sábado, 3 de dezembro de 2016

ATÉ O CÉU CHOROU: CHUVA MARCA ADEUS DE CHAPECÓ AOS SEUS ANJOS HERÓIS

03/12/2016 12h28 - Atualizado em 03/12/2016 16h17

Até o céu chorou: chuva marca adeus de Chapecó aos seus anjos heróis

Torcedores, familiares e amigos se despedem de jogadores, membros da comissão técnica, dirigentes e jornalistas, vítimas de tragédia com avião da Chapecoense

Por Chapecó, SC

Quando o primeiro caminhão passou pelo apertado portão da Arena Condá, por volta de 12h28, o choro se refez em um grito. Lá dentro, apesar da forte chuva que castigava Chapecó desde cedo, os torcedores, firmes, buscaram forças: "O campeão voltou". Os heróis voltaram. Em clima de comoção, familiares, amigos e toda uma cidade começaram a se despedir de jogadores da Chapecoense, membros da comissão técnica, dirigentes e jornalistas, vítimas do acidente que deixou 71 mortos na madrugada da última terça-feira.
Caixão velório Chapecoense (Foto: AFP)Membros das Forças Armadas carregam os caixões das vítimas do acidente (Foto: AFP)

A primeira aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB) que transportava os corpos das vítimas do acidente aéreo envolvendo a delegação da Chapecoense chegou a Chapecó na manhã deste sábado, por volta das 09h28. A segunda aterrissou às 09h44m. Depois de uma cerimônia protocolar com membros das Forças Armadas e com o presidente Michel Temer, os 50 caixões seguiram para a Arena Condá em caminhões com as laterais abertas, para que o público pudesse se despedir.
Olhar perdido da torcedora nas arquibancadas da Arena Condá (Foto: Buda Mendes/Getty Images)Olhar perdido da torcedora nas arquibancadas da Arena Condá (Foto: Buda Mendes/Getty Images)

Durante todo o cortejo, mesmo sob chuva, torcedores ocuparam as ruas de Chapecó à espera da passagem dos caminhões. Na chegada à Arena Condá, comoção. Muitos torcedores choravam quando os caixões entraram pelos portões do estádio. Os campeões haviam voltado. Um a um, levados por membros das Forças Armadas, os caixões seguiram para debaixo das tendas montadas no gramado.

O prefeito de Chapecó Luciano Buligon vestiu a camisa do Atlético Nacional na hora de falar (veja o vídeo acima). Ao microfone, agradeceu de forma emocionada a todo o apoio recebido pelo povo colombiano após o acidente.
- Deus também tem o direito de chorar. Por isso chove tanto na terra de Condá. Preciso reconhecer, antes de nada, que a Colômbia fez com que nos aproximássemos de forma a não mais se esquecer. Só por competência de todos eles, colombianos, que temos seis sobreviventes desse trágico acidente. muito obrigado, povo da Colômbia. Vocês sempre estarão nos nossos corações. Essa equipe não é mais de Chapecó. É do mundo - disse o prefeito.
Torcedora não se contém e chora na Arena Condá (Foto: Buda Mendes/Getty Images)Torcedora não se contém e chora na Arena Condá (Foto: Buda Mendes/Getty Images)
A chuva não dava tréguas. Nas arquibancadas, torcedores choravam. Ao lado dos caixões, familiares se abraçavam e tentavam se manter firmes para a despedida daqueles que se foram cedo demais. Sob as tendas, cerca de duas mil pessoas se uniam para darem adeus. O zagueiro Rafael Lima, que não viajou por estar machucado, desabou (veja no vídeo abaixo).

"Nas alegrias e nas horas mais difíceis, meu furacão tu és sempre um vencedor!", dizia uma faixa pendurada nas tendas. Quando familiares do atacante Thiaguinho foram ao gramado, torcedores aplaudiram e gritaram o nome de um de seus heróis. O mesmo se repetia com outros parentes de vítimas. Após o último caixão, na retirada dos militares que faziam o corredor para a passagem dos militares, a torcida explodiu mais uma vez, em aplausos de agradecimento.
Caixão velório Chapecoense (Foto: Agência Estado)Parentes dão adeus às vítimas durante velório na Arena Condá (Foto: Agência Estado)
Mário Motta, da RBS, e Vanessa Hubner, diretora de comunicação da Prefeitura de Chapecó, apresentaram a cerimônia. A banda da Polícia Militar da cidade, então, executou o Hino da Chapecoense em sequência. Ivan Tozzo, presidente em exercício do clube, foi o primeiro falar. Agradeceu à torcida, ao povo colombiano e pediu para que o torcedor da Chape não desistisse.
Família Danilo Chapecoense Velório Chapecó (Foto: David Abramvezt)Os pais do goleiro Danilo com a imagem do filho na Arena Condá (Foto: David Abramvezt)

- Aqui, nesse mesmo campo, onde fomos vitoriosos, nos despedimos. Nos colocamos hoje, diante de um momento muito difícil. A partida repentina desses talentos é irreparável. Desejo, de coração, que todas as palavras expressem o sentimento que carrego neste momento. Entender não é tarefa fácil. Pois transcende bandeiras, fronteiras, idioma e nacionalidades. todo mundo se une nesse momento. Queridos torcedores, famílias e pequeninos: não percam a esperança. Continuem firmes. Nossa amada Chape, mais do que nunca, precisa de vocês.

Funcionários da Chapecoense foram a campo com nomes das vítimas escritos na camisa. Cada um soltou um balão branco em homenagem aos mortos (veja no vídeo acima), enquanto todos apareciam nos telões do estádio. Flores e uma camiseta foram entregues aos parentes das vítimas. Um jornalista argentino que cobria o evento teve uma crise de choro, passou mal e foi levado a um hospital.

Cid Moreira leu a Carta de Paulo e o salmo 23. O bispo da arquidiocese de Chapecó, Odenir José Magri, transmitiu uma mensagem enviada pelo Papa Francisco.
- Ao mesmo tempo que encomenda Deus, pai da misericórdia, o Santo Padre pede ao céu conforto e restabelecimento pelos sobreviventes, coragem e a consolação da esperança cristã a todos os atingidos pela tragédia. E envia a todos que estão em sofrimento uma propiciadora benção apostólica.
gianni infantino, presidente, fifa, chapecó (Foto: Diego Vara/Reuters)Gianni Infantino, presidente da Fifa, na Arena Condá (Foto: Diego Vara/Reuters)


Uma placa foi entregue para o embaixador da Colômbia Alejandro Borda, para ser dada ao treinador do Atlético Nacional, Reinaldo Rueda. Em seguida, honras militares, que terminaram com uma salva de tiros, vieram procedidas de um enorme silêncio.
tite, treinador, seleção, arena condá, chapecoense, velório (Foto: Diego Vara/Reuters)Tite, treinador da Seleção, exibe a bandeira da Chapecoense (Foto: Diego Vara/Reuters)

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, discursou. Ele viajou a Chapecó acompanhado dos ex-jogadores Seedorf e Puyol. Tite, técnico da seleção brasileira, também esteve presente e confortou os familiares (veja no vídeo abaixo). A cerimônia contou ainda com mensagens de Neymar e de outros diversos jogadores, no telão, dando força ao povo de Chapecó.

Os parentes e amigos das vítimas, então, caminharam pelo gramado da Arena Condá erguendo a foto de seus familiares. A chuva, nesse momento, deu uma trégua. A arquibancada, de pé, aplaudiu a retirada dos caixões. Todos, na sequência, saíram em silêncio da linda e emocionante despedida. #forçachape
Demerson e família de Arthur Maia Velório Chapecó Chapecoense (Foto: Janir Junior)O zagueiro Demerson chora na saída do velório enquanto segura a foto do companheiro Arthur Maia (Foto: Janir Junior)

*Amanda Kestelman, David Abramvezt, Diego Madruga, Felippe Costa e Janir Junior participaram da cobertura em Chapecó.

+ Acompanhe em tempo real todas as informações sobre a tragédia
+ Xodó, pequeno índio Carlinhos tenta entender a dor: "Só sinta a Chape"
+ Conmebol vai declarar Chapecoense campeã da Copa Sul-Americana

+ Chape não vai jogar a última rodada: "CBF não manda nada nesse aspecto"

+ A fábula do indiozinho: em meio à dor, surgirá a Chape do futuro 

+ Falta de combustível exigido por lei pode ter causado "apagão súbito"

Torcedor vestido com a bandeira da Chapecoense (Foto: DOUGLAS MAGNO / AFP)Torcedor vestido com a bandeira da Chapecoense na Arena Condá (Foto: DOUGLAS MAGNO / AFP)
Percurso aeroporto Arena Condá Chapecoense (Foto: Reprodução)Percurso percorrido entre o aeroporto e a Arena Condá  (Foto: Reprodução)
INFO - acidente avião chapecoense v3 (Foto: Editoria de Arte)