Confiança e do Cotinguiba. Demonstrando certa lentidão na sequência das jogadas e sobretudo erros de marcação pela defesa ,o Cotinguiba conheceu sua terceira derrota consecutiva, atenuada pela excepcional atuação do goleiro Renato, o melhor do atual futebol sergipano.



CONFIANÇA BEM ARMADO

Recuando as extremas no apoio ao trabalho de Frank, possibilitando o avanço de Naninho, o Conf iança foi mais time dentro de campo, pena que tenha se convencido cedo demais naquele 1 x 0 irrisório, e que afinal, mercê da fraca atuação do Decano, terminou traduzido em sua vitória final


MAROMBA 1 X 0

Decorriam 15 minutos do 1º tempo quando Motinha e Almir cruzaram bola da esquerda para direita, culminando com a cabeçada de Maromba ante a zaga Redival e Givaldo que ficou plantada, sem esboçar cobertura. Estava selado alé o triunfo do Confiança. Nada mais foi visto no 2º tempo, a não ser a espetacular e suicida atuação de Renato salvando tudo e mantendo heroicamente a derrota de 1 x 0.


EQUIPES E DETALHES

Jogo Confiança 1 x 0 Cotinguiba. Gol de Maromba



CONFIANÇA: Lima, Edgar (Leonel), Murilo, Olí mpio e Amorim; Frank (Evangelista) e Naninho; Almir, Beto (Miro), Maromba e Motinha.

COTINGUIBA: Renato, Zé Américo, Geivaldo, Redival e Alagoano; Cesar (Lia), e Carlos Macaco; Nilson Barros, Carlinhos, Luiz Manoel (Osvaldo) e Wellington (Gladston).

FONTE:

ARQUIVOS DE ROBSON PORTO




                                      GALERIA DE  FOTOS

FOTOS DE FRANK CHAGAS  NO  VITÓRIA 1961 

Vitória Campeão 
 Torneio Início 30/07/1961/Fonte Nova


                              VITÓRIA CAMPEÃO DO TORNEIO INÍCIO 30/07/1961


EC Vitória campeão do Torneio início de 1961/ na primitiva Fonte Nova, com mais de 22 mil pessoas, Flu de Feira foi o vice-campeão. Torneio inicio Organizada pela ABCD - Associação Bahiana dos Cronistas Desportivo.

O citado Torneio, tradicional da então FBDT - Federação Bahiana de Desporto Terrestre (atual FBF). Abria o tradicional Campeonato Baiano de profissionais, desde dos primórdios, do citado campeonato da antiga FBDT

(atual FBF).

Frank Chagas, com este titulo do torneio início, tornou-se o primeiro jogador metense no Profissional da Bahia, a sagra-se Campeão de evento profissional do futebol Baiano.
Neste citado Torneio, a renda era para ABCD, a Fonte Nova, recebeu um público excelente de mais de 22 mil pessoas pagantes..

Em pé: Frank Chagas, Touro, Ouri, Medrado, Carlos Alberto... Agachados: Reginaldo (2º), Matos, Carlinhos Gonçalves e Ricardo. Tecnico Pinguela


EC Vitória campeão do Torneio início de 1961/ na primitiva Fonte Nova, com mais de 22 mil pessoas, Flu de Feira foi o vice-campeão. Torneio inicio Organizada pela ABCD - Associação Bahiana dos Cronistas Desportivo.

O citado Torneio, tradicional da então FBDT - Federação Bahiana de Desporto Terrestre (atual FBF). Abria o tradicional Campeonato Baiano de profissionais, desde dos primórdios, do citado campeonato da antiga FBDT

(atual FBF).
Frank Chagas, com este titulo do torneio início, tornou-se o primeiro jogador metense no Profissional da Bahia, a sagra-se Campeão de evento profissional do futebol Baiano.
Neste citado Torneio, a renda era para ABCD, a Fonte Nova, recebeu um público excelente de mais de 22 mil pessoas pagantes..
Em pé: Frank Chagas, Touro, Ouri, Medrado, Carlos Alberto... Agachados: Reginaldo (2º), Matos, Carlinhos Gonçalves e Ricardo. Tecnico Pinguela
FLU DE FEIRA VICE-CAMPEÃO DO TORNEIO 1961
Flu de Feira Vice-campeão do Torneio Início de 30/07/1961/Fonte Nova



VITÓRIA 0x 2 FLU DE FEIRA/Campeonato Baiano de 1961

Time do Vitória 1961 Fonte Nova, Ataque, agachados: Frank (nº 7), Reginaldo, Matos, Carlinhos Gonçalves....Em pé: dentre outros, vemos Nelinho e Boquinha (direita da foto), Jornal Tarde 24/09/1961 (jogo abaixo).

Nessa partida o EC Vitória jogava pela sequencia do campeonato Baiano de Profissionais, na primitiva Fonte Nova, diante do timaço do Flu de Feira e o Vitória foi derrotado por 3x2, com Frank Chagas na ponta direita (ele, Frank, era o coringa do Vitoria e jogava, em várias posições, ataque, defesa, meio campo, sendo técnico o excelente jogador Pinguela (exercia dupla função de jogador e técnico interino do Leão da Barra)).






HISTÓRICO 04/02/1963!

Galícia Vence Vitória no Jogo “Quebra Tabú” (4/2/1963)

TREINAMENTO NO CAMPO DA GRAÇA

FOTOS DE FRANK NO GALÍCIA (1962/64)
Campo da Graça / ataque do Galícia treinando p/ Jogo do "QuebraTabú de 9 anos!" contra Vitória na Fonte Nova Vadinho, Frank, Lai, Silvio Mário e Geraldo Simões.


 JOGO "QUEBRA TABU"4/02/1963

Foto do jogo do "Quebra Tabú" Galícia 1x0 Vitória /Fonte Nova 1963/ Abaixo.

Finalmente o Galícia venceu o Vitória numa partida oficial de 90 minutos, pelo returno do Campeonato Baiano de 1962. O jogo foi disputado na Fonte Nova.
Durante toda a semana que antecedeu ao clássico, havia uma grande espectativa para esse jogo, já que o Galícia não vencia o Vitória há quase 9 anos, desde o ano de 1954 que o Galícia não conseguia vencer o Vitória.
Com treinamentos puxados tanto físico como técnico, durante a semana os jogadores do Galícia se empenharam bastante. O presidente Aurélio Viana, prometeu uma parte da renda, em caso de vitória do “Demolidor de Campeões”, além da promessa de queimar as camisas do time, nesse jogo.
Do lado do Vitória, manter o tabú era questão de tradição, a Vitória nesse jogo manteria a sua liderança no returno do campeonato de 1962. O Bahia lutava ara conseguir o pentacampeonato desde o ano de 1958, onde vinha vencendo os campeonatos.
Era um jogo que se tornaria histórico para o Galícia, “Quebra Tabú”, caso vencesse o Vitória. No dia do jogo, os jogadores do Galícia, unidos fizeram uma corrente de confiança e união, era o jogo mais importante do time nesse final de returno, era vencer e vencer.
A partida iniciou com os jogadores um pouco tenso e aos poucos os jogadores do time foram tomando conta da partida.

Galícia 1x0, Tabu Quebrado Na Fonte Nova


O 1º tempo terminou em 0x0, num jogo aguerrido com lances bem disputado, apesar  do nervos- 
ismo de alguns jogadores de ambas as equipes. No segundo tempo da partida o Galícia abriu a contagem logo aos 6 min do 2º tempo com o atacante Vassil Barbosa (era jogador e treinador), marcou o primeiro gol na Fonte Nova. Levando a torcida do Galícia a comemorar bastante esse gol. Com esse gol o time do Vitória, partiu com tudo pra cima do Galícia, tentando o empate e virar o jogo e manter a liderança do campeonato e conservar o tabú de 9 anos sobre o Galícia.
O time da Colônia Espanhola na Bahia, o Demolidor de Campeões, o Galícia se defendia com “unhas e dentes” procurando em contra – ataques, marcar o segundo gol. O Vitória com alguns jogadores nervosos, teve 2 jogadores expulsos do jogo: o goleiro Zé Carlos o lateral direito Kleber, se tornando o jogo mais fácil para o Galícia.
No final dos 90 minutos, justamente no apito final do árbitro Otávio Neves de Jesus, torcida, jogadores, dirigentes, vibraram com a vitória do Galícia, quebrando um tabú que já durava 9 anos,  nesse dia histórico dia quatro de fevereiro de 1963.


Camisas Azul e Branca Queimadas na Pista da Fonte Nova!

Conforme promessa do presidente Aurélio Viana, de queimar as camisas que os jogadores usaram na partida, tal promessa foi cumprida, exceção para alguns jogadores que preferiram guardar sua camisa, como lembrança do jogo histórico.
Foram colocadas as camisas juntas e foram queimadas, numa simbologia de ter vencido as superstição  as influências negativas, que por diversos motivos, atrapalharam o Galícia no jogo contra o Vitória ao longo desses anos, nos jogos entre as duas equipes. As camisas do jogo foram queimadas na pista da Fonte Nova.
No Torneio Início realizado no dia 19/06/1960 o time do Galícia venceu o Vitória na final desse Torneio, pelo placar de 3x1, sagrando-se campeão. Esse jogo foi de apenas 60 min, sendo 30 min de cada lado.


Renda e Gratificações Pelo Triunfo


Os jogadores do Galícia fizeram jus a uma parte da renda, cuja cota do Galícia foi de 262 mil cruzeiros. Foram distribuídos a título de prêmio ou bicho, 6 mil cruzeiros a cada jogador. Vassil ficou com uma gratificação maior, 12 mil cruzeiros, por ter marcado o gol da vitória, nesse jogo cada jogador teve um padrinho, ganhando prêmio.
Outros filhos foram ofertados pelos padrinhos dos jogadores, aumentando em muito os valores dos bichos ou gratificações da diretoria, chegando a parte de Vassil a quase 30 mil cruzeiros.
Na preliminar, o Vitória venceu na categoria de Aspirantes por 5x1 o Galícia. A renda total foi de 838 mil e 90 cruzeiros, para um público pagante de 6 mil e 661 pagantes na Fonte Nova, nesse jogo os preços dos ingressos foram majorados (aumentados). O árbitro da partida foi Otávio Neves de Jesus,.

                        Formação Das Equipes


O Vitória perdeu com: Zé Carlos (Ouri), Kleber, Medrado, Tinho e Carlinhos. Nelinho e Fontoura. Durvalino, Roberto, Erick e Adroaldo.
Técnico: Bengalinha.
O Galícia venceu com: Neto, Frank, Clóvis e Valmir. Silvio Mario e Nildo. Vadinho, Vassil, Jaílson, Raul e Servilho.Foram expulsos pelo Vitória Zé Carlos (goleiro) e Kleber (lateral direito). 
Técnico: Vassil Barbosa
Com essa derrota, o Vitória perdeu a liderança do segundo turno, passando o Fluminense de Feira de Santana a liderar, ficando os times do Ipiranga e Vitória na segunda pontuação, com a diferença de 1 ponto para o Fluminense, vindo em seguida o Bahia com 3 pontos e o Galícia ainda com possibilidades de conquista do 2º turno.
Nesse ano de 1963, o Bahia sagrou-se Pentacampeão Baiano de 1962.

Taça “Quebra Tabú”


Após o final da partida, Ceferino Carrera, grande desportista, ofereceu a Taça “Quebra Tabú”pela vitória do Galícia, sendo a Taça levantada para o alto, com aplausos da galera galiciana. O dirigente Ceferino Carrera, idealizador da Taça, erguia orgulhosamente como símbolo do “Quebra Tabú”, sendo fotografado pela imprensa presente na Fonte Nova.
Nesse jogo do “Quebra Tabú”, o Flu de Feira deu 5 mil cruzeiros para dividir com o grupo, a derrota do Vitória colocou o Flu como líder do Campeonato. Os padrinhos dos jogadores do galícia, deram 5 mil cruzeiros para cada jogador e um torcedor-empresário se prontificou a dar a quantia de 2 mil cruzeiros a cada jogador pela vitória.

FOTOS DO JOGO DO "QUEBRA TBU" 4/2/1963

No lance ataque do Vitória, defesa do Galícia se fecha, Frank Chaga (de costa nª 2) atento na jogada, Nildon "Birro Doido", caído no gramado,O "Tabú de 9 anos, foi Quebrado", Viva o Galícia! Vassil Barbosa, o herói da partida do dia , treinador e jogador marcou o gol "Quebra Tabú" de 9 anos! No dia  histórico  de 04/02/1964 na  Fonte Nova.

Treinador Vassil Barbosa Orienta Jogadores Galegos!
Técnico Vassil Barbosa, orienta jogadores do Galícia, Campo da Graça p/ Quebrar o Tabú de 9 anos sem vencer Vitória!Sílvio Mário, Lai, Vadinho, Beto (goleiro), Geraldo, dentre outros jogadores não nominado (1963).
Frank Chagas o 1° a  direita na  foto camisa listrada azul e branca  do Galícia, com   jogadores  do Demolidor  de Campeões, durante uma  preleção do técnico  Vassil Barbosa  (com a  bola  nas mãos)  no Campo da  Graça, ano de  1963 na  semana  da  partida  do " Quebra Tabu"  da  partida  Galícia  x   Vitória, realizada  na  Fonte Nova dia 04/02/1963.
                     FRANK CHAGAS E SÍLVIO MÁRIO, MEIOS CAMPISTAS O GALÍCIA.


Frank Chagas e Sílvio Mário, gramado do antigo Estádio da Graça, preparativo da semana para enfrentar o Vitória no dia 04/02/1963, no jogo do "Quebra Tabu", havia 9 anos que o Galícia não vencia o Vitória


                              GALÍCIA ESPORTE  CLUBE

Galícia no Torneio Início de 1963, Fonte Nova: Na foto Frank Chagas (o 1º em pé a esquerda), Jair, Nildon Birro Doido, Beto (goleiro),.. abaixo, agachados: Vadinho, Jorge Bassu, Mário Felipe  (apelidado de Onça, 3º da foto), dentre outros atacantes não citados na foto

                    VITÓRIA x GALÍCIA / JOGO "QUEBRA TABU" 4/2/1963 F.Nova
NILDON Galícia nº 5, parte para desarmar atacante Matos do Vitória, no sensacional jogo do Quebra Tabu, na Histórica Fonte Nova em 04/02/1963, o matense Frank Chagas mais atrás observa o desfecho do lance!

TAÇA "QUEBRA TABÚ"
Benemérito do Galícia e Torcedor Carrera ergue orgulhosamente o Taça "Quebra Tabú" na Fonte Nova, seu filho ao lado, no fundo da fota observe as cadeiras numeradas do citado Estádio, que tinha somente um anel de arquibancada. ( foto em 4/2/1963).



MATA DE SÃO JOÃO/BA.
Praça Barão Açu da Torre (primo de Chiquitinha  Maravilha e de Frank Chaga) na Cidade  de  Mata  de  São João na  década de  1950, nessa   citada  praça  nasceu Frank Chagas no dia 11/08/1939.


BIOGRAFIA  DO DECANO DOS JUÍZES  BAIANO!
O Matense   Dr. Leovigildo Gonçalves de Carvalho



                                        O matense Juiz Leovigildo  Gonçalves  de  Carvalho
                                       Foto chiquitinha  Maravilha em jornais  de Salvador da 
                                       década  de 1920 / F. na  pesquisa, sendo  digitalizada por 
                                       Chiquitinha Maravilha                  
                                                      

LINK  DA BIOGRAFIA DO JUIZ MATENSE  
JUIZ LEOVIGILDO GONÇALVES  DE CARVALHO


CLICK NO LINK ABAIXO:


http://www.youtube.com/watch?v=RgLuNqniIJI

TEXTO  DO VÍDEO
 Centro  Histórico do Pelourinho, cidade de Salvador, vídeo filmado, narrado  e  produzido por  Chiquitinha Maravilha, destaque  para  a  rua    Leovigildo Gonçalves de Carvalho, Juis  Decano  da  Vara  de  Órfãos  da    Bahia   de  1897 a 1924, (28/02/), quando  faleceu    em plena  atividade   como  juiz,  aconteceu   um derrame  cerebral  quando estava  lendo  jornais  baiano  no  Sodré, centro histórico  da  Cidade de Salvador.
o matense  Leovigildo passou  26 anos  na  Vara  de Orfãos  e  Família   de Salvador, um dos  mais  competente  Juiz   da  Justiça  Baiana  ,  um dos  Ícones  da  Justiça  de Mata  de São João, onde ocupou os  três Poderes;Legislativo,  Executivo e Judiciário, matense  diplomado    pela   Faculdade  de  Recife, em Bacharel de Ciências  Jurídicas  no  ano de  1871, casada  com uma  sua  conterrânea, tendo  13 filhos. LIEOVIGILDO PRIMO  DE CHIQUITINHA MARAVILHA
Juiz  Leovigildo  fundou a  biblioteca  do Judiciário   da Bahia  no  ano de  1908  no Convento da Palma  na  Mouraria, cidade de Salvador/Ba.

A MAGNÍFICA TORRE HISTÓRICA!

TORRE HISTÓRICA, REPLETA DE HISTÓRIAS! QUE NÃO MAIS EXITE, FICAVA LOCALIZADA NO ATUAL LARGO O BOMFIM DE MATA. Foto do Arquivo de Chiquitinha Maravilha.

 ESTATÍSTICA DO BLOG (100 PAÍSES),

gamalielchagas@hotmail.com /tele: 3625-8525

     CHIQUITINHA MARAVILHA - MEIO CAMPISTA!

       O  matense  Gamaliel Chagas, aos 21  anos, Seleção Matense x  SantoAmaro, Intermunicipal 1972, Estádio Municipal de Pojuca  (Luis Viana Filho). Foto  Chiquitinha Maravilha

CT TRICOLOR!
CENTRO DE TREINAMENTO DO BAHIA//DIAS D'ÀVILA
MAQUETE DE COMO SERÁ O CT TRICOLOR, APÓS TERMINO DAS OBRAS.

MARATONA DE NEW YORK 1984
Maratona de New York 1984, Central Park, Gamaliel a 2km da linha de Chegada, representou os Municípios de Camaçari, Dias D'Ávila, a Bahia e COPENE.

BLOG CHIQUITINHA MARAVILHA, O 1º A DIVULGAR O INÍCIO DAS OBRAS DO CT TRICOLOR, FOTOGRAFICAMENTE COM TEXTO!

gamalielchagas@hotmail.com /tele: 3625-8525


TOTAL DE  ACESSOS MAIS  DE 493 MIL 23/11/14

Nenhum comentário:

Postar um comentário