quarta-feira, 27 de março de 2013

RESULTADOS JOGOS DE SÃO PAULO, CORINTHIANS, FLAMENGO, VASCO...... DIA






CHIQUITINHA MARAVILHA - MEIO CAMPISTA!
O matense Gamaliel Chagas, 21 anos de idade (Chiquitinha Maravilha), ano 1972, Estádio Municipal de Pojuca, Intermunicipal, Seleção de Mata de São João x Santo Amaro. Foto arquivo de Chiquitinha Maravilha.


PARABÉNS INTERNAUTAS!
CHEGAMOS A MAIS DE 109  MIL ACESSOS 
DIA 27/03/2013
COM MAIS DE 20 MIL  ACESSOS  NO EXTERIOR!

PARABÉNS INTERNAUTAS    RESIDENTE  NO PAIS USA 
MAIS DE 9  MIL ACESSOS! 
ACESSOS INTERNACIONAIS MAIS  DE  20  MIL, UMA DAS  VISIBILIDADES  DE  UM BLOG  NO EXTERIOR!


Visualizações de página por país/

OS DEZ  MAIS ACESSADOS DOS  MAIS  DE  40  PAÍSES


Gráfico dos países mais populares entre os visualizadores do blog
EntradaVisualizações de página
Brasil
88797
Estados Unidos
9549
Rússia
4465
Alemanha
1106
Portugal
522
França
486
Reino Unido
169
Espanha
69
Ucrânia
65
Canadá
38


PÓRTICO TRICOLOR ONDE  SERÁ COLOCADO EM BREVE  O ESCUDO, UM DOS  NOTÁVEIS SÍMBOLOS DO ESPORTE  CLUBE  BAHIA NA   CIDADE TRICOLOR



   A CIDADE  TRICOLOR! INAUGURAÇÃO EM ABRIL/OU INICIO DE MAIO/  2013





ATLETISMO  BAIANO E  BRASILEIRO!

O POETA  CORREDOR!
             
 Chiquitinha  (Gamaliel Chagas) na  Maratona  do Rio de Janeiro /23/8/1986
(3h 5 min),  foto no  no aterro do  Flamengo/RJ, 42,195 km.



SITE: ESPORTE POP
27/03/2013 - 23:58h


Corinthians só empata e sobe para quinto no Paulistão





ALAN MORICI/BRAZIL PHOTO PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Corinthians acumula oito empates no Campeonato Paulista
O Corinthians ficou no empate com o Penapolense por 1 a 1, nesta quarta-feira, no estádio do Pacaembu, pela 15.ª rodada do Campeonato Paulista, mas conseguiu ganhar duas posições na tabela de classificação. Com as derrotas de Botafogo e Palmeiras - para Ponte Preta e Mirassol, respectivamente -, o time alvinegro chegou aos 26 pontos e subiu para a quinta colocação. Está invicto há 13 jogos, porém este é o oitavo empate da equipe na competição.
Para o Penapolense, o resultado representa muito para a equipe que debuta no Paulistão. Com 21 pontos, o time de Penápolis alcançou o oitavo lugar e segue na briga pela classificação às quartas de final. Além disso, está muito perto de conseguir uma vaga na Série D do Campeonato Brasileiro - a quarta divisão nacional.
Na 16.ª rodada, o Corinthians terá neste domingo o clássico contra o São Paulo, às 16 horas, no estádio do Morumbi. O Penapolense joga neste sábado, às 18h30, contra o Mirassol, no estádio José Maria de Campos Maia, em Mirassol.
O JOGO - O Corinthians repetiu, nesta quarta, o enredo da partida contra o Guarani, em Campinas, no último domingo. Na base da pressão, mesmo com uma escalação cheia de jogadores reservas, o time alvinegro foi ao ataque nos primeiros minutos e foi recompensado com o gol. Aos quatro minutos, Romarinho sofreu falta na intermediária e fez a cobrança rápida na esquerda para Emerson. O atacante recebeu na ponta e cruzou à meia altura na pequena área. No ímpeto de tentar tirar a bola, o volante Heleno cabeceou para trás e enganou o goleiro Marcelo.
Com a vantagem no placar, o Corinthians resolveu cadenciar a partida. Pouca coisa de bom era criada no ataque - apenas mais uma jogada pela ponta em que o zagueiro Jailton quase marcou outro gol contra - e o jogo ficou muito disputado no meio de campo. O Penapolense tentava lançamentos para o centroavante Val Baiano, mas nada levava perigo ao gol de Júlio César.
Na segunda etapa, assim como em partidas anteriores, o Corinthians nitidamente se poupou em campo e preferiu tocar a bola e esporadicamente tentava alguma jogada de ataque. Na melhor delas, aos 18 minutos, Romarinho foi derrubado na entrada da área e, na cobrança, Chicão chutou rasteiro à direita do gol adversário.
Só que o mesmo zagueiro corintiano, aos 29 minutos, teve participação decisiva no gol do Penapolense, que castigou o jogo enfadonho do Corinthians. Tentando fazer a linha de impedimento em um ataque da equipe do interior, deu condições para Silvinho receber livre na entrada da área. O atacante dominou e bateu rasteiro na saída de Júlio César.
Depois do empate, o Corinthians tentou acordar para a partida e até criou uma boa oportunidade com Jorge Henrique, aos 35 minutos, em que seu chute do lado direito da área passou raspando a trave direita de Marcelo. Mas ficou nisso e o jogo terminou mesmo na igualdade por 1 a 1.
FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS 1 x 1 PENAPOLENSE
CORINTHIANS - Júlio César; Edenílson, Chicão, Paulo André e Fábio Santos; Guilherme Andrade, Guilherme (Giovanni) e Romarinho; Jorge Henrique (William Arão), Guerrero e Emerson. Técnico: Tite.
PENAPOLENSE - Marcelo; Luis Felipe, Jailton, Biro e Rodrigo Biro; Heleno, Liel (Neto), Fernando e Guaru (Sergio Mota); Silvinho e Val Baiano (Geuvânio). Técnico: Pintado.
GOLS - Heleno (contra), aos 4 minutos do primeiro tempo; Silvinho, aos 29 minutos do segundo tempo.
CARTÕES AMARELOS - Guilherme Andrade, Guilherme e Fábio Santos (Corinthians); Marcelo, Biro, Geuvânio, Luis Felipe e Jailton (Penapolense).
ÁRBITRO - Adriano de Assis Miranda.
RENDA - R$ 357.042,66.
PÚBLICO - 12.866 pagantes.
LOCAL - Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP).
28/03/2013 - 00:10h


WAGNER MEIER/AGIF/ESTADÃO CONTEÚDODe volta ao Vasco, Tenorio passou em branco contra o Olaria
Em partida muita ruim tecnicamente, Vasco e Olaria ficaram no empate sem gols nesta quarta-feira, em Moça Bonita, na estreia do técnico Paulo Autuori. Com o resultado, os cruzmaltinos seguem sem vencer no segundo turno e muito longe da zona de classificação para as semifinais. Já a equipe da Rua Bariri chegou a cinco pontos e está próximo das primeiras posições.
No primeiro tempo, o Olaria foi melhor e teve as melhores chances. O Vasco não conseguiu criar nenhuma oportunidade por não passar pela retranca do adversário. Na etapa final, os cruzmaltinos melhoraram, mas não transformaram o desempenho em gol. Com isso, os mandantes souberam segurar o resultado e sair com o empate de Moça Bonita.
Na próxima rodada, o Vasco terá o clássico contra o Botafogo. O jogo seria domingo, mas com a interdição do Engenhão passou para quarta-feira da próxima semana, em Volta Redonda. Já o Olaria entra em campo no fim de semana, contra o Friburguense, na serra fluminense.
O jogo - O Vasco iniciou a partida tendo o domínio da posse de bola, mas tinha dificuldade em passar pela retranca formada pelo Olaria. O panorama do confrotno permaneceu o mesmo durante bom tempo, até que os mandantes começaram a buscar os avanços. A primeira boa chance do jogo aconteceu somente aos 33 minutos, quando Erick arriscou de fora da área e viu Alessandro se esticar para fazer a defesa.
Os cruzmaltinos seguiram errando muito e não conseguiram criar nenhuma boa chance no primeiro tempo. Antes do intervalo, o Olaria teve nova oportunidade. O experiente Zé Carlos penetrou na área e chutou, mas a bola passou perto da trave de Alessandro. Assim, o duelo seguiu com a igualdade para a etapa final.
No segundo tempo, o Vasco, enfim, teve sua primeira boa chance de marcar na partida. Aos quatro minutos, Carlos Alberto fez jogada pela direita e tocou para Eder Luis dentro da pequena área, mas o atacante finalizou no travessão e foi para fora. A resposta do Olaria veio três minutos depois, quando Victor cobrou falta, Alessandro tentou encaixar, mas soltou a bola. Para sorte do goleiro, Zé Carlos não conseguiu finalizar no rebote.
O Olaria tinha as melhores chances e quase abriu o placar aos 12 minutos. Após saída errada, Erick passou por Dedé, só que na hora de cruzar colocou a bola em cima de Renato Silva. O zagueiro rebateu errado, no pé de Assis, que chutou de fora da área, mas para fora.
Depois do início movimentado, o confronto voltou a ficar monótono, com muitos erros dos dois lados. Somente aos 33 minutos, o Vasco voltou a chegar próximo do gol, quando Nei arriscou de longe, mas Moreno fez defesa tranquila. No minuto seguinte, foi a vez de Erick Daltro também chutar de longe, mas assustar o goleiro Alessandro.
Nos minutos finais, o Vasco esboçou uma pressão, mas de nada adiantou. Os cruzmaltinos tiveram que sair de campo com mais um mau resultado na Taça Rio.
FICHA TÉCNICA 
OLARIA 0 X 0 VASCO
Local: Moça Bonita, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 27 de março de 2013 (Quarta-feira)
Horário: 16h(de Brasília)
Árbitro: Rodrigo Nunes de Sá (RJ)
Assistentes: Wagner Santos (RJ) e Jackson dos Santos (RJ)

Cartões amarelos: Rafael, Assis, Victor, Leandrão e Erick (Olaria); Nei, Dedé, Carlos Alberto, Dakson e Fellipe Bastos (Vasco)
OLARIA: Moreno, Lucas, Erick Daltro (Ivan), Cleberson, Rafael; Assis, Mehmet Aurélio e Zé Carlos (Waldir); Erick (Lenine), Leandrão e Victor
Técnico: Luiz Antônio
VASCO: Alessandro, Nei, Dedé, Renato Silva e Thiago Feltri (Elsinho); Sandro Silva, Wendel (Pedro Ken), Fellipe Bastos (Dakson) e Carlos Alberto; Eder Luis e Romário 
Técnico: Paulo AutuoriFABIO CASTRO/AGIF/ESTADÃO CONTEÚDO



Flamengo conta com "ajudinha" no final e ganha a partida
Foi no sufoco, mas o Flamengo conseguiu vencer por 2 a 1 o Bangu, nesta quarta-feira, em Volta Redonda. Com gols de Rodolfo e João Paulo, os rubro-negros conqusitaram o primeiro triunfo na Taça Rio e seguem na briga por uma vaga para as semifinais. Esta foi a primeira vitória do técnico Jorginho no comando da equipe. O resultado deixou os flamenguistas com quatro pontos, na terceira posição ao lado do Boavista. Já o Bangu, com dois pontos, ficou mais distante da fase final do segundo turno do Campeonato Carioca.
O duelo começou com o Bangu abrindo o placar com Sérgio Júnior. No entanto, no segundo tempo, o atacante Rodolfo acertou belo chute no ângulo para empatar a partida. A virada só aconteceu nos minutos finais, com João Paulo. O lateral esquerdo cobrou falta na área e contou com o desvio do volante Ives para dar números finais no Raulino de Oliveira.
Na próxima rodada, o Flamengo terá pela frente O Audax, neste domingo, em Volta Redonda. Já o Bangu vai até Resende para encarar o Resende, fora de casa.
O jogo- O confronto começou a todo vapor, com o Bangu abrindo o placar no Raulino de Oliveira na primeira chegada ao ataque, aos três minutos. Hugo fez boa jogada individual pela direita e cruzou rasteiro para Sérgio Júnior, que finalizou no canto de Felipe. O Flamengo não sentiu o revés e foi para cima do Bangu. Tanto que dois minutos depois Rafinha recebeu na área e chutou cruzado, mas para fora.
Os rubro-negros, tendo que buscar o ataque para empatar a partida, permitia que o Bangu saísse nos contra-atques. Em um desses avanços, aos nove minutos, Hugo recebeu sozinho na entrada da área, mas adiantou a bola e viu Felipe se antecipar impedindo a finalização. A resposta dos flamenguistas veio aos 14 minutos, quando Gabriel desperdiçou a melhor chance do Flamengo ao receber na área e tocar na saída do goleiro, só que a bola acabou indo pela linha de fundo.
Depois do início movimentado, a partida teve uma queda, principalmente porque o Flamengo passou a ter dificuldade de superar a marcação do Bangu. Somente na parte final, os rubro-negros voltaram a chegar com perigo. Aos 41 minutos, Gabriel, mais uma vez, recebeu livre na área e novamente finalizou para fora. Os flamenguistas seguiram buscando o empate, mas foram para o intervalo atrás no placar.
Na etapa final, o Flamengo quase empatou logo com um minuto em um lance inusitado. Renato Abreu, que havia entrado, tentou cruzar, mas quase acertou o gol. O goleiro Getúlio Vargas estava atento e conseguiu salvar o Bangu. No entanto, a chance inicial foi a única na parte incial do seugndo tempo. Quando conseguiu chegar novamente, os rubro-negros empataram, aos 20 minutos. Rodolfo acertou belo chute no ângulo, sem chance para o arqueiro banguense.
O gol animou os flamenguistas, que foram para cima do Bangu. Rodolfo quase marcou o segundo aos 24 minutos ao aproveitar falha da zaga e finalizar, mas viu Getúlio Vargas se jogar e salvar com os pés. Na cobrança de escanteio, Renato Abreu pegou sobra na pequena área, mas chutou por cima do travessão.
O Flamengo seguia melhor e pressionava em busca da virada. Aos 35 minutos, Rafinha fez boa jogada individual e tocou para Nixon. O atacante ficou de frente para Getúlio Vatgas, mas chutou por cima do gol. De tanto insistir, os rubro-negros chegaram a vitória aos 41. Em falta cobrada por João Paulo para a área, o volante Ives raspou de cabeça ao tentar cortar, mas acabou colocando para a própria rede. O árbitro assinalou o gol para o lateral esquerdo.

27/03/2013 - 18:10h
0

Vasco fica no empate com o Olaria 


na estreia de Paulo Autuori


WAGNER MEIER/AGIF/ESTADÃO CONTEÚDODe volta ao Vasco, Tenorio passou em branco contra o Olaria
Em partida muita ruim tecnicamente, Vasco e Olaria ficaram no empate sem gols nesta quarta-feira, em Moça Bonita, na estreia do técnico Paulo Autuori. Com o resultado, os cruzmaltinos seguem sem vencer no segundo turno e muito longe da zona de classificação para as semifinais. Já a equipe da Rua Bariri chegou a cinco pontos e está próximo das primeiras posições.
No primeiro tempo, o Olaria foi melhor e teve as melhores chances. O Vasco não conseguiu criar nenhuma oportunidade por não passar pela retranca do adversário. Na etapa final, os cruzmaltinos melhoraram, mas não transformaram o desempenho em gol. Com isso, os mandantes souberam segurar o resultado e sair com o empate de Moça Bonita.
Na próxima rodada, o Vasco terá o clássico contra o Botafogo. O jogo seria domingo, mas com a interdição do Engenhão passou para quarta-feira da próxima semana, em Volta Redonda. Já o Olaria entra em campo no fim de semana, contra o Friburguense, na serra fluminense.
O jogo - O Vasco iniciou a partida tendo o domínio da posse de bola, mas tinha dificuldade em passar pela retranca formada pelo Olaria. O panorama do confrotno permaneceu o mesmo durante bom tempo, até que os mandantes começaram a buscar os avanços. A primeira boa chance do jogo aconteceu somente aos 33 minutos, quando Erick arriscou de fora da área e viu Alessandro se esticar para fazer a defesa.
Os cruzmaltinos seguiram errando muito e não conseguiram criar nenhuma boa chance no primeiro tempo. Antes do intervalo, o Olaria teve nova oportunidade. O experiente Zé Carlos penetrou na área e chutou, mas a bola passou perto da trave de Alessandro. Assim, o duelo seguiu com a igualdade para a etapa final.
No segundo tempo, o Vasco, enfim, teve sua primeira boa chance de marcar na partida. Aos quatro minutos, Carlos Alberto fez jogada pela direita e tocou para Eder Luis dentro da pequena área, mas o atacante finalizou no travessão e foi para fora. A resposta do Olaria veio três minutos depois, quando Victor cobrou falta, Alessandro tentou encaixar, mas soltou a bola. Para sorte do goleiro, Zé Carlos não conseguiu finalizar no rebote.
O Olaria tinha as melhores chances e quase abriu o placar aos 12 minutos. Após saída errada, Erick passou por Dedé, só que na hora de cruzar colocou a bola em cima de Renato Silva. O zagueiro rebateu errado, no pé de Assis, que chutou de fora da área, mas para fora.
Depois do início movimentado, o confronto voltou a ficar monótono, com muitos erros dos dois lados. Somente aos 33 minutos, o Vasco voltou a chegar próximo do gol, quando Nei arriscou de longe, mas Moreno fez defesa tranquila. No minuto seguinte, foi a vez de Erick Daltro também chutar de longe, mas assustar o goleiro Alessandro.
Nos minutos finais, o Vasco esboçou uma pressão, mas de nada adiantou. Os cruzmaltinos tiveram que sair de campo com mais um mau resultado na Taça Rio.
FICHA TÉCNICA 
OLARIA 0 X 0 VASCO
Local: Moça Bonita, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 27 de março de 2013 (Quarta-feira)
Horário: 16h(de Brasília)
Árbitro: Rodrigo Nunes de Sá (RJ)
Assistentes: Wagner Santos (RJ) e Jackson dos Santos (RJ)

Cartões amarelos: Rafael, Assis, Victor, Leandrão e Erick (Olaria); Nei, Dedé, Carlos Alberto, Dakson e Fellipe Bastos (Vasco)
OLARIA: Moreno, Lucas, Erick Daltro (Ivan), Cleberson, Rafael; Assis, Mehmet Aurélio e Zé Carlos (Waldir); Erick (Lenine), Leandrão e Victor
Técnico: Luiz Antônio
VASCO: Alessandro, Nei, Dedé, Renato Silva e Thiago Feltri (Elsinho); Sandro Silva, Wendel (Pedro Ken), Fellipe Bastos (Dakson) e Carlos Alberto; Eder Luis e Romário
Técnico: Paulo Autuori



27/03/2013 - 23:51h


Luis Fabiano faz 2, volta a sorrir, 


e São Paulo vence


ANDRÉ MONTEJANO/FRAME/ESTADÃO CONTEÚDO
Luis Fabiano faz o habitual e anota dois gols na partida
Com a maior parte dos jogadores que começaram a temporada como titulares, o time hoje considerado reserva do São Paulo voltou a fazer uma partida consistente nesta quarta-feira, sem correr riscos defensivos e apresentando organização tática, e foi recompensado com uma vitória por 2 a 0 sobre o Paulista, em Jundiaí, pela 15.ª rodada do Paulistão.
Ney Franco preferiu escalar os reservas porque o São Paulo tem pela frente o Corinthians, domingo, no Morumbi, e o The Strongest, quarta, na Bolívia. E vencer os dois jogos é fundamental. Os únicos titulares em campo no Jaime Cintra foram o fominha Rogério Ceni e Luis Fabiano, suspenso na Libertadores. E foi exatamente o atacante quem marcou os dois gols do jogo, voltando a sorrir depois de dizer, na rodada anterior, que estava triste e por isso não comemorava mais os gols. Já são cinco em quatro jogos.
O resultado garante o São Paulo nas quartas de final do Paulistão, no mínimo no sétimo lugar. A equipe tricolor mantém dois pontos de folga sobre a Ponte Preta, com um jogo a menos. Já o Paulista, com 17 pontos, está a quatro do G8. No sábado, a equipe visita o Bragantino em confronto direto. Precisa vencer para continuar sonhando.
O JOGO - A proximidade de dois compromissos importantes permitiu a Ney Franco observar diversos jogadores nesta quarta-feira. De Rogério Ceni a Luis Fabiano, todos os 11 são-paulinos que começaram o jogo já haviam sido titulares em algum momento dessa curta temporada. Só o goleiro e o centroavante continuam assim. Os outros tiveram a chance de correr atrás do prejuízo.
E o que se viu em campo foi o São Paulo demonstrando tranquilidade com a bola, trocando passes com facilidade para chegar até a área do time de Jundiaí. Um dos que mais precisava ser testado, uma vez que voltava de lesão, Paulo Miranda teve boa chance aos 12 minutos. Mas tentou chutar de esquerda, escorregou e mandou por cima.
Apesar do bom volume de jogo por parte do São Paulo, as chances reais de gol eram poucas. E quando a oportunidade apareceu, o time não desperdiçou. De Douglas para Wallyson, que dominou bonito, esperou o bote do zagueiro e deu para Luis Fabiano, livre, empurrar para o gol vazio.
O sorriso aberto logo assim que a bola estufou a rede era a certeza de que Luis Fabiano havia feito as pazes com a felicidade. Outro sorriso de orelha a orelha aos 3 minutos do segundo tempo: Fabrício deu uma de lateral e cruzou na medida na cabeça de Luis Fabiano, que testou firme para fazer o oitavo dele no Paulistão. A festa foi tanta que até Rogério Ceni atravessou o campo para abraçar o centroavante.
O terceiro gol de Luis Fabiano quase veio aos 30 minutos da segunda etapa. O São Paulo continuava pressionando e Douglas surpreendentemente jogava bem como meia. Foi dele um belo passe por elevação para o centroavante bater na saída de Richard. Mas Lázaro conseguiu tirar em cima da linha.
Nos últimos minutos, o São Paulo relaxou e quase que o Paulista descontou. Rodolfo Testoni acertou uma falta na trave. Matheus também exigiu boa defesa de Rogério Ceni. Para responder, Ademilson balançou as redes, mas o árbitro anulou apontando impedimento. O curioso é que a assistente não levantou a bandeira. Quem fez a anotação foi o próprio Luis Flávio de Oliveira.
FICHA TÉCNICA:
PAULISTA 0 X 2 SÃO PAULO
PAULISTA - Richard; Thales (Hudson), Dráusio, Lázaro e Rodolfo Testoni; Matheus, Kasado, Chiquinho e Renato Ribeiro; Cassiano Bodini (Flávio) e Marcelo Macedo (Alfredo). Técnico - Giba.
SÃO Paulo - Rogério Ceni; Paulo Miranda (João Schmidt), Rhodolfo, Lúcio e Cortez; Wellington, Fabrício, Cañete (Aloísio) e Douglas; Wallyson (Ademilson) e Luis Fabiano. Técnico - Ney Franco.
GOLS - Luis Fabiano, aos 26 minutos do primeiro tempo e aos 3 do segundo.
ÁRBITRO - Luiz Flávio de Oliveira.
CARTÕES AMARELOS - Douglas.
RENDA E PÚBLICO - Não disponíveis.
LOCAL - Estádio Jaime Cintra, em Jundiaí (SP).




Nenhum comentário:

Postar um comentário