quinta-feira, 23 de junho de 2016

ROTA DA INDEPENDÊNCIA DA BAHIA /19/06/2016 - FUNDAÇÃO PEDRO CALMON


Fundação Pedro Calmon

19/06/2016 06:00

Rota da Independência passará por Cachoeira e São Félix nessa semana



Panfleto de cachoeira com data e local dos eventosAs cidades-irmãs do recôncavo baiano, Cachoeira e São Félix, receberão na quarta e quinta-feira (15 e 16), a Rota da Independência. A Rota passará por diferentes municípios, ressaltando a importância de cada local na luta pela Independência da Bahia e oferecendo diversas atividades culturais e históricas.



O projeto é promovido pela Fundação Pedro Calmon, em parceria da Fundação Cultural da Bahia (Funceb) e o Instituto do Patrimônio Artístico Cultural da Bahia (Ipac) – unidades vinculadas à Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA). O secretário de Cultura de Cachoeira, André Reis, fala sobre a importância da Rota para os baianos: “É essencial reforçar a importância dos municípios envolvidos na Independência do Brasil na Bahia. Esse projeto está vinculado à memória, que é importante para reflexão da nossa cultura identitária. É interessante demarcar essa relação dos municípios e reforçarmos essas datas. Além disso, a forma de segmento do roteiro de maneira linear de acontecimentos contribui na reconstituição da história”.



Nesse mesmo sentido, o diretor do Centro de Memória da Bahia, Rafael Fontes, destaca que ambas as cidades foram palco de grandes debates para a consolidação da emancipação do Brasil. “A memória do 2 de Julho é muito viva na cidade, na população e para o poder público local. Cachoeira é muito vaidosa ao falar do processo de independência do Brasil na Bahia, e está correta em ser. Levar a Rota da Independência a essas localidades, é reconhecer essa importância”, aponta Rafael.

Cachoeira é a segunda capital do Estado, de acordo com a Lei Estadual 10695/07. Todos os anos, no dia 25 de junho, o governo estadual é transferido para a cidade em reconhecimento histórico pelos feitos da cidade em prol do país. 



Contexto Histórico - Cachoeira recebeu o status de cidade heroica pela participação decisiva nas lutas pela independência, e não é para menos. No século XIX, na semana seguinte da assinatura da ata de vereança em Santo Amaro, o coronel de milícias José Garcia Pacheco reuniu cem homens armados em Santo Amaro e marchou para a vizinha vila de Cachoeira, sendo recebido com entusiasmo pela população. Novos grupos de voluntários se juntaram ao improvisado destacamento militar. 



Na manhã de 25 de junho de 1822, o engenheiro Antônio Rebouças, um dos líderes do movimento, aclamou D. Pedro I como “Defensor perpétuo e Constitucional do Brasil”, o que despertou a ira do general Inácio Luís Madeira de Melo, militar português que ocupava o cargo de “Governador das Armas”. Enquanto os moradores se reuniram para comemorar na atual Praça da Aclamação, onde foi feita a leitura da ata seguida de um Te Deum (hino cristão) na Igreja Matriz, Madeira de Melo atacou a cidade com canhões e logo no início conseguiu matar o comandante das tropas cachoeiranas, o soldado Manoel Soledade, conhecido como Tambor Soledade. 



A canhoneira lusitana estava estacionada no Rio Paraguaçu, em frente à cidade, e haviam portugueses entrincheirados em suas casas atirando contra as pessoas que se aglomeravam nas ruas. Na primeira noite, os portugueses atacaram as casas dos brasileiros. A situação se inverteu na manhã seguinte quando uma improvisada e pequena frota de canoas e pequenos barcos de pesca, vinda também de São Félix, cercou a canhoneira de todos os lados. Na falta de equipamentos mais modernos, os nativos usavam espingardas de caça e um canhão antiguíssimo, exibido até então como relíquia em Praça de Cachoeira. 



São FélixConhecida como cidade-irmã de Cachoeira, São Félix prestou importantes serviços lutando ao lado da cidade vizinha, à qual era vinculada administrativamente. Naquele lendário mês de junho, São Félix também se transformou numa praça de guerra e entrou em luta em prol de uma causa comum. Muitas embarcações foram estraçalhadas pela fuzilaria da escuna portuguesa, tendo jazido muitos no Rio Paraguaçu. Após três dias intensos de guerra, de Cachoeira e São Félix as tropas seguiram para Salvador. 



Na tarde do dia 28 de junho, o comandante português e seus 26 marinheiros finalmente se renderam, por estarem sem comida e munições. Como assinala o jornalista e escritor Laurentino Gomes - que escreveu os livros 1808, 1822 e 1889 sobre a história do Brasil - foi a mais singela e talvez a mais heroica de todas as batalhas navais da independência brasileira. 



Programação – As atividades da Rota da Independência acontecem em parceria com a Fundação Cultural da Bahia (Funceb) e do Instituto do Patrimônio Artístico Cultural da Bahia (Ipac). Na quarta-feira (15), das 9h às 18h, haverá visita na Biblioteca de Extensão (Bibex) e do Estande Móvel da Biblioteca Virtual Consuelo Pondé (BVCP) – unidades vinculadas à Fundação Pedro Calmon/ Secretaria de Cultura do Estado. 



Nas atividades, que serão no Cine Theatro Cachoeirano, a Bibex oferecerá além do acervo ao ar livre, brincadeiras e leituras com a equipe da biblioteca; e o projeto Família Verde Plantão, uma banda lúdica de palhaços que tem alunos da rede pública de ensino como jovens produtores. Já a BVCP, através do estande móvel, oferecerá ao público acesso guiado ao site da unidade, divulgando especialmente conteúdos relacionados à luta da independência do Brasil na Bahia. 



Ainda em Cachoeira, no Arquivo Público Municipal e na Câmara de Vereadores, acontecerá exposição sobre o 25 de Junho / 2 de Julho, das 9h às 17h. Pela tarde, haverá exibição de documentário sobre o 2 de Julho no Cine Theatro Cachoeirano. 



Já na quinta-feira (16), o Centro Cultural Dannemann, em São Félix, receberá a visita da Bibex e da BVCP. Além disso, também haverá encontro do Plano Municipal do Livro, Leitura e Biblioteca e Encontro Territorial dos Arquivos. As atividades estão programadas das 9h às 12h. 



Pela tarde, as atividades seguem em Cachoeira das 13h às 18h. No Cine Theatro Cachoeirano haverá participação da Bibex, a apresentação artística da Funceb com a coreografia Bufyo, com assinatura da coreógrafa Roquidélia, que retrata a transformação de Yansã para Búfalo. Bufyo será apresentado por Luan, Eliosvaldo, Tuago, Juca, Rafael e Sergio Reis.



Logo após, haverá aula-espetáculo, História Estoriósas da Independência da Bahia, ministrada pela Cia de Teatro Finos Trapos sobre a importância da celebração da Independência do Brasil na Bahia. Usando a arte como linguagem, o grupo também apresenta os personagens históricos e míticos mostrando ao público a importância destes para os diversos segmentos sociais presentes na celebração. No final, haverá Conserto à Liberdade com a Filarmônica Lyra Ceciliana. 



#RotadaIndependência - Realizada pela Fundação Pedro Calmon/SecultBA, a Rota visa reforçar na memória dos municípios que participaram das lutas pela Independência do Brasil na Bahia, seus respectivos papéis no processo, fortalecendo o senso cívico e cultural dos mesmos. Com o tema 2 de Julho é todo ano, 2 de Julho é todo dia, a Rota 2016 conta com a parceria da Fundação Cultural da Bahia (Funceb) e do Instituto do Patrimônio Artístico Cultural da Bahia (Ipac) e revisita algumas dessas cidade, levando uma programação com música, arte e oficinas de leitura, de 13 a 30 de junho. Os municípios de Santo Amaro (13), São Francisco do Conde (14), Cachoeira (15), São Felix (16), Maragogipe (17), Itaparica (20) e Caetité (29) receberão a Rota da Independência, que este ano, celebra nove anos. Todas as informações e atividades estão disponíveis no site www.fpc.ba.gov.br.


Fundação Pedro Calmon

16/06/2016 15:50

A Rota da Independência aporta na Baía de Todos os Santos

Divulgalçao de Itaparica na Rota
Depois de percorrer cinco municípios do Recôncavo Baiano, chegou a vez da cidade de Itaparica receber aRota da Independência. Com o objetivo de difundir informações sobre a Independência do Brasil na Bahia — através de atividades históricas e culturais, — o evento acontece na próxima segunda-feira (20), na Biblioteca Juracy Magalhães Jr. - Itaparica. Com o tema 2 de Julho é todo ano, 2 de Julho é todo dia, a rota é uma realização daFundação Pedro Calmon/ Secretaria de Cultura do Estado, em parceria com a Fundação Cultural da Bahia (Funceb) e do Instituto do Patrimônio Artístico Cultural da Bahia (Ipac). 


Quem aporta nas praias da Ilha de Itaparica, talvez nem imagine que naquelas areias percorreram figuras que tiveram papel crucial nas lutas pela Independência do Brasil na Bahia. Para o secretário de Cultura e Turismo de Itaparica, Everton Santos, “Este ano é especial para Itaparica, por voltar a integrar a Rota da Independência. Esse projeto é de fundamental importância para rememorar e valorizar todos aqueles que alguma forma contribuíram para a Independência do Brasil na Bahia”.



Programação – O evento está previsto para acontecer das 09h às 18h, na Biblioteca Juracy Magalhães Jr. – Itaparica. Pela manhã, a Biblioteca de Extensão (Bibex), estará na unidade com levando interação ao ar livre, brincadeiras e leituras com a equipe do projeto Família Verde Plantão, uma banda lúdica de palhaços que faz apresentação sobre as lutas da Independência da Bahia. Também haverá estande da Biblioteca Virtual Consuelo Pondé.



Já à tarde, no festival 2 de Julho é todo ano, 2 de Julho é todo dia, terá a apresentação do espetáculo Berrantes, realizada pelo grupo de estudantes da Escola de Dança da Fundação Cultural da Bahia (Funceb), com coreografia de Nilmara Rocha. A dança retrata os aspectos da cultura nordestina, homenageando Luís Gonzaga.



A programação local está assegurada com a participação dos grupos da Ilha de Samba de Roda do CASI (Centro de Atenção a Saúde do Idoso), Grupo Marejá, Os Guaranis e a Fanfarra Municipal José Fernando Figueiredo (FAMJEFF).



Encerrando o dia, aula espetáculo Histórias Estoriósas da Independência da Bahia, com a Cia de Teatro Finos Trapos, que fala sobre a importância da celebração da Independência do Brasil na Bahia, com objetivo de informar a população sobre a data através da arte. Na aula-espetáculo, o tema é apresentado de forma acessível ao contar sobre a história da independência do Brasil na Bahia e de seus personagens históricos e míticos. Para fechar a programação ainda haverá apresentação de filarmônica no local.



Contexto Histórico - Entre 1821 e 1823, a ilha de Itaparica foi cenário para importantes batalhas durante as lutas pela Independência do Brasil na Bahia. Dentre alguns personagens, destacou-se Maria Felipa de Oliveira, a heroína negra da Independência, como era conhecida. Felipa liderou um grupo de mulheres e homens de diferentes classes e etnias em defesa da soberania nacional. Durante as batalhas, um grupo liderado por ela, incendiou 42 embarcações da esquadra portuguesa, permitindo ao povo de Salvador a supremacia nos embates e a definição da situação, com a vitória sobre as tropas da dominação portuguesa. 


Rota da Independência - Realizada pela Fundação Pedro Calmon/SecultBA, a Rota visa reforçar na memória dos municípios que participaram das lutas pela Independência do Brasil na Bahia, seus respectivos papéis no processo, fortalecendo o senso cívico e cultural dos mesmos. Com o tema 2 de Julho é todo ano, 2 de Julho é todo dia, a Rota 2016 conta com a parceria da Fundação Cultural da Bahia (Funceb) e do Instituto do Patrimônio Artístico Cultural da Bahia (Ipac) e revisita algumas dessas cidades, levando uma programação com música, arte e oficinas de leitura, de 13 a 30 de junho. Os municípios de Santo Amaro (13), São Francisco do Conde (14), Cachoeira (15), São Felix (16), Maragogipe (17), Itaparica (20) e Caetité (29) receberão a Rota da Independência, que este ano, celebra nove anos. Todas as informações e atividades estão disponíveis no site www.fpc.ba.gov.br. 


Fundação Pedro Calmon

12/06/2016 02:00

Santo Amaro será a primeira cidade a receber a Rota da Independência

    Os baianos já estão preparados para receber mais uma comemoração da Independência da Bahia, que acontece com o projeto Rota da Independência, realizado pela Fundação Pedro Calmon/ Secretaria de Cultura do Estado, em parceria da Fundação Cultural da Bahia (Funceb) e o Instituto do Patrimônio Artístico Cultural da Bahia (Ipac). Com o título 2 de Julho é todo ano, 2 de Julho é todo dia, a rota começa segunda-feira (13) pelo município de Santo Amaro, Território do Recôncavo, aproximadamente a 72 quilômetros de Salvador. 

O assessor da Secretaria de Cultura de Santo Amaro, Carlos Dias da Silva, fala sobre a importância da Rota da Independência na cidade: “A Rota da Independência já faz parte do calendário de festejos do Dois de Julho da região. O povo de Santo Amaro luta pelo reconhecimento da data 14 de junho, como data da assinatura da ata de vereança e com a passagem da Rota na região, há um respaldo e reconhecimento da importância de Santo Amaro para a independência do Brasil na Bahia”. 

Santo Amaro tem importância história dentro do contexto das lutas pela independência do Brasil. No século XIX, na campanha pela Independência do Brasil, a Vila de Nossa Senhora da Purificação e Santo Amaro foi a primeira a declarar seu apoio ao príncipe D. Pedro, o que significava não obedecer mais ao rei de Portugal. A cidade teve um papel estratégico ao realizar em 14 de junho de 1822, dois meses antes do Grito do Ipiranga, uma sessão na Câmara dos Vereadores, onde foi elaborado um detalhado programa de governo para o Brasil independente, que ficou conhecido como ata da vereança. 

Na reunião, representantes pediam que o novo país organizasse um exército e uma marinha de guerra, um tesouro público e um tribunal supremo de Justiça. Além disso, eles propunham também uma Junta de Governo eleita pelo povo – novidade extraordinária numa época em que o povo não participava de nenhuma decisão política. Por fim, eles defendiam tolerância religiosa, a criação de uma universidade, e a liberdade de comércio para estimular a indústria nacional. 

Programação – Diversas atividades estão programadas para acontecerem na primeira cidade que declarou apoio à independência do país. A programação está marcada para acontecer na Praça da Purificação, no período da manhã e da noite. Pela manhã, haverá divulgação da aula-espetáculo História Estoriósas da Independência da Bahia nas escolas locais pelo Grupo Finos Trapos e Encontro do Plano Municipal do Livro, Leitura e Biblioteca, das 9h às 12h, na Câmara Municipal dos Vereadores, na Praça da Purificação. 

O Festival 2 de Julho é todo ano, 2 de Julho é todo dia acontecerá à noite, também na Praça da Purificação, a partir das 18h. Haverá apresentação artística da Escola de Dança da Fundação Cultural da Bahia (Funceb), a coreografia Diferente Semelhança, do Núcleo Nordeste de Amaralina. Quem assina a coreografia é Denise Torraca, apresentada pelo duo Bruna e Jennifer Aleluia. 

Além de dança, haverá História Estoriósas da Independência da Bahia, com a Cia de Teatro Finos Trapos, que fala sobre a importância da celebração da Independência do Brasil na Bahia, com objetivo de informar a população sobre a data através da arte. Às 19h, na aula-espetáculo, o tema é apresentado de forma acessível ao contar sobre a história da independência do Brasil na Bahia e de seus personagens históricos e míticos. Para fechar a programação ainda haverá apresentação de filarmônica Filhos de Apolo, a partir das 20h. 

#RotadaIndependência - Realizada pela Fundação Pedro Calmon/SecultBA, a Rota visa reforçar na memória dos municípios que participaram das lutas pela Independência do Brasil na Bahia, seus respectivos papéis no processo, fortalecendo o senso cívico e cultural dos mesmos. Com o tema 2 de Julho é todo ano, 2 de Julho é todo dia, a Rota 2016 conta com a parceria da Fundação Cultural da Bahia (Funceb) e do Instituto do Patrimônio Artístico Cultural da Bahia (Ipac) e revisita algumas dessas cidade, levando uma programação com música, arte e oficinas de leitura, de 13 a 30 de junho. Os municípios de Santo Amaro (13), São Francisco do Conde (14), Cachoeira (15), São Felix (16), Maragogipe (17), Itaparica (20) e Caetité (29) receberão a Rota da Independência, que este ano, celebra nove anos. Todas as informações e atividades estão disponíveis no site www.fpc.ba.gov.br. 



Fundação Pedro Calmon

14/06/2016 14:00

Começa a Rota da Independência 2016

Música, dança, debate e teatro marcaram o primeiro dia da Rota da Independência. O primeiro destino foi a cidade de Santo Amaro, localizada no Recôncavo baiano, que foi local estratégico nas lutas pela independência da Bahia. No século XIX, na campanha pela Independência do Brasil, a Vila de Nossa Senhora da Purificação e Santo Amaro foi a primeira a declarar seu apoio ao príncipe D. Pedro, o que significava não obedecer mais ao rei de Portugal. A cidade teve um papel estratégico ao realizar em 14 de junho de 1822, dois meses antes do Grito do Ipiranga, uma sessão na Câmara dos Vereadores, onde foi elaborado um detalhado programa de governo para o Brasil independente, que ficou conhecido como ata da vereança.

Mesa_de_AberturaRota da Independência é um projeto realizado pela Fundação Pedro Calmon (FPC), com apoio da Fundação Cultural da Bahia (Funceb) e do Instituto artístico Cultura da Bahia (Ipac) – unidades vinculadas à Secretaria de Cultura do Estado da Bahia. Na mesa de abertura das programações, realizada na manhã desta segunda-feira (13), a diretora da Funceb, Fernanda Tourinho reforçou a importância do município na independência de Portugal. “Santo Amaro é uma das almas do Recôncavo, sendo uma das maiores representações e simboliza a essência cultura do nosso Estado”. Além de Fernanda, compuseram a mesa o diretor geral da FPC, Zulu Araújo e o secretário de Cultura e Turismo de Santo Amaro, Rodrigo Veloso, que não poupou palavras para descrever a chegada da Rota. “Um único evento que discute políticas, traz artes e interage com esta beleza na cidade, precisava voltar mais vezes”, conclui o secretário.

Reuniao_do_Plano_Municipal_de_Livro_Leitura_BibliotecaEm seguida, logo após da mesa de abertura, ocorreu a reunião para implementação do Plano Municipal de Livro, Leitura e Bibliotecas. Na ocasião, servidores municipais, atuantes dos referidos segmentos, discutiram formas de municipalizar as ações, leis e atuações da área. A noite, foi a vez das apresentações culturais. O ponto alto da programação ficou por conta do Festival 2 de julho é todo ano, 2 de julho é todo dia. A apresentação contou com encontro de performances na Praça da Purificação, me pleno Centro da Cidade, reunindo jovens, idosos e adultos para interação lúdica. A primeira apresentação foi da Escola de Dança da Fundação Cultural da Bahia (Funceb), a coreografia Diferente Semelhança, apresentada pelo duo Bruna e Jennifer Aleluia, do Núcleo Nordeste de Amaralina e com coreografia assinada por Denise Torraca. Depois da dança, a Filarmônica da cidade, Filhos de Apolo fizeram apresentação com músicas clássicas e autorias. E encerrando a noite, o Espetáculo História Estoriósas da Independência da Bahia. A montagem criada especialmente para Rota, conta de forma divertida e com alusões modernas, sobre a importância da celebração da Independência do Brasil na Bahia. “Ri, entendi e quero ver mais”, exclamou Jennifer Vitória, estudante colegial de 7 anos que assistiu tudo atentamente. “Agora entendi tudo que aconteceu e já posso até fazer prova. A sala toda deveria ter vindo”, complementa Jennifer que esteve presente com seus pais e suas irmãs.

    Funceb   Filarmonica

#RotadaIndependência 
- Realizada pela Fundação Pedro Calmon/SecultBA, a Rota visa reforçar na memória dos municípios que participaram das lutas pela Independência do Brasil na Bahia, seus respectivos papéis no processo, fortalecendo o senso cívico e cultural dos mesmos. Com o tema 2 de Julho é todo ano, 2 de Julho é todo dia, a Rota 2016 conta com a parceria da Fundação Cultural da Bahia (Funceb) e do Instituto do Patrimônio Artístico Cultural da Bahia (Ipac) e revisita algumas dessas cidade, levando uma programação com música, arte e oficinas de leitura, de 13 a 30 de junho. Os municípios de Santo Amaro (13), São Francisco do Conde (14), Cachoeira (15), São Felix (16), Maragogipe (17), Itaparica (20) e Caetité (29) receberão a Rota da Independência, que este ano, celebra nove anos. Todas as informações e atividades estão disponíveis no site www.fpc.ba.gov.br.

Acompanhe tudo sobre a Rota da Independência

Fundação Pedro Calmon

12/06/2016 15:50

Próxima parada da Rota da Independência será em São Francisco do Conde, na terça-feira (14)

Programação
Na próxima terça-feira (14), a Rota da Independência estará em São Francisco do Conde, cerca de 67 quilômetros de Salvador. O projeto é promovido pela Fundação Pedro Calmon (FPC) e com a parceria da Fundação Cultural do Estado (Funceb) e do Instituto do Patrimônio Artístico Cultural da Bahia (Ipac) – unidades vinculas à Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA). De 13 a 30 de junho, a Rota da Independência visita algumas das cidades que participaram das batalhas que resultaram na expulsão das tropas portuguesas da Bahia de Todos os Santos e da Cidade de Salvador entre 1822 e 1823. 

Contexto Histórico - São Francisco do Conde é um município da Região Metropolitana que pertenceu a Salvador, até 1697, quando foi emancipado. Em 1822, por meio de carta, os deputados da província da Bahia nas Cortes de Lisboa consultaram os seus distritos, indagando qual a opinião sobre qual deveria ser a relação da Bahia com a metrópole. Tomando a frente, estava a vila de São Francisco do Conde, que se manifestou favorável que a província passasse para a regência de D. Pedro, no Rio de Janeiro. Por trás destas declarações, havia a nítida vontade de separação de Portugal, a quem já tinham como figura opressora.

Em 29 de junho de 1822, senhores de engenho das Vilas de São Francisco do Conde e de Santo Amaro enviaram uma declaração à Cachoeira propondo que a Junta Interina ampliasse sua atuação e se transformasse em um governo militar civil legítimo para todas as Vilas do Recôncavo. Nos dias seguintes, outras vilas e povoados baianos se uniram. A participação da cidade nas lutas da independência foi assinalada pelo Tenente-coronel Comandante Joaquim Inácio de Siqueira Bulcão e o primeiro Barão de São Francisco, cognominado de “Patriarca da liberdade baiana”. Junto com eles, também houve Alexandre Gomes de Argollo Ferrão, o Barão de Cajaíba, proprietário de muitos escravos e com fama de cruel. O Barão tinha a medalha de Guerra da Independência da Bahia, e era membro de uma importante e ilustre família de abastados senhores de engenhos. 

Em São Francisco do Conde há uma placa cunhada na pedra em 1922, exposta na Praça da Independência juntamente com o busto do Barão de Cajaíba, 1º Visconde de Itaparica. O militar comandou um batalhão de caçadores na batalha de Pirajá (pela independência) e participou de outras importantes batalhas como a Sabinada (1937) e a Guerra dos Farrapos (1835-1845), no sul do país. 

O prefeito de São Francisco do Conde, Evandro Almeida, destaca que “historicamente, o povo de São Francisco do Conde traz na sua trajetória o pulsar pela libertação. A consolidação da independência da Bahia, contou ativamente com a participação dos franciscanos, que lutaram com toda garra para essa conquista que é também do povo brasileiro. Imortalizar este momento em nosso município é motivo de muito orgulho para todos nós”.

Programação – Diversas atividades estão programadas para terça-feira (14). Pela manhã, acontecerá encontro do Plano Municipal do Livro, Leitura e Biblioteca, no Auditório da Sefaz, na Praça da Independência. 

A Biblioteca de Extensão – unidade vinculada à FPC/SecultBA, estará na cidade e oferecerá ao ar livre, brincadeiras, leituras com a equipe da biblioteca e o projeto da Família Verde Plantão, que consiste numa banda lúdica de palhaços com alunos da rede pública de ensino como jovens produtores. Ainda pela manhã, a Biblioteca Virtual Consuelo Pondé, através de estande móvel, oferecerá ao público acesso guiado ao site da unidade, divulgando os conteúdos disponíveis, especialmente os temas relacionados à luta de independência do Brasil na Bahia. A unidade que também é vinculada à FPC, terá TV exibindo as principais ações nos últimos anos. 

Pela tarde, a programação artística Festival 2 de Julho é todo ano, 2 de Julho é todo dia acontecerá no Espaço Carramanchão (em frente ao Mercado Culural), no Largo Maria do Benzer. Os estudantes do 3º semestre do curso profissional de dança da Funceb apresentarão a coreografia Corpos Ancestrais, da coreógrafa Isis Carlas Matos Cardoso. 

Logo depois, haverá aula-espetáculo sobre a importância da celebração da Independência do Brasil na Bahia, com a Cia de Teatro Finos Trapos. A performance História Estoriósas da Independência da Bahia. Através da arte, a atividade tem objetivo de informar a população sobre a data histórica. Encerrando a atividade cultural, haverá Concerto à Liberdade com Filarmônica

#Rota da Independência - Realizada pela Fundação Pedro Calmon/SecultBA, a Rota visa reforçar na memória dos municípios que participaram das lutas pela Independência do Brasil na Bahia, seus respectivos papéis no processo, fortalecendo o senso cívico e cultural dos mesmos. Com o tema 2 de Julho é todo ano, 2 de Julho é todo dia, a Rota 2016 conta com a parceria da Fundação Cultural da Bahia (Funceb) e do Instituto do Patrimônio Artístico Cultural da Bahia (Ipac) e revisita algumas dessas cidade, levando uma programação com música, arte e oficinas de leitura, de 13 a 30 de junho. Os municípios de Santo Amaro (13), São Francisco do Conde (14), Cachoeira (15), São Felix (16), Maragogipe (17), Itaparica (20) e Caetité (29) receberão a Rota da Independência, que este ano, celebra nove anos. Todas as informações e atividades estão disponíveis no site www.fpc.ba.gov.br. 


Fundação Pedro Calmon

15/06/2016 18:30

Programação infantil movimentou a Rota da Independência em Cachoeira


Rota da Independência

À tarde de hoje (15), na cidade de Cachoeira, foi movimentada pela programação infantil. A unidade móvel da Biblioteca de Extensãolevou para as crianças da cidade contação de história, jogos lúdicos e material paradidático sobre Independência do Brasil na Bahia. Cachoeira é a segunda capital do Estado, de acordo com a Lei Estadual 10695/07. Todos os anos, no dia 25 de junho, o governo estadual é transferido para a cidade em reconhecimento histórico pelos feitos da cidade em prol do país.

Rota da IndependênciaO projeto é promovido pela Fundação Pedro Calmon, em parceria da Fundação Cultural da Bahia (Funceb) e o Instituto do Patrimônio Artístico Cultural da Bahia (Ipac) – unidades vinculadas à Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA). A programação apresentou banda lúdica de palhaços, do projeto Verde Plantão que conversou com as crianças, sobre aspectos da Independência da Bahia. Além disto, Pedro Amorim, 8 anos e Luísa Melina,10 anos, conversaram com outras crianças sobre as experiências que ambos tem na leitura de livros e na composição de poemas. “A leitura mudou minha vida e me permite conhecer um mundo especial”, diz a estudante, Luísa, que confessa preferir escrever poemas. Amanhã (16), além de Cachoeira, a Rota estará no município de São Felix, conhecido como cidade-irmã. Pedro e Luísa participaram do Sarau de Divulgação do III Concurso de Escritores Escolares.

Antecipando as celebrações pela Independência do Brasil na Bahia, a Rota passa por diferentes municípios, ressaltando a importância de cada local na luta e oferecendo diversas atividades culturais e históricas. O diretor do Centro de Memória da Bahia, Rafael Fontes, destaca que ambas as cidades foram palco de grandes debates para a consolidação da emancipação do Brasil. “A memória do 2 de Julho é muito viva na cidade, na população e para o poder público local. Cachoeira é muito vaidosa ao falar do processo de independência do Brasil na Bahia, e está correta em ser. Levar a Rota da Independência a essas localidades, é reconhecer essa importância”, aponta Rafael.

Rota da IndependênciaProgramação – Amanhã (16), as atividades da Rota da Independência acontecem nas duas cidades. Pela manhã, São Félix abrigará as discussões do Plano Municipal do Livro, Leitura e Bibliotecas e o I Encontro Territorial de Arquivos Recôncavo e Portal do Sertão. Além disto, na casa Cultural Américo Simas, a Biblioteca de Extensão (Bibex) e do Estande Móvel da Biblioteca Virtual Consuelo Pondé (BVCP) apresentarão o Festival 2 de Julho é todo ano, 2 de Julho é todo dia. O Festival levará o projeto Família Verde Plantão - banda lúdica de palhaços e História Estoriósas da Independência da Bahia – apresentação Cia de Teatro Finos Trapos sobre a importância da celebração da Independência do Brasil na Bahia para a localidade.

Pela tarde, a programação será em Cachoeira e acontecerão no Cine Theatro Cachoeirano. A Bibex oferecerá brincadeiras e a BVCP, através do estande móvel, oferecerá ao público acesso guiado ao site da unidade, divulgando especialmente conteúdos relacionados à luta da independência do Brasil na Bahia.

O Festival 2 de Julho é todo ano, 2 de Julho é todo dia também se apresentará a tarde, acrescido da apresentação artística da Funceb com a coreografia Bufyo - que retrata a transformação de Yansã para Búfalo e Grupo EX13 – formado por jovens do município, que apresenta dança de rua, com diferentes vertentes. Ainda em Cachoeira, no Arquivo Público Municipal e na Câmara de Vereadores, acontecerá exposição sobre o 25 de Junho/ 2 de Julho, das 9h às 17h. Pela tarde, haverá exibição de documentário sobre o 2 de Julho no Cine Theatro Cachoeirano.

#RotadaIndependência - Realizada pela Fundação Pedro Calmon/SecultBA, a Rota visa reforçar na memória dos municípios que participaram das lutas pela Independência do Brasil na Bahia, seus respectivos papéis no processo, fortalecendo o senso cívico e cultural dos mesmos. Com o tema 2 de Julho é todo ano, 2 de Julho é todo dia, a Rota 2016 conta com a parceria da Fundação Cultural da Bahia (Funceb) e do Instituto do Patrimônio Artístico Cultural da Bahia (Ipac) e revisita algumas dessas cidade, levando uma programação com música, arte e oficinas de leitura, de 13 a 30 de junho. Os municípios de Santo Amaro (13), São Francisco do Conde (14), Cachoeira (15), São Felix (16), Maragogipe (17), Itaparica (20) e Caetité (29) receberão a Rota da Independência, que este ano, celebra nove anos. Todas as informações e atividades estão disponíveis no site www.fpc.ba.gov.br.

SERVIÇO: 

São Felix, 9 às 12h
LOCAL: Casa Cultura Américo Simas
Estande da Biblioteca Virtual Consuelo Ponde
Biblioteca de Extensão
O Festival 2 de Julho é todo ano, 2 de Julho é todo dia com:
10h do projeto Família Verde Plantão - banda lúdica de palhaços
11h do espetáculo História Estoriósas da Independência da Bahia – com apresentação Cia de Teatro Finos Trapos

LOCAL: Centro Cultural Danemmon
Encontro Territorial de Arquivos Recôncavo e Portal do Sertão

Cachoeira, 14 às 17h
LOCAL: Cine Theatro Cachoeirano
Estande da Biblioteca VirConfira a galeria de fotos desta notícia:tual Consuelo Ponde
Biblioteca de Extensão
O Festival 2 de Julho é todo ano, 2 de Julho é todo dia com:
14h do projeto Família Verde Plantão - banda lúdica de palhaços
15h apresentação artística da Funceb com a coreografia Bufyo - aborda transformação de Yansã para Búfalo
15h30 apresentação Grupo EX13 – apresenta dança de rua por jovens da cidade
16h do espetáculo História Estoriósas da Independência da Bahia – com apresentação Cia de Teatro Finos Trapos




Fundação Pedro Calmon

08/06/2016 12:50

Grupos Finos Trapos realiza ensaio aberto em Salvador do espetáculo da Rota

Card de divulgacao da atividade
Está tudo pronto para começar a Rota da Independência 2016. E, visando ajustar os últimos detalhes, a Fundação Pedro Calmon/SecultBA (FPC/SecultBA) realiza no próximo sábado (11), às 16h, ensaio aberto ao público da aula-espetáculo História Estoriósas da Independência da Bahia. A performance é sobre a importância da Celebração da Independência do Brasil na Bahia e será apresentada na Rota da Independência.

As aulas espetáculos ocorrerão nas ruas ou praças, com o objetivo de levar à população informações históricas sobre o Dois de Julho através da arte, tornando o seu tema mais acessível. O ensaio aberto é gratuito e será realizado como parte dos ajustes finais da produção que será apresentada nos munícipios participantes da Rota. 

De acordo com o ator e produtor do grupo, Thiago Carvalho, a proposta do ensaio aberto é de abrir ao público, a possibilidade de apreciação e de avaliação da peça. “É um trabalho de mediação e interação. Além da apresentação, há o momento de responder perguntas e questões sobre a construção e afinar a apresentação que está em construção”, comenta Thiago que ainda ressalta que ensaio aberto é uma prática comum para os grupos de teatro de rua e destaca: “Os ensaios abertos são bons para receber os impactos da interação com público, através do contato imediato, antes das apresentações oficiais”, encerra o produtor do Grupo Finos Trapos. 

Rota da Independência - Realizada pela Fundação Pedro Calmon e com a parceria da Fundação Cultural da Bahia - Funceb e do Instituto do Patrimônio Artístico Cultural da Bahia (Ipac) – unidades vinculadas à Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA) - a Rota visa reforça na memória dos municípios que participaram das lutas pela Independência do Brasil na Bahia, seus respectivos papeis no processo, fortalecendo o senso cívico e cultural dos mesmos. Com o tema 2 de Julho é todo ano, 2 de Julho é todo dia, a programação de 2016 leva música, dança, arte e oficinas de leitura, de 13 a 30 de junho. Os municípios de Santo Amaro (13), São Francisco do Conde (14), Cachoeira (15), São Felix (16), Maragogipe (17), Itaparica (20) e Caetité (29) receberão a Rota da Independência, que este ano, celebra nove anos. Todas as informações e atividades estão disponíveis no site www.fpc.ba.gov.br. 


SERVIÇO
O que: Ensaio aberto da aula-espetáculo História Estoriósas da Independência da Bahia
Quando: Sábado, 11 de junho, às 16h
Onde: Biblioteca Pública do Estado da Bahia, Barris,  Salvador – Bahia
Quanto: Gratuito
Mais informações: www.fpc.ba.gov.br 


Fundação Pedro Calmon

12/06/2016 14:10

Fundação Pedro Calmon realiza a Rota da Independência 2016

Independência do Brasil na bahia


O projeto passará por sete municípios do interior da Bahia com programação lúdica
O Recôncavo baiano está na contagem regressiva para mais uma comemoração da Independência da Bahia, que este ano acontecerá mais cedo, com o projeto Rota da Independência, promovido pela Fundação Pedro Calmon, com a parceria da Fundação Cultural da Bahia (Funceb) e do Instituto do Patrimônio Artístico Cultural da Bahia (Ipac) - unidades vinculadas à Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA). Com o título 2 de Julho é todo ano, 2 de Julho é todo dia, a rota está agendada para começar dia 13 de junho, pelo município de Santo Amaro.
Em seu nono ano consecutivo, a Rota da Independência revisitará algumas das cidades baianas que protagonizaram as lutas pelo processo de independência do Brasil. “A proposta principal é difundir e contextualizar a história referente às batalhas de expulsão das tropas portuguesas da Baia de Todos os Santos e da cidade de Salvador entre 1822 e 1823 e a consequente, a consolidação da independência do Brasil na Bahia”, explica o historiador Rafael Fontes, diretor do Centro de Memória da Bahia.
A programação acontece em junho e conta com oficinas de leitura, contação de histórias e apresentações artísticas (dança, teatro e musica), nos municípios de Santo Amaro (13), São Francisco do Conde (14), Cachoeira (15), São Felix (16), Maragogipe (17) e Itaparica (20). O município sertanejo de Caetité também receberá a Rota, no dia 29.
De acordo com o diretor-geral da FPC, Zulu Araújo, a Rota aproxima a relação entre Estado e o cidadão, à medida que enaltece as datas históricas e cívicas. “A presença da Fundação Pedro Calmon fortalece o capital simbólico desta luta, atuando no campo da sua preservação histórica, num território com importância singular para celebrações pela Independência do Brasil na Bahia”, comenta Zulu Araújo, referindo-se ao Recôncavo da Bahia.  
O secretário de cultura de Cachoeira, André Reis, comenta como Rota da Independência é essencial para reforçar a relevância dos municípios envolvidos na Independência do Brasil na Bahia. “Esse projeto está vinculado à memória, que é importante para reflexão da nossa cultura identitária e é interessante demarcar essa relação dos municípios e reforçarmos essas datas. Além disso, a forma de segmento do roteiro de maneira linear de acontecimentos contribui na reconstituição da história”.
Programação – A programação de 2016 da Rota apresenta diferentes formas de celebrações praticadas em decorrência da independência, enfatizando o sentido de cidadania e a participação popular. Além disso, atua juntos às escolas dos municípios que serão visitados, visando instrumentalizar os professores locais para trabalharem com a história da Independência do Brasil na Bahia e suas celebrações, investindo em performances culturais e estreitando o dialogo com os jovens. E é neste sentido, que Fundação Cultural da Bahia apresentará em cada município da Rota, performances de dança apresentada por jovens da Escola de Dança da Funceb.
Em Santo Amaro, será apresentada a coreografia Diferente Semelhança, do Núcleo Nordeste Amaralina e em São Francisco do Conde, os alunos do 3º semestre profissional apresentarão a montagem Corpos Ancestrais. Já em Cachoeira, é a vez dos alunos dos cursos livres apresentarem Bufyo, que retrata a transformação de Yansã para o Bufalo e no município de Itaparica, a temática é a cultura nordestina e a apresentação é Berrantes. A música fica por conta de musicos da Orquestra da FUNCEB  na apresentação em Caetité. Em todos os municípios, também estão confirmadas as aulas-espetáculos História Estoriósas da Independência da Bahia que falam sobre a importância da celebração da Independência do Brasil na Bahia e ocorrerão nas ruas ou praças públicas das cidades, com o objetivo de informar a população sobre o Dois de Julho através da arte. 
Articulação – Mais do que promover encontros e atividades culturais, a Rota da Independência visa fortalecer os diálogos setoriais com os municípios com encontros setoriais, visando institucionalizar e impulsionar o projeto. Dentro disto, está previsto reuniões com Centros de pesquisa e documentação nestes municípios para a consolidação do colegiado setorial de arquivos. Outra proposta diferencial é a difusão da leitura e do acesso aos livros dedicados às temáticas da Independência do Brasil na Bahia e suas celebrações, ao mesmo tempo em que, pactua-se com os municípios para a consolidação de seus planos setoriais de leitura.
#RotadaIndependência - Realizada pela Fundação Pedro Calmon/SecultBA, a Rota visa reforçar na memória dos municípios que participaram das lutas pela Independência do Brasil na Bahia, seus respectivos papéis no processo, fortalecendo o senso cívico e cultural dos mesmos. Com o tema 2 de Julho é todo ano, 2 de Julho é todo dia, a Rota 2016 conta com a parceria da Fundação Cultural da Bahia (Funceb)  e  do Instituto do Patrimônio Artístico Cultural da Bahia (Ipac) - unidades vinculadas a Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA) e revisita algumas dessas cidade, levando uma programação com música, arte e oficinas de leitura, de 13 a 30 de junho. Os municípios de Santo Amaro (13), São Francisco do Conde (14), Cachoeira (15), São Felix (16), Maragogipe (17), Itaparica (20) e Caetité (29) receberão a Rota da Independência, que este ano, celebra nove anos. Todas as informações e atividades estão disponíveis no site www.fpc.ba.gov.br.

14/06/2016 - Começa a Rota da Independência 2016

15/06/2016 - Programação infantil movimentou a Rota da Independência em Cachoeira

19/06/2016 - Rota da Independência passará por Cachoeira e São Félix nessa semana

12/06/2016 - Fundação Pedro Calmon realiza a Rota da Independência 2016

12/06/2016 - Santo Amaro será a primeira cidade a receber a Rota da Independência

15/06/2016 - Jovens do município de São Francisco do Conde participam da Rota

10/06/2016 - FUNCEB leva dança e música para Rota da Independência

12/06/2016 - Próxima parada da Rota da Independência será em São Francisco do Conde, na terça-feira (14)

    • r.







TOTAL DE ACESSOS MAIS  DE  768 MIL ACESSOS  DIA 22/06/2016 - MÉDIA DIÁRIA  MAIS  DE 500 ACESSOS



 

               TOTAL DE  ACESSOS  MAIS DE  767 MIL - DIA 18/06/16

MÉDIA  DIÁRIA  MAIS  DE 500   ACESSOS - INTERNACIONAIS  MAIS  DE 376 MIL

Visualizações de página por país



Gráfico dos países mais populares entre os visualizadores do blog
EntradaVisualizações de página
Brasil
391573
Alemanha
156327
Estados Unidos
97295
Rússia
24640
Malásia
19731
China
12871
Ucrânia
7173
França
4434
Portugal
3877
Índia
2703


  




Gamaliel  na 1ª  Maratona da Independência da Bahia 1984 
Salvador/Ba. 42. 198 metros





                            TOTAL DE ACESSOS MAIS  DE  737 MIL ACESSOS  DIA 19/04/2016



O POETA MARATONISTA!
             
 Chiquitinha  (Gamaliel Chagas) na  Maratona  do Rio de Janeiro /23/8/1986
(3h 5 min),  foto no  no aterro do  Flamengo/RJ, 42,195 km.

                    CORRER É VIVER, REJUVENESCER...
                                         (A Poesia do Corredor)

                      Chego do trabalho, calço o tênis de corrida
Visto a camisa e o calção, sigo para a pista
Ajusto o relógio, preparo logo a partida
Já estou correndo, olho ao redor, que vista!

Montanhas, rios, e lagos, árvores, casas e gente
Tudo desfilando panoramicamente, que paisagem!
Respiro o oxigênio puro, vitalício, vou em  frente
Pensando, medito enquanto corro, recebo mensagens...

É a minha mente livre, inspirando-me poeticamente
Imagens lindas! E, captando energias do além
Vai fortalecendo meu corpo, docilmente
Sinto-me feliz,  porque a corrida me faz bem.

A cada quilômetro percorrido
Estabeleço um ritmo adequado
Subindo e descendo ladeiras, corro
Sempre a cada passo, respirando controlado.

É a técnica treinada com resistência
Força, energia e muita paciência,
Superando meus limites, aprendo a viver
Sim, corro! Corro! Porque sei que vou rejuvenescer...

                     Poesia feita em  13/02/1985

Poesia em homenagem a todos os corredores de ruas (pedestrianismo) e amantes do atletismo. Direitos Autorais registrado em nome de Gamaliel.   

                       PRINCIPAIS CORRIDAS

Gamaliel Sales Chagas poeta desde os 19 anos de idade  (1970, maratonista, futebolista, pesquisador, historiador,narrador  de futebol,    matense, nasceu 07/07/1951 na rua Luís Sepúlveda Garcez (Centro, Mata de S. João)
Correu  14 maratonas  em 6 estados do Brasil de 1983-87 (S. Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Bahia, Minas Gerais e João Pessoa)
2 maratonas em Nova York (1984 e 1986)
2 São Silvestre (1983, 1984)
Bi-campeão de 5 e 10 mil metros, Fonte Nova ( 1983+84) – (1984/85)
Escolhido o Maratonista Baiano e revelação do Atletismo da Bahia de 1984,  pela AVAB – Associação de Veteranos de Atletismo da Bahia
Correu 30 km de São Cristóvão/ Aracajú  pela  BR 101  no  ano  de 1986
Melhor tempo em maratonas: 2 h 59 min. (Salvador, 13/07/1985)
Representou os municípios de  Mata  de São João, Dias D'Ávila e Camaçari nas  corridas citas  sem ter apoio financeiro das prefeituras  citadas, apoio da Copene e do próprio Atleta (inclusive  nas duas Maratonas Internacionais  houve apoio da Copene  no translado Salvador Rio de Janeiro e vice   versa, ajuda  na  estádia), sendo  passagens  de ida e volta  a  custo do atleta, e trabalhava das 8 horas  as  17 horas e compensava  os dias  da estadia em New  York (5 dias em 1984 e 1986).
CORREU UM  "MARATONA" DA AMEBA/CIDADE  DE SALVADOR,   COM 37 KM, EM 1987



Curso  de  Comunicações  Verbais

(Um dos  melhores do Brasil/S. aulo com credenciamento}

     No ano   de  1985  Gamaliel   iniciou  o   curso  de  Comunicações  Verbais  PPD-IOB (Treinamento  Programado  a  Distância)  por  correspondências  tendo  concluído  o  citado curso no  dia  7/3/1986.  O  citado  curso  organizado  por Oswaldo  Melantonio,  formado em  Direito, Filosofia  e  Jornalismo,  Oswaldo   presidente de  honra  de   várias  instituições  culturais  dentre  elas  a  Academia   Paulista de   Oratório  e  Academia   Brasileira  de   Comunicações  Verbais. O  curso  de  Comunicações   Verbais  teve  a  duração  de  6  meses  equivalente  a  100 horas/ aula  e  credenciado  pelo  CFMO  097.
.
     Oswaldo  Melantonio  realizou   vários   cursos  complementares  no  exterior  e  no  ano  de   1986   fazia 35  anos  se  dedicando  exclusivamente  as  Comunicações  Verbais;  inicialmente,  oratória   formal   e  informal   para   líderes   políticos   e  religiosos.   Nos  últimos   anos   Oswaldo  especializou-se   na   área   de   comunicações   dos   executivos,  objetivando a melhoria  da  produtividade  pela  eficiência  da  comunicação.

PERSONALIDADES EXPOENTES DAS  COMUNICAÇÕES VERBAIS

Várias personalidades  de Top  da  Política Executivos, da Oratória  Geral,  Locutores Esportivos, a  exemplo  de Osmar Santos/SP, Orestes Quércia  Jânio Quadros, Franco Motoro e  outros  expoentes que realizaram este  magnífico  curso, amplo usando as técnicas  da Grécia  antiga,   a exemplos  de   formidáveis  gênios  da  Comunicação, oratória da Grécia Antiga,celeiro exuberantes, Ícones das Comunicações Verbais; Aristóteles Demóstenes Cícero, este  considerado como um dos  maiores   gênios nas  Comunicações  verbais da  Grécia  e  do  Mundo, chegando ao ponto  de  governantes políticos gregos tentarem elimina-los, tal era o seu poder de oratória persuasiva (dotado de espetacular oratória  de convencimento, resumindo   era  um " Um Gênio Abençoado  da  Oratória  das Comunicações Verbais!".
    
Conteúdo  do  curso

     Introdução,  exposições  práticas,  técnicas  da  comunicação  dos  executivos,  educação  da  voz,  expressão  corporal,  figuras  de  estilos,  dez   qualidades   básicas   do  executivo,  práticas  de  comunicações  verbais  e  práticas  de  oratória
     De  modo  especial,  Oswaldo  realiza  treinamentos  para  as  lideranças  dos   principais  escalões   das   grandes   organizações   privadas   e   publicas.  O   citado   curso  já  treinou  grandes  personalidades  de diversos  seguimentos  sociais  a  exemplo  de  Franco  Motoro, Osmar   Santos,  narrador   esportivo   no  estado  de  São  Paulo,  Jânio   Quadros   que   foi  Presidente   da   República   de   31/1/1961   renunciando   o   governo   em   25/8/1961,  foi  prefeito  de  São Paulo  nas  décadas  seguintes.

     Jânio  Quadros  nasceu  em  Campo  Grande,  (Mata  Grosso  do  Sul)  no  ano  de  1917  e  faleceu  no  ano  de  1992  em  São  Paulo  e  outros  não  citados.  IOB – Cursos    de    Legislação   Empresarial   Ltda – CGC   47.677.810/0002-21,   credenciado  no  CFMO  097,  com  endereço  na  Avenida  Marques...  Asa  Branca – SP.