Carlos Amadeu, técnico da Seleção Brasileira Sub-17, foi o primeiro palestrante nesta quinta-feira (11) do “Somos Futebol: 2º Semana da Evolução do Futebol Brasileiro”. O treinador falou sobre o desafio de trabalhar com as categorias de base.
– A gente forma mais atletas ou perde mais? Muitos talentos se perdem no caminho por vários motivos diferentes.
Com esta reflexão, ele explicou que existem dois caminhos para lidar com os jovens e pontuou os dilemas e dúvidas que permeiam a vida dos profissionais da base: aceitar ou transformar. O técnico também ressaltou a importância da educação na formação dos jogadores.
Para ele, existem alguns pilares de sustentação do trabalho. Os atletas precisam ser comprometidos com tudo aquilo que eles se envolvem, precisam ser talentosos, mas sempre saberem que têm que evoluir e serem equilibrados. Amadeu disse que é necessário absorver da melhor maneira tanto as vitórias quanto as derrotas.
O treinador afirmou que, como formador, precisa ensinar os atletas que o foco na hora da partida é vencer, mas sempre de maneira leal. Ele afirmou que os jovens precisam respeitar as regras, a arbitragem, o outro time e os torcedores. O técnico também exaltou a atitude de fair play de Rodrigo Caio, do São Paulo.
Além disso, Carlos Amadeu falou da importância dos jovens atletas terem conhecimentos sobre a história do esporte e uma boa bagagem cultural. Para isso, ele citou exemplos de atividades que fizeram com as categorias de base da Seleção, entre elas, a visita ao museu Seleção Brasileira. Também contou que, no primeiro dia no Chile, para a disputa do Sul-Americano, a comissão técnica fez com que os atletas estudassem sobre o país, cidade e a cultura local, para depois fazerem apresentação de slides com aquilo que leram e aprenderam. 
Para finalizar, Amadeu falou sobre as ótimas atuações das Seleções sub-15 e sub-17 nas últimas competições e ressaltou que todos são responsáveis pela formação dos novos atletas. 
– A gente pensa que só os treinadores são responsáveis pela formação dos jogadores das categorias de base, mas todos somos: a imprensa, os diretores, os times, os diretores... Todos têm influência na formação desses jovens – opinou o treinador.